O ESCRAVO DE CAPELA – Marcos DeBrito


Resultado de imagem para capa o escravo de capela

Quando a morte é apenas o começo
para algo assustador

 

Boa tarde, querida Família Lendo Muito!

Com esta frase impactante, eu inicio a  resenha de O Escravo de Capela, uma verdadeira obra-prima de terror, genuinamente nacional, de autoria do escritor e cineasta Marcos DeBrito: uma das pessoas mais talentosas e humildes que eu já tive a oportunidade de conhecer pessoalmente!

A história concentra-se toda na Fazenda Capela, uma grande propriedade rural, que situava-se em Minas Gerais e, como todas as propriedades da época do Brasil Colonial, fazia uso da mão-de-obra escrava para o cultivo de cana e produção de açúcar. 

Os Cunha Vasconcelos eram os maiores produtores de açúcar da região e tinham imenso orgulho em tratar seus escravos com requintes de crueldade, principalmente os que tentavam fugir ou mesmo suicidar-se; estes eram espancados e chicoteados muitas vezes até a morte, para servirem de exemplo para os outros escravos. 

Numa tarde quente de 1792, Sabola Citiwala, escravo jovem que chegara há pouco da África e não entendia qualquer palavra em português, dava duro junto aos outros escravos na plantação de cana-de-açúcar; como ainda não conhecia as regras rígidas da fazenda, resolveu cantarolar no dialeto africano, para passar o tempo e, por isso, acabou sendo castigado por Antônio Batista Segundo, o filho primogênito de Antônio Batista Cunha Vasconcelos, dono da fazenda.

Após ter seu “primeiro contato” com o açoite de Antônio Segundo, Sabola trava amizade com Akili, a quem os brancos chamavam de Fortunato, e que há quatorze anos também fora vítima da ira cega do mesmo  Antônio Segundo,  que o espancara de tal maneira que os ligamentos de seus dois joelhos acabaram se rompendo e impossibilitando-o de trabalhar, tendo ele então que ficar confinado o tempo todo na senzala, fumando seu cachimbo. 

Com o passar dos dias, a amizade entre ambos fortaleceu-se e a vontade de fugir daquele lugar foi tomando conta da mente do jovem Sabola; plano este que contava com o pleno apoio de Akili, que só pedia ao amigo mais novo para ter paciência e esperar a hora e o momento certo para sumir dali.

Nesta mesma época, Inácio, o filho mais novo de Antônio Batista, havia retornado de Portugal, para passar apenas umas férias na fazenda. O jovem formara-se em Medicina em Coimbra e tinha um discurso completamente contrário ao trabalho escravo…discurso este que não era visto com bons olhos pelo irmão mais velho,e muito menos pelo pai, que jogava na cara que  se ele conseguira estudar fora do Brasil era graças ao trabalho dos escravos; para piorar ainda mais a situação, o jovem enamorara-se pela bela Damiana, a única escrava mulata da fazenda; romance este que se descoberto, mancharia de vez a imagem de Antônio Batista, já que Maria de Lourdes, sua antiga esposa, o abandonara quando Inácio ainda era muito pequeno.

A chance de escapar veio durante a festa grandiosa do aniversário de 60 anos de Antônio Batista. Enquanto todos os convidados bebiam e se divertiam, Sabola evadiu-se da senzala e montou numa mula para tentar escapar de vez da fazenda, mas foi visto por Jonas, que tentou acertar o escravo com tiros de sua carabina.  

Antônio Segundo e Jonas saíram à caça do escravo; o primogênito dos Cunha Vasconcelos conseguiu cortar caminho e defrontar-se rapidamente com Sabola, decepando com violência a cabeça de sua mula e voltando para a fazenda, arrastando o pobre coitado, para o deleite de todos os presentes.

O sádico então mandou “prepararem” o escravo, que foi pendurado pelos braços a uma viga de madeira, tendo seu rosto completamente desfigurado pelos vários socos desferidos por Fagundes, um dos peões da fazenda.

