Don Drácula (3 volumes) – Osamu Tezuka


Resultado de imagem para don drácula mangá

Querida Família Lendo Muito, esta será a primeira resenha  que faço de um mangá, já que minha irmãzinha Ana Beatriz é quem costuma responder por este departamento, como vocês já sabem.

Acontece que Don Drácula é um personagem muito conhecido, e que fez parte da juventude de muita gente: o desenho (anime, mil perdões) passava na extinta TV Manchete. 

A história completa divide-se em 3 volumes e começa com Don Drácula (Conde Drácula, para ser mais preciso), sua filha Chocola (Sangria, para quem assistia o anime) e seu mordomo Igor resolvem mudar-se da Transilvânia para o Japão, porque estavam sendo perseguidos por caçadores de vampiros.

Resultado de imagem para don drácula mangá

 

Chegando lá, Don Drácula começa a correr atrás do sangue de mulheres virgens e bonitas e vive situações hilárias e inimagináveis como quando um caçador de vampiro, com crises de hemorroida, acaba fazendo… número 2 em seu caixão, quando ele teve que se vestir de mulher só para ajudar o grupo de ficção-científica dos amigos de sua filha a encontrarem…um vampiro em uma caverna escura, ou quando a Blonda, uma moça muito feia, que se apaixonou por ele após a primeira mordida, não deixa o coitado em paz, exigindo que ele chupe seu sangue a todo custo.

Apesar de engraçado e até um tanto erótico, as histórias muitas vezes abordam temas bem pesados. Exemplo é a história de uma família que resolveu cometer suicídio coletivo e acaba se acidentando antes por causa de uma colisão, ou quando Chocola se apaixona por um garoto da escola e faz de tudo para resistir aos raios de sol só para passear com seu amado durante o dia, e Don Drácula, em desespero, tenta demovê-la da ideia.

Resultado de imagem para don drácula mangá

Pena que o mestre Osamu Tezuka (criador de Astro Boy) tenha abandonado tão precocemente as histórias do vampiro. Suas histórias foram publicadas de 28 de maio de 1979 a 10 de dezembro de 1979.

Se eu pudesse, daria até mais do que 5 estrelas.
✮✮✮✮✮

Quem tiver curiosidade, assista ao anime no youtube. São apenas 8 episódios.

Espero que tenham gostado.

Um beijo no coração de cada um de vocês.

Alex André

Love Stage!!#2-Eiki Eiki


Depois dos acontecimentos do primeiro volume de Love Stage!!, a vida de Izumi parece ter virado de cabeça para baixo e Ryoma se sente mais distante dele do que nunca. O que será que acontece então quando ele decide propor uma inocente amizade? Aviso que daqui para frente terão spoilers do primeiro mangá.

Após ter perdido o controle na casa dos Sena aquele dia, Ryoma aceita que seu amor por Izumi é antigo, profundo e importante demais para poder ser exterminado com a simples descoberta de que havia confundido o sexo do garoto quando criança.

Porém, agora que Ryoma teve seus sentimentos esclarecidos, quem se encontra cada vez mais confuso e perdido em seus próprios pensamentos é o pobre Izumi. O coitado se encontra amedrontado pelo desenrolar das coisas naquele fatídico dia, mas se sente confuso por notar que tal momento havia sido mais prazeroso do que devia ter sido.

Ele é consolado por Rei e passa a criar um mangá com o objetivo de fazê-lo concorrer no concurso de verão, a despeito de sua evidente falta de talento para o desenho. No entanto, quando ele finalmente começa a acreditar que sua vida voltaria ao normal novamente, Ryoma aparece para se desculpar e sugerir que eles se tornassem apenas amigos.

No fim, o garoto fica com pena e acaba concordando. O que ele não sabia era que, apesar de sua inicial inconveniência, Ryoma acaba se tornando seu amigo mais precioso. Mas agora que eles estão tão próximos, Izumi começa a se perguntar: será que o que sente por ele é só amizade, realmente?