Os escravos foram acordados e tiveram que acompanhar de perto o castigo imposto ao  escravo fujão e quem fizesse menção de desviar os olhos ou cobri-los levava uma dura coronhada na cabeça.

Antônio Batista tomou o chicote do filho e resolveu ele mesmo mostrar a todos que estavam presentes que escravo não escapava com vida de Capela; após desferir vários golpes que cortaram a carne de Sabola, fazendo o escravo berrar de dor, ele então ordenou ao filho mais velho que matasse aquele negro.  Para evitar os gritos do pobre coitado, Jonas colocou um saco em sua cabeça, que acabou ficando rubro por causa do sangue que vertia do rosto do escravo; Antônio Segundo passou a golpear a perna de Sabola com a mesma peixeira com que havia decepado a cabeça de sua mula, até o momento em que conseguiu separá-la do corpo do negro. Neste exato momento, Jonas esganou o escravo até sentir seu  último suspiro.

O pobre coitado foi então enterrado em uma cova aberta pelos próprios escravos atrás da igreja. Entretanto, Jonas não deixou que enterrassem a perna de Sabola junto com o corpo; ele resolveu pendurá-la como troféu, sob o pórtico de entrada da fazenda, para que todos os escravos pudessem vê-la todos os dias.

Naquela noite, Jonas limpava sua arma enquanto os outros peões bebiam e jogavam baralho animadamente na choupana deles, quando  um silvo na mata, parecido com o silvo do martim-pererê, os assustou; ele resolveu então olhar pela janela do casebre e viu lá fora algo realmente apavorante: uma mula andando sem cabeça, com fogo saindo pelo buraco aonde deveria estar a cabeça, e atrás dela, vinha um escravo negro e muito alto, mancando sem a perna direita e com um saco maculado de sangue enterrado na cabeça.

Isto só poderia significar uma coisa: Sabola voltara do mundo dos mortos, montado em sua mula-sem-cabeça, para vingar-se de todos os seus algozes de Capela!

Paro por aqui, para não estragar as muitas surpresas e reviravoltas que o autor reservou aos seus leitores.

O resto, só lendo muito!

O ritmo da narrativa é intenso durante todo o livro; o enredo é muito bem explorado pelo autor, pois mescla com perfeição ficção e realidade, usando um período vergonhoso e terrível do nosso passado, em que as pessoas achavam-se “donas” por direito de outros seres humanos, para dar completa credibilidade à sua história, que conta com um final eletrizante e completamente inesperado.

Louve-se o trabalho pormenorizado e magnífico de pesquisa que Marcos DeBrito realizou sobre o Saci Pererê e a Mula-sem-cabeça, dois grandes expoentes do folclore brasileiro.

Esta foi, sem dúvida alguma, minha melhor leitura de 2017!

Digno de 5 estrelas!

Espero que vocês realmente tenham gostado.

Um xandylhão de beijos no coração de cada um de vocês!

Alex André (Xandy Xandy)

Anúncios

O Segredo de Wilhelm Storitz – Júlio Verne


O Segrêdo de Wilhelm StoritzBom dia, querida Família Lendo Muito!

Nada melhor do que iniciar a nossa sexta-feira com uma resenha do grande Júlio Verne, não é mesmo?

Escolhi desta vez O Segredo de Wilhelm Storitz, último livro escrito pelo autor, concluído 19 dias antes de seu falecimento.

A história começa quando o engenheiro Henrique Vidal recebe uma carta de seu irmão Marc, datada de 4 de abril de 1757, pedindo para que ele o visitasse em Ragz, Hungria, com o intuito de matarem as saudades um do outro, visto que os irmãos não se viam há mais de um ano, e também para  apresentar-lhe sua bela noiva Myra, oriunda da importante família húngara Roderich. O casal firmara um pacto de apenas marcar a data do casamento após a chegada de Vidal, como Henrique era mais conhecido.

Em 13 de abril, véspera de sua partida, Vidal foi visitar seu amigo particular que era chefe  de polícia, para tirar seu passaporte e ficou sabendo que seu irmão tirara a sorte grande, pois Myra Roderich era realmente uma moça bonita e muito graciosa. Contudo, devido à sua beleza, a moça já fora cortejada por um outro cavalheiro antes, mas o Dr. Roderich, seu cioso pai, havia rejeitado as investidas do tal pretendente.

Quando Vidal perguntou ao amigo quem era o cavalheiro em questão, este respondeu-lhe que seu nome era Wilhelm Storitz, filho de nada mais, nada menos que Otto Storitz, um dos químicos mais respeitados de sua época.

Ao chegar em Ragz, Vidal foi recebido com muita pompa e alegria por seu irmão Marc e por toda a família Roderich, principalmente Myra, que já o tratava como um irmão mais velho. O casal fez questão de marcar a festa de noivado para o dia seguinte.

Entretanto, nem tudo era motivo para comemoração, pois naquele mesmo dia, Wilhelm Storitz havia estado na residência dos Roderich, para pedir novamente a mão de Myra, tendo mais uma vez seu pedido negado pelo pai da moça, que preferia ver sua filha morta antes de ter seu sangue magiare (húngaro) maculado pela união com um alemão.

Wilhelm Storitz, cego de ódio, prometeu vingar-se de toda a família Roderich, de uma vez por todas!

No dia da festa do noivado, mais de cento e cinquenta convidados dançavam alegremente no salão enorme da mansão dos Roderich, quando todos começaram a ouvir uma solitária e grave voz masculina, entoando O Hino de Ódio Alemão. Aquela voz parecia vir do nada, pois ninguém conseguia ver o autor de tamanha afronta ao povo húngaro.

O buquê que seria usado pela noiva no dia do casamento foi completamente desfolhado e pisoteado muitas vezes e o registro de certidão civil dos noivos foi feito em milhares de pedacinhos. E o mais estranho de tudo era que nenhum ser vivo foi visto cometendo tais atos de vandalismo, o que causou verdadeiro terror em todos os presentes. 

Será que os Roderich haviam sido alvo de algum tipo de bruxaria cometida por Wilhelm Storitz? Ou o mesmo teria se apossado de alguma fórmula experimental de seu finado pai…fórmula esta capaz de conceder-lhe o controle sobre todos os estados da matéria?

O resto, só lendo muito!

Uma história de tirar o fôlego e também o sono do leitor. Leitura obrigatória para todos os fãs de Júlio Verne.

Algumas edições mais novas alteraram o título original para O Segredo de Guilherme Storitz

Digno de 5 estrelas.

Espero que tenham gostado, pois esta é uma das raras histórias de suspense e terror escritas por Júlio Verne.

Um beijo grande no coração de cada um de vocês!

Alex André

A Maldição de Joel Delaney – Ramona Stewart


Resultado de imagem para capa livro a maldição de joel delaneyBoa tarde, querida Família Lendo Muito!

Para dar início às resenhas desta semana, escolhi uma história de suspense, com requintes de sobrenatural. Trata-se do livro: A Maldição de Joel Delaney, escrito pela autora americana Ramona Stewart.

 Após seu ex-marido Ted tê-la trocado por uma médica geneticista muito mais nova,  Norah Benson, tentava refazer sua vida escrevendo romances de bolso água com açúcar.  Veronica,  sua empregada porto-riquenha, a ajudava com as tarefas diárias da casa e no cuidado com seus dois filhos Carrie e Peter, e também de Barão, seu cão pastor da Hungria.

Certa noite, Joel Delaney, o irmão mais novo de Norah, estava atrasado para o jantar e ela ligou para o apartamento sendo atendida por uma voz pastosa, com um sotaque hispânico, bem diferente da voz suave de Joel!