Uma ótima continuação do primeiro mangá, Eiki Eiki manteve o padrão ao criar o enredo do segundo volume de Love Stage!! que não perde suas cenas românticas ou engraçadas, nem a qualidade artística, e o casal se torna ainda mais shippável, ganhando, por isso, meu 9.

By Ana Beatriz

Love Stage!!#1-Eiki Eiki


Izumi nasceu numa família de celebridades: o pai é cantor, a mãe é atriz e o irmão mais velho é o pop idol mais popular do momento, principalmente entre as garotas. E ele? Bem, Izumi, por sua vez, é um garoto comum, anti-social e otaku, além de incrivelmente tímido. Tudo isso porque, quando era criança, foi obrigado a participar de um comercial, e, após uma série de acontecimentos vergonhosos, o resultado não é nada bom, traumatizando-o. Graças a isso, ele se recusa a entrar no show business, mesmo com toda a pressão feita por sua família, e seu verdadeiro sonho é um dia se tornar mangaká.

Ao que tudo, indicava, Izumi seguiria com sua vida normal, indo para escola e participando do clube de mangás, no entanto, a empresa responsável pelo comercial no qual ele participara completava agora dez anos, e, para comemorar, decidira faze um novo comercial muito parecido com o anterior e utilizando o mesmo elenco.

Diferente do que se pode imaginar, a timidez e relutância natural de Izumi a reviver seus traumas são o menor dos problemas. A questão é que, no fatídico dia da gravação do comercial original, não era para Izumi aparecer, ele apenas substituíra uma atriz mirim que não pudera aparecer. Exatamente, uma atriz, mas é muito mais difícil fazer um garoto de 18 anos se passar por menina do que fazê-lo com uma criança, correto? Mas…e se o garoto em questão é magro e possui uma fisionomia incrivelmente delicada e fofa?

Após a grande insistência de sua família, e de seu querido produtor Rei, sem contar o impressionante poder de persuasão de Shogo, seu irmão mais velho, Izumi acaba aceitando participar do novo comercial contanto que ninguém descubra sua verdadeira identidade.

Como se tudo já não estivesse confuso o suficiente, após uma série de desventuras é revelado que o autor mirim com quem Izumi havia co-atuado se apaixonou por ele (acreditando ser ela) e não o esqueceu durante todos esses anos. O que fazer diante da descoberta de que na verdade Ryoma (o ator mirim citado) esteve apaixonado por um garoto durante todo esse tempo?

O primeiro volume da série de mangás que inspirou o famoso anime BL de mesmo nome, Love Stage!! agrada tanto aos fãs quanto àqueles que jamais haviam ouvido falar sobre a obra, com cenas engraçadas e fofas, um desenho bem feito e uma história envolvente, é uma pena que só seja possível encontrá-lo em inglês, mas o vocabulário é fácil e vale a pena, ganhando meu 9.

By Ana Beatriz

Blue Exorcist#3-Kazue Kato


No terceiro volume de Blue Exorcist, todos os alunos agora são escudeiros, incluindo os dois que não fizeram absolutamente nada em seus testes, o que desperta em Rin um desejo ainda maior de participar de missões, mas…será que ele realmente tem capacidade suficiente pra isso? Será que ele já tem total controle sobre suas chamas e tem a maturidade exigida para tal feito? E o que dizer de sua péssima postura/péssimas notas na sala de aula? Esses são alguns dos temas abordados pela obra! A partir daqui, dou o costumeiro aviso de possíveis spoilers do mangá anterior.

Depois de descobrir que Suguro tem a mesma ambição que Rin, e que também riram dele por isto, a rixa entre os dois parece ter se acalmado, embora não sejam exatamente melhores amigos. O que nos faz querer ainda mais que Rin aprenda a conter seus poderes, afinal…o que alguém que odeia Satã acima de tudo não faria se descobrisse as reais origens de nosso protagonista?