Ela então resolveu ir até o apartamento do irmão e encontrou-o em estado deplorável, parecendo estar sob efeito de alguma droga, murmurando palavras incompreensíveis em espanhol.

Ela acabou  tendo que interná-lo no Hospital Psiquiátrico Bellevue de Nova York, mas ele lá ficou por apenas um dia, alegando que tudo não passara de uma “viagem” de LSD.

Norah, sentindo-se em parte culpada por ter abandonado seu querido irmão para casar-se com Ted, decidiu trazer Joel para morar com ela, ao menos temporariamente.

Para comemorar o aniversário do irmão, Norah decide então fazer uma festinha particular, convidando Sherry Talbot, a antiga namorada de Joel para a festa. Entretanto, Joel acabou estragando a noite de todos, tornando-se indelicado e falastrão, parecendo estar sob efeito de alguma droga novamente. Sherry alegou estar com uma terrível dor de cabeça, só para ir mais cedo para casa.

No outro dia, Norah estava ouvindo o rádio e ficou paralisada quando o locutor deu a notícia de um terrível assassinato envolvendo uma bela moça, que fora assassinada com requintes de crueldade, tendo sua cabeça degolada e pendurada em uma árvore.

Aquela era a assinatura do Açougueiro, assassino em série que vinha aterrorizando as mulheres de Nova York, e a vítima em questão era ninguém mais, ninguém menos que  Sherry Talbot…

Será que Joel Delaney era um terrível assassino em série? Ou algo sobrenatural e verdadeiramente  demoníaco estaria por trás de tudo?

Para obter as respostas, só lendo muito!

Confesso a vocês que, durante a leitura deste livro, em nenhum momento senti medo, mas sim uma grande tensão, pois a narrativa de Ramona Stewart mantém um ritmo crescente de suspense desde o seu  início; o final é totalmente imprevisível e inesperado.
Antes que alguém tente fazer qualquer tipo de comparação: quero deixar bem claro que este livro foi escrito quase dois anos antes de O Exorcista, de William Peter Blatty.

Digno de receber 4 estrelas!

Aos interessados: existe uma película quase que desconhecida, de 1972, com Shirley Maclaine e Perry King, nos papéis de Norah e Joel Delaney, respectivamente. Aqui no Brasil, este filme recebeu o título de Possuídos pelo Mal.

Abaixo encontra-se o filme completo, em inglês:

 

Espero que tenham gostado.

Um beijo grande no coração de cada um de vocês!

Alex André

ANÁLISE MORTAL – Angelo Miranda


Resultado de imagem para análise mortal livroBoa tarde, querida Família Lendo Muito!

Estamos nos aproximando do Halloween e nada como encontrar aqui a resenha de uma história de terror, não é mesmo?

Pensando nisso, escolhi Análise Mortal, livro de estreia do autor paulista Angelo Miranda.

Na ânsia de economizar cada minuto da hora do seu almoço, o analista de crédito Fred (Frederico Batista) acaba dando um encontrão em um velho mendigo, que usava um cachecol quadriculado e  um grande casaco e ambos acabam indo ao chão.

Ao levantar-se, o velho maltrapilho bradou-lhe, com uma voz assustadora, as seguintes palavras:

“- Achou que podia fugir de mim? Não adianta correr, aliás, corra a partir de agora para salva sua vida e a de quem você gosta. Pensou que passaria ileso pelo que me causaste?”

Antes que Fred pudesse levantar do chão e perguntar ao velho o porquê de tanta raiva, o mesmo já sumira, deixando para trás uma pasta preta e encardida.

Fred resolveu ir até o posto policial, que ficava bem próximo dali, para perguntar sobre o mendigo, mas o guarda que ali estava chegou a desconfiar de sua sanidade, pois, segundo ele, não havia acontecido qualquer encontrão enquanto ele esteve de sentinela.

Sem entender nada e com medo de acabar sendo levado para o hospício, Fred resolveu ficar com a pasta surrada do mendigo e sumir dali o mais rápido possível. Ele tentou encontrar o velho mendigo pelo resto da tarde, sem sucesso.

A partir de então, Fred passa a ser acometido por visões muito perturbadoras, e mortes muito suspeitas, envolvendo pessoas ligadas direta e indiretamente a ele também começam a acontecer.

Para salvar sua vida, Fred tentará, de todas as maneiras, descobrir a verdadeira identidade daquele homem que tanto o detestava, o que trará implicações imensas para ele, como mudar radicalmente o seu modo de agir com o próximo.

Todavia, será que ainda lhe restará tempo para isto?

O resto, só lendo muito.

O autor está de parabéns, pois conseguiu elaborar uma boa história de suspense e terror, com pitadas de sobrenatural – verdadeira simbiose de “Premonição” com ‘”Arraste-me para o inferno”.

Só achei que faltou um desfecho um pouco mais terrorífico.

Digno de 3 estrelas

Daqui para frente, tomem muito cuidado com quem vocês trombarem  na rua, hein?

Um beijo grande no coração de cada um de vocês!

Alex André

Não durma – Michelle Harrison


“Quando os mortos não dormem,
os vivos têm medo de adormecer…”

Resultado de imagem para capa não durmaÉ exatamente com este terrível impasse que Elliott Drake, um rapaz de apenas 17 anos passa a conviver todas as noites, após ter sofrido um grave atropelamento e passado por um episódio de “quase morte”!

Além de não conseguir dormir, Elliott também sofre de paralisia do sono, vivendo experiências extracorpóreas assustadoras, fazendo com que ele entre em contato com o mundo espiritual, chegando até a enxergar fantasmas.

Como se isso já não fosse terrível, ele também começa a avistar, em seu próprio apartamento que divide com seu pai, o fantasma de Tess Fielding, uma alma atormentada que cometera suicídio na banheira do mesmo apartamento, há vários anos.

Elliott, certo de que sua experiência de “quase morte” era responsável por suas experiências com o mundo espiritual, arruma um propício emprego de guia no museu “Vidas Passadas”, que tinha fama de ser mal-assombrado.

Lá, ele logo trava amizade com Ophelia, sobrinha de Arthur Hodge, proprietário do museu. E essa amizade parece fazer com que Elliott atraia ainda mais a atenção dos mortos, especialmente em uma noite sombria quando, ao retornar de sua última “viagem astral”, ele não consegue voltar ao seu corpo, pois um outro espírito já o havia ocupado. E este terrível espírito quer desesperadamente voltar à vida para ficar com Ophelia!

Elliott travará uma árdua luta para salvar seu corpo e desvendar o funesto mistério que envolve o famoso museu “Vidas Passadas”.

O resto, só lendo muito!

Uma história eletrizante, com um final terrorífico e surpreendente.

Digno de 5 estrelas!

Se vocês tiverem coragem, leiam este livro e comentem para nós o que acharam!

Um beijo no coração de cada um de vocês!

Alex André & Ana Paula

 

 

 

A Filha de Satã – Lois Horowitz


“Os demônios podem inquietar o ar, provocar ventos
e fazer o fogo despencar do céu.”

São Tomás de Aquino

Resultado de imagem para a filha de satãÉ com esta frase impactante na capa que Lois Horowitz nos apresenta A Filha de Satã: uma história de suspense tão impactante, a ponto de causar aceleração cardíaca ao leitor mais corajoso!

Paul Freeman e sua esposa Aly (Alyson), haviam se mudado há dois anos de Boston para San Diego, Califórnia. A filha Tracy, de apenas dezessete anos havia ficado muito chateada com a mudança, pois não conseguira ainda travar novas amizades e não aguentava sua avó Moira, sempre dando ordens e pitacos na sua vida.

Aly, aproveitando o tempo livre que lhe sobrava, resolveu dedicar-se a completar a árvore genealógica da família como forma de presentear a filha Tracy, que logo faria dezoito anos.