E, por falar no relacionamento entre os personagens, em uma certa tarefa dada aos estudantes, a qual deve ser feita em duplas, Rin acaba sendo escolhido para trabalhar com Shiemi! Esta, por sua vez, finalmente trocou o kimono tradicional que sempre usava pelo uniforme escolar (composto, para as meninas, de uma saia e uma camiseta, basicamente), e o garoto parece ficar um pouco mais interessado nela, talvez querendo até mesmo mais do que uma mera amizade…

O problema é que, no meio da tarefa, eles acabam se separando e Amaimon, o irmão de Mephisto, que, portanto, também é um demônio e filho de Satã, resolve “brincar” com o mais velho dos gêmeos Okumura, roubando sua espada. O resultado é uma revelação um tanto surpreendente, para dizer o mínimo, sobre um dos tais alunos inúteis que passaram no teste de escudeiro sem fazerem absolutamente nada.

Mas, não é apenas de romance e ação que esse mangá é feito, nele também percebemos ainda mais a falta que Rin sente de seu pai adotivo, o quanto ele era importante (não só para ele, mas também no mundo dos exorcistas em geral) e o quanto ele o ensinou, quando conhecemos o antigo familiar del (um gato preto, muito fofo por sinal).

A obra acaba com um teste final feito em uma clareira, ou seja, um lugar onde Rin teria que se esforçar ao máximo para não liberar suas chamas, já que essa podeira ser vista por todos. Quem passasse no teste, poderia enfim fazer parte das missões. Isso me deixou muito ansiosa pelo próximo volume, e realmente indico o terceiro mangá de Blue Exorcist para qualquer um que goste de fantasia, sobrenatural e várias cenas de ação, ganhando, por isso, meu 9,5.

By Ana Beatriz

Blue Exorcist #2-Kazue Kato


Após os eventos do primeiro volume de Blue Exorcist, Rin Okumura passa a estudar na Academia Vera Cruz para se tornar exorcista, tendo como um de seus professores o próprio irmão, Yukio. Aviso que, como de costume, daqui pra frente podem haver spoilers do primeiro mangá.

Esse segundo volume da série de Kazue Kato foca mais no dia-dia de Rin na escola, no seu processo de adaptação á essa nova fase da vida dela, nos fazendo nos acostumarmos melhor ao ambiente escolar que estará presente na saga e explorando melhor os outros personagens, no caso, os colegas de classe de Rin.

É aí que começa a surgir uma rixa entre ele Suguro, um garoto prodígio e extremamente aplicado, ao contrário de Rin, que não consegue se concentrar nos estudos e só se interessa pela parte prática do exorcismo.

Conhecemos então os dois melhores amigos de Suguro: Konekomaru e Shima. O primeiro é mais quieto e tímido, porém gentil, enquanto o outro é mais alegre e mulherengo. O fato é que os três foram criados num templo budista um tanto especial, tendo diversos motivos para odiar os demônios, e em especial Satã, mais do que tudo no mundo.

Temos também as amigas Park e Kamiki, e descobrimos que a primeira só escolheu este curso para acompanhar a segunda, a qual pode ser fria, grossa, egoísta e até um pouco malvada…mas possuí um passado atormentado por fantasmas e solidão.

E na sala de Rin está, claro, também a já conhecida por nós do primeiro volume, Shiemi, que, desacostumada ao ambiente escolar e ao convívio com muitas pessoas em geral, luta para se adaptar a essa nova forma de vida e fazer novos amigos.

Com a arte excelente que já comentei na minha resenha do primeiro mangá e diversas aventuras, o segundo volume de Blue Exorcist não deixa de ser necessário para que compreendamos melhor os personagens e a própria atmosfera do universo criado por Kazue Kato, ganhando, por isso, meu 9.

By Ana Beatriz

Tokyo Ghoul#6-Sui Ishida


O sexto volume da saga Tokyo Ghoul, além de ter como foco um dos principais acontecimentos da trama (o principal mesmo acho que vai acontecer no próximo mangá e não ocorreria se não fosse por este) também é, entre todos até agora, o que nos traz mais informações que não estão presentes no anime. Como de costume, alerto que podem haver spoilers dos últimos volumes daqui pra baixo!

Nos últimos mangás, temos conhecido melhor Rize, descobrindo mais sobre o passado dessa personagem tão intrigante quando vemos que, antes de ir para o Distrito 20, ela se encontrava no 11. E, quando vimos isso, acabamos sendo apresentados a um personagem que parecia ter, no mínimo, certa admiração por ela, por sua liberdade e até por seu desprezo em relação ás regras. Isso mesma, estou falando do Banjou-san.

E aqueles que imaginavam que ele seria apenas uma figura da vida já acabada de Rize e, portanto, não voltaria a aparecer, talvez se surpreendam ao saber que, na verdade, ele não só está de volta neste sexto volume como chega exercer um papel até de relativa importância quando se dirige á Anteiku em busca de Rize-san.

Ao chegar lá, ele diz estar procurando-a por ser apaixonado por ele, embora tenha ido ao local procurá-la por outro motivo: Um grupo de ghouls denominado A Árvore de Aogiri tomou o Distrito 11 e ele, o antigo chefe da área, tornou-se seu subordinado e recebeu a missão de achá-la.

Após uma certa confusão causada pelo fato do Kaneki ter o cheiro da Rize, eles acabam se entendendo mas, quando parece que tudo vai se acalmar, o chefe de Banjou-san, que tem uma posição mais elevada do que ele dentro da Árvore de Aogiri, aparece. Só que o chefe de Banjou-san não é qualquer um, o rapaz que já chega de forma violenta na cafeteria é ninguém mais ninguém menos do que o até então desconhecido por nós, Ayato Kirishima, irmão mais novo de Touka!

Ele obviamente tem como objetivo levar Rize-san, e depois de um combate com a irmã mais velha, ele acaba levando o Kaneki, por ter o cheiro da famosa Glutona. Levado até o Distrito 11, ele começa a ter uma noção um pouco melhor do tamanho surpreendente da organização que agora domina o local, além de viver como subordinado junto com Banjou e outros ghouls. Cansados de sofrer abusos eles decidem planejar uma fuga…

Mas não é apenas nas desventuras de Kaneki que se concentra a obra! O domínio da Árvore de Aogiri elevou a níveis alarmantes a violência no Distrito 11, e é evidente que isso não passaria despercebido pelos pombos e que estes, por sua vez, tentariam controlar a situação.

Visando isso, pombos de diversos distritos, e até alguns da própria matriz, são selecionados para participar de uma missão para limpar a área. no caso do distrito 20, os escolhidos são Amon, Shinohara-san e o Juuzou (que está na capa).

Por causa disso, acabamos conhecendo melhor este último, que havia tido apenas uma aparição incrivelmente rápida no final do quinto volume. É revelada sua posição na organização de combate contra os ghouls, assim como seu desejo de ter uma quinque, sua relação com Shinohara e seu hábito de fazer os ghouls sofrerem quando os mata, cortando-os em vários pedaços. É melhor esclarecido também seu sexo, o que é bem interessante para alguns fãs que ficaram em dúvida quando se depararam com ele pela primeira vez.

Com acontecimentos importantíssimos para a trama, e alguns novos até mesmo para aqueles que já assistiram todo o anime, a inserção de novos personagens apaixonantes (incluindo o próprio Juuzou, que é um dos meus preferidos) e explicações curiosas sobre os diversos tipos de kagune existentes, para mim a obra merece um 9.

By Ana Beatriz

Blue Exorcist#1-Kazue Kato


Inspiração para o famoso anime Ao no Exorcist, o primeiro volume de Blue Exorcist pode ser difícil de ser encontrado e talvez um pouco caro, mas vale a pena pela história fascinante e pela arte incrível.

O primeiro mangá que leio e inglês, comprei-o pela internet porque não consegui achar em nenhuma loja física (a partir do segundo volume a saga é facilmente encontrada na Comix e em algumas lojas do bairro da Liberdade). No entanto, eu não me arrependi do preço, do desafio de ler em outra língua ou mesmo de ter comprado pela internet (coisa que raramente faço com livros e mangás).