Em pouco tempo ela concluiu o preenchimento de todos os espaços relativos ao seu lado da árvore.  Todavia, o mesmo não se aplicava ao lado de Paul, pois ele não se lembrava de praticamente nada a respeito de sua infância e Moira mostrava-se muito reticente quando o assunto recaía sobre Steven, pai de Paul que, segundo ela, havia abandonado a família quando Paul ainda era muito criança, o que a forçou a mudar de sobrenome e criar o filho sozinha, mudando-se frequentemente de cidade em cidade.

Não podendo contar com seu marido ou com sua sogra,  Aly começa a investigar sozinha documentos antigos nas bibliotecas de cidades onde Moira e seu marido moraram, a procura de qualquer pista sobre a origem misteriosa da família de Paul.

A partir deste momento, Paul passa a sofrer de um terrível pesadelo recorrente, onde ele era uma das poucas testemunhas que acompanhava o casamento de seus pais e  todos os presentes tinham rostos completamente idênticos!

Enquanto ministrava sua aula na faculdade de Massachusetts, Paul, sem mais nem menos, fez um discurso favorável ao incesto e casamento entre irmãos, e acabou sofrendo uma síncope nervosa ali mesmo, na sala de aula, e acabou sendo levado para o hospital para fazer exames de rotina.

Kim, uma bela morena, procura Paul na sua volta à faculdade, para entregar-lhe a gravação em cassete que ela fizera da última aula; ela revelou-lhe que ficara encantada com cada palavra que ele dissera e estava disposta a ajudá-lo com seu livro sobre Arte Primitiva.

Paul, incentivado pela beleza de jovem, aceitou prontamente o seu auxílio, o que culminou com o envolvimento sexual entre ambos. Só existia um problema: não existia nenhuma aluna da turma de Paul com o nome de Kim!

As coisas ficam ainda mais estranhas quando Paul passa a consultar-se com o Dr. Frederich, um falso médico que se fazia passar por um hipnoterapeuta de grande prestígio de San Diego. Após cada “sessão”, Paul criava uma espécie de dependência do médico, transformando-se numa pessoa distraída e sem vontade própria. O comportamento de sua filha Tracy, também passa a ser afetado, pois ela também passa a ficar desligada e retraída.

Com que intuito um falso médico “enfeitiçaria” Paul? Quem era a bela Kim que seduzira Paul, de tal forma a fazê-lo trair sua esposa? E por que Moira fazia tanta questão de esconder informações sobre o o marido e sobre o resto da família de Paul?

 Aly decide desvendar o mistério que estava afetando  seu casamento; ela só não fazia a ideia de que se depararia com algo  realmente demoníaco e sobrenatural, mais antigo que o próprio homem. E para salvar sua família ela deveria enfrentar e derrotar a própria…

…Filha de Satã!

O resto, só lendo muito!

O ritmo de leitura é lento e bem travado no início; entretanto, da metade em diante, tudo muda e o leitor não vê a hora de chegar à última página para deparar-se com um final eletrizante, capaz de gelar o sangue de qualquer um!!!

Merece 4 estrelas.

Espero que todos tenham gostado.

Um beijo no coração de cada um de vocês!

Alex André

Espere até Helen chegar – Mary Downing Hahn


"Nenhum segredo permanece enterrado para sempre. Literalmente."

Imagem relacionadaBom dia, querida Família Lendo Muito.
Com esta frase impactante damos início à resenha de Espere até Helen Chegar, da autora americana Mary Downing Hahn.

O livro narra a história horripilante dos irmãos Molly e Michael, que foram morar em uma antiga construção que um dia já fora uma igreja, na pacata cidade de Holwell.

Quando eles descobrem que iriam morar num lugar bem distante da cidade deles, não ficam nada felizes, ainda mais porque vão ter que conviver com a irmã “postiça” Heather, filha do atual marido de sua mãe, que não passa de uma garotinha muito mimada e de gênio terrível, e que guarda um segredo horripilante do passado.