A história gira em torno de Rin Okumura, um garoto problemático de 15 anos que não conhece os pais e foi criado com o irmão gêmeo, Yukio, pelo Padre Fujimoto, ele é de longe o mais problemático entre os dois, sendo briguento e irresponsável e sem conseguir parar em um emprego.

Mais uma vez seu pai de criação, sempre muito preocupado com o futuro do garoto, o arranjou uma entrevista de emprego em um restaurante, já que ele é um excelente cozinheiro. Enquanto ele caminha em direção ao restaurante, logo percebemos que tem algo errado quando vemos vários bichinhos pretos e minúsculos voando por toda parte, mas as coisas complicam de verdade quando um grupo de meninos tenta arrumar briga com ele.

Rin se irrita facilmente, mas tenta se controlar, embora sem sucesso quando seu oponente começa a zombar de seu irmão, o qual sonha em ser médico mas não tem dinheiro para isso. Porém, algo inesperado ocorre no meio da luta:Rin percebe que o menino assume a forma de um demônio, e ele próprio começa a arder em chamas azuis.É nesse momento que ele descobre na verdade ser filho ilegítimo de Satã com uma mortal comum.

Ao perceber que seus poderes demoníacos começaram a despertar, Padre Fujimoto lhe dá o número de telefone de um amigo, que o ajudaria em caso de necessidade, e uma espada que lhe pertencia mas ele jamais deveria usar, pois isso o transformaria de vez num demônio, já que esta tinha como função suprimir seus poderes demoníacos.

Logo após isso, em meio a uma discussão entre os dois, Fujimoto é possuído por Satã, e, mesmo sendo o exorcista mais poderoso então existente, ele não consegue sobreviver ao demônio. Além de se sentir culpado pela morte do pai de criação, Rin passa a nutrir também um sentimento de vingança em relação ao pai biológico, decidindo por isso tornar-se exorcista.

Com esse objetivo, o garoto liga para o número dado por seu pai pouco antes de sua morte, o qual pertence a Mephisto Pheles. Este, por sua vez, é um demônio que dirige uma Academia que, entre outras coisas, forma também exorcistas.

Neste primeiro volume nós somos apresentados aos principais personagens envolvidos na trama e aos conflitos internos de Rin, assim como ás suas dificuldades para manter a concentração nos estudos de exorcismo, além de percebermos a forte interação entre os gêmeos. Para quem quiser ler em inglês, não há o que temer, já que o vocabulário é bem simples, e as palavras desconhecidas em geral podem ser facilmente compreendidas de acordo com o contexto. Inspiração para um de meus animes preferidos, e com um protagonista que é um dos meus personagens favoritos, Blue Exorcist tem desenhos incrivelmente bem feitos, algumas situações cômicas e outras dramáticas, além de muitas cenas de ação, tornando-se também um dos melhores mangás que já li e, por isso, merecendo meu 10.

By Ana Beatriz

Tokyo Ghoul #4-Sui Ishida


O quarto volume de Tokyo Ghoul finalmente nos apresenta um personagem até então muito citado, mas sobre qual não sabíamos praticamente nada até agora. Tão narcisista que aparece na capa e na contracapa ( contrariando o padrão da saga de ter a imagem de personagens distintos em cada lado), ele é o famoso Gourmet. Aviso que a partir de agora, essa resenha pode conter spoilers dos volumes anteriores e do anime.

Um homem conhecido por sue beleza e elegância, mas também por seu narcisismo e arrogância, assim que o Gourmet aparece na Anteiku, Touka avisa Kaneki para se manter longe dele, já que este seria um dos ghouls mais problemáticos do Distrito 20.

Tentando controlar sua curiosidade, Kaneki não o procura, no entanto, o contrário ocorre quando o Gourmet o encontra na faculdade, lendo calmamente. Não demora muito para que ele encontre o ponto fraco do garoto:literatura. Ambos começam a discutir livros, e, como todo apaixonado/viciado por livros faria, Kaneki se empolga na conversa, simpatizando cada vez mais com o rapaz, que aproveita a oportunidade para convidá-lo para um café, que, supostamente, sua autora preferida costumava frequentar. A tentação é grande, mas ele segue o conselho de Touka, recusando a gentileza.

É então que Yomo-san o convida para conhecer uma amiga que está curiosa para conhecê-lo. Itori é dona de um bar e amiga também de Uta-san, além de ser muito extrovertida e alegre, ela adora conversar. Em pouco tempo, ela deixa escapar a suspeitas de que a morte de Rize-san talvez não tenha sido acidental, afinal, alguém poderia ter derrubado aquelas vigas propositalmente.

Kaneki evidentemente quer mais informações sobre o assunto, mas Itori alega que só as daria se o garoto descobrisse sobre o “Restaurante de ghouls”, do qual o Gourmet parece ser um importante membro. A fim de saciar sua curiosidade, ele acaba por aceitar o convite dele para um café, aproveitando para se inteirar do assunto. Mais do que apenas lhe contar como seria o local, o Gourmet o leva até lá, mas talvez esse tal restaurante não seja exatamente o que ele esperava…

Além de conhecermos o Gourmet, que se tornaria talvez um dos mais importantes personagens da história depois disso, é também nesse mangá que sabemos mais sobre o passado de Rize-san e, consequentemente, como ela era em vida. Somos apresentados também a Yoriko, a amiga humana de Touka que é sua colega de escola, e vemos o sacrifício que esta última faz para manter a amizade. Repleto de cenas de ação, com um pouco de drama e talvez um pitada de humor…para mim a obra merece 9.

By Ana Beatriz

Tokyo Ghoul#3-Sui Ishida


O terceiro volume de Tokyo Ghoul é recheado de spoilers de seus mangás anteriores, então, caso você não tenha lido-os ou visto anime e não queira spoilers, sugiro que pare de ler por aqui.

Após a morte de Ryoko-san, Hinami-chan vive sob os cuidados de seus amigos na Anteiku e ainda tenta se recuperar da tristeza de ter perdido a mãe. Dessa forma, sua vida se resume basicamente a dormir em horários irregulares, ela não come desde o ocorrido e seus únicos momentos de relativa felicidade são quando ela lê os jornais trazidos por Touka ou os livros que ela recebeu de Kaneki.

Enquanto Hinami se afoga em tristeza, Touka parece ferver de raiva, tendo o desejo de vingar a morte dos pais de Hinami, já que esta é nova demais para fazê-lo. Por causa disso, ela decide atacar diretamente os “Pombos”, o que só piora ainda mais a situação por atrair maior atenção da CCG para o Distrito 20.

Ao contrário do que pode parecer, Kaneki também não saiu emocionalmente ileso do assassinato de Ryoko, sentindo-se culpado por ter presenciado a cena e não ter conseguido defendê-la, ele decide finalmente se aceitar como ghoul e começa a treinar táticas de luta com a Touka.

Como se isso tudo já não fosse o suficiente, existe ainda mais um problema: no momento da morte de Ryoko-san, Hinami estava presente e, o pior de tudo, sem máscaras. Isso faz com que a CCG, especialmente os funcionários Mado-san e Amon-kun que causaram tudo, abra uma investigação contra a garota, com o objetivo de exterminar de vez a família Fueguchi.

Sabendo disso, Touka e Kaneki se disfarçam como jovens estudantes comuns e vão até uma unidade da CCG, passando-se por informantes. Mas é óbvio que eles fornecem informações contrárias á real localização de Hinami.