Com o passar dos dias, como se já não bastasse o clima quente entre os irmãos e Heather, eles ainda descobrem a existência de um cemitério antigo atrás do seu terreno, que pertencia a velha igreja.

A descoberta deste cemitério antigo faz com que todos da família fiquem muito intrigados, principalmente Molly, a irmã mais velha, pois ela sente que há algo de muito errado e maléfico com aquele lugar! E de uma hora para a outra, a pequena Heather passa a comunicar-se com o “suposto” espírito de Helen, uma menina que falecera há uma centena de anos e fora enterrada ali.

 Molly então se dá conta que está diante de uma ameaça real e aterradora, e terá que enfrentar seus medos sozinha para tentar salvar sua família!

O resto, só lendo muito!

Uma história horripilante capaz de fazer gelar nossa espinha a cada página virada, e que tornou-se um verdadeiro clássico do terror infanto juvenil.

Digno de 5 estrelas.

Esperamos que tenham realmente gostado.

Um beijo no coração de cada um de vocês!

Alex André & Ana Paula

 

 

 

Ultra Carnem – Cesar Bravo


"Na disputa entre o céu e o inferno nós somos o prato principal"

Resultado de imagem para ultracarnem

Querida Família Lendo Muito, é exatamente esta mensagem que Cesar Bravo pretendia passar ao seus leitores ao escrever Ultra Carnem:  história de tirar o fôlego e o sono de qualquer leitor.

O livro é dividido em cinco partes interligadas, que serão abordadas aqui separadamente.

Começando agora mesmo!!!

O Abandono – Parte I
A história começa em uma noite muito chuvosa, quando a cigana Iolanda levou um menino órfão para o orfanato da cidade de Três Rios. Os responsáveis pelo orfanato eram Dom Giordano e a madre Suzana, sua auxiliadora.

Antes de deixar o menino aos cuidados do padre, a cigana avisou ao bondoso homem, que aquele era seu irmão , e que seu próprio bando estava banindo-o por que o menino carregava o “demônio” dentro dele.

Após muito relutar, o Padre Giordano acabou aceitando Wladimir Lester, o renegado menino cigano, mediante o recebimento de uma sacola repleta de ouro.

Alguns dias depois, todo o bando de ciganos que havia deixado a cidade, morre tragicamente ao cair de um desfiladeiro.

Misteriosamente algumas pinturas que o bando carregava foram recuperadas; entre elas, havia uma que mostrava um grupo de carroças despencando de um desfiladeiro. Essas pinturas logo remeteram a Wladimir Lester, pois era ele quem gostava muito de pintar quadros; Dom Giordano sempre via o pequeno cigano andando com um tubinho de tinta muito vermelha e atraente,  parecida com sangue.

O pequeno cigano não conseguia adaptar-se bem ao orfanato, já que as crianças achavam-no esquisito e o discriminavam por ser ele filho de ciganos. Buba, Japonês e Vermelho, eram os três meninos que mais faziam Wladimir Lester sofrer, pois tomaram dele um retrato antigo de sua mãe, e também brincavam com a estatueta de gesso da Ciganinha, que ele afirmava ser sua própria mãe.

Cansado de tanto sofrer humilhações e totalmente tomado pelo demônio, Lester resolveu vingar-se da maneira mais cruel que se possa imaginar…

Gênesis – Parte II
Após roubar um diário antigo de uma loja de artigos estranhos, Nôa D’Nor, um pintor frustrado e sem talento, ficou obcecado em encontrar os quadros e o tubinho de tinta do menino cigano, que ele acreditava que fariam com que ele obtivesse a fama.

Seguindo as pistas do diário, ele e sua namorada Liza encontram o paradeiro do amaldiçoado tesouro, que estava muito bem guardado há mais de duzentos anos, mal sabendo que o “verdadeiro Mal” os espreitava, fazendo-os pagar um preço muito caro pela ganância e poder.

O Pagamento – Parte III
Nesta parte temos a história de Marcos Cantão, um técnico de informática medíocre, que vivia na miséria, com sua gorda esposa Odeta e com seu filho com problemas de desenvolvimento chamado Randy.

Um belo dia, Marcos foi chamado para prestar serviços de informática em uma loja de artigos raros. Sofia, a proprietária da loja, era uma velha cigana, que não tendo como pagá-lo, propõe a ele que faça um pedido para sua Ciganinha – estátua de gesso que segundo ela realizava os pedidos de seus devotos fiéis.

Sem acreditar muito na velha cigana, Marcos murmurou algo bem baixinho no ouvido da Ciganinha.  E ao chegar em casa, sua vida mudou radicalmente para sempre… tanto para o bem, quanto para o mal.

O Inferno – Parte IV
Em uma lanchonete de subúrbio, a garçonete Lucrécia Trindade foi  testemunha de um inusitado e macabro encontro. Curiosa com a conversa entre os três homens que pareciam normais, ela descobriu que aqueles homens, na verdade, eram três demônios!

Ao ouvir que o Inferno estava com problemas para arrebanhar almas, já cansada de sua tão sofrida e desprezível vida, Lucrécia ofereceu-se para fazer parte do maligno trio.

Todavia, para a garçonete ser aceita no clã do Inferno, ela recebeu uma missão do próprio Lúcifer: resgatar uma alma renegada que vivia escondida há séculos nos subterrâneos de uma igreja; alma essa que se recusava a descer ao Inferno e que não era ninguém menos que…o próprio Wladimir Lester.

Os Três Reinos – Epílogo
Nesta última e mais empolgante parte temos uma visão infernal  de todos os personagens envolvidos na história do livro.

Apesar do livro ser relativamente longo, a narrativa é tão empolgante, com um clima de suspense crescente, fato que não deixa o leitor desgrudar das páginas até chegar ao final, completamente inusitado. Merece até um longa-metragem.

Deixou-nos com vontade de conhecer mais obras deste magnífico autor.

Digno de receber 5 estrelas.

Esperamos que tenham gostado.

Um beijo “bem quente” no coração de cada um de vocês!

Alex André & Ana Paula

 

 

 

 

 

 

PRÊMIO FNAC – NOVOS TALENTOS DA LITERATURA


Resultado de imagem para premio fnac de literaturaEm 2014, ao celebrar 60 anos de sua  existência, dentre os quais, 15 já aqui no nosso país, o programa JOVENS TALENTOS da Fnac, após ter revelado novos nomes na música, quadrinhos e fotografia, pela primeira vez na sua história,  resolveu dar destaque à nossa literatura.

Em parceria com a editora Novo Século, a Fnac produziu este belíssimo livro que traz os contos dos 10 finalistas que, muito em breve, estarão trilhando carreiras de muito sucesso, com toda a certeza.

São eles:

Adriana MonteiroNoite Adentro
Bruno SilvanoO Veneno do Tédio
Fernanda CastroDez de maio
Flávio PosseteDo que o inferno é feito
Gustavo Zicatti RaimundoAo som do Blues
Kell BonassoliA vida secreta de Ana: a fome
Lia Matos ViegaUm dia convencional…
Nataly CallaiA autoridade da vida
Patricia CytrynoviczComo fazer a barda da melhor forma
Raul OtuziO inventor de profissões

Os gêneros escolhidos pelos autores foram os mais diversos possíveis: terror, suspense, drama e até humor; todos escritos com uma técnica apurada e bastante brilhantismo.

Normalmente, costumo dar destaque apenas para os dois contos que mais me encantaram. Desta vez, porém, resolvi fazer algo diferente: escolhi três contos para fazer uma breve resenha.

 O primeiro é Do que o inferno é feito, de Flávio Possete.

Os três “amigos de copo” Luiz, Adamastor e Minoro, foram festejar o aniversário da morte do amigo Henrico, bebendo cachaça no cemitério. Quando já estavam