O problema parece resolvido, no entanto, um belo dia Hinami foge da Anteiku e qual não é surpresa quando ela acaba parando justamente no local falsamente indicado por eles? E no mesmo instante em que ela aprece no lugar, Mado e Amon estão lá averiguando as informações…

Apesar de não haverem acontecimentos tão tristes quanto o volume anterior, este mangá também é muito dramático, possuindo uma forte carga psicológica e emocional, não só pela condição evidentemente abalada dos personagens, mas também porque é nele que nos deparamos com a principal questão da história afinal: será que os ghouls merecem viver? Estariam eles errados em se alimentarem de pessoas ou certos por lutarem por sua sobrevivência? E quanto aos “Pombos”? Será que eles realmente não passam de vilões desalmados? Quem assistiu o anime sabe que esse volume atinge um ponto crítico com vários elementos incrivelmente relevantes para o desenvolvimento do restante da história, e por isso, para mim esse é o melhor volume da saga, e, portanto, merece 10.

By Ana Beatriz

Tokyo Ghoul#2-Sui Ishida


Continuando a história do meio ghoul meio humano Ken Kaneki, o segundo volume de Tokyo Ghoul contêm uma das cenas mais tristes liberadas no anime até agora, em minha opinião obviamente. Se você não leu o primeiro volume e não assistiu o anime, cuidado, pois podem haver spoilers abaixo.

Após descobrir que se tornara um ghoul por causa do transplante dos órgãos da Rize-san, Kaneki passou a trabalhar na Anteiku e está tentando se adaptar á essa nova vida. Mais do que isso, ele tenta manter sua amizade tão antiga com Hide, mas sem revelar as transformações pelas quais passara seu corpo.

Mas nada é tão fácil quanto parece, além do natural mal estar de se mentir para o melhor amigo, Kaneki começa a treinar, com a ajuda de Touka e Yoshimura, como comer alimentos humanos, com o intuito de parecer o mais normal possível na frente dos outros, em especial de Hide. O problema é que o gosto da comida é simplesmente horrível, fazendo-o vomitar.

É também nesse volume que ficamos conhecendo pela primeira vez os “Pombos” e, consequentemente, a CCG ( Central de Combate aos Ghouls). Os “Pombos” são funcionários da CCG, cuja função consiste em perseguir e exterminar ghouls. Levando-se em consideração que simples facas e serrotes não ferem os ghouls, a arma usada contra elas é denominada quinque e é feita a partir da kagune de ghouls mortos.

Os dois “Pombos” de maior destaque são Amon e Mado, embora também apareçam outros. O primeiro é um justiceiro que acredita que os ghouls são o motivo deste mundo estar errado, e por isso pretende acabar com eles. Já Mado é um funcionário antigo que trabalha mais com a intuição do que com a razão e é simplesmente obcecado por quinques.

O Distrito 20 (onde se encontra a Anteiku) costuma ser um local calmo, habitado por ghouls, em sua maioria, pacíficos, o que faz com que um número reduzido de “Pombos” seja enviado para lá, normalmente. No entanto, após os ataques de Rize-san e de um ghoul conhecido como Gourmet, reforços são enviados.

Graças a isso, Yoshimura pede que Touka acompanhe Kaneki até um amigo chamado Uta-san, responsável por fazer máscaras para ghouls, com o intuito de encomendar uma para Kaneki. As máscaras são usadas pelo ghouls para que estes não tenham seus rostos identificados pelos “Pombos” dificultando, dessa forma, as investigações.

Além disso, a Anteiku recebe duas visitates: uma criança chamada Hinami e sua mãe, Ryoko-san, duas ghouls pacíficas e amigáveis. Hinami adora Touka e se apega muito rapidamente a Kaneki, pois esse a ajuda a aprender a ler, e ela gosta muito de estudar, sonhando em frequentar a escola. Elas podem não parecer muito importantes, mas logo elas se tornam personagens de grande peso para a trama.

Eu não vou dizer qual é a cena triste, pois seria spoiler, mas posso afirmar que gostei muito do mangá, considerando-o bem melhor do que o primeiro, e já é possível notar algumas diferenças em relação ao anime, mesmo que não muito significativas. Com bastante drama e ação, para mim o segundo volume de Tokyo Ghoul merece 9,5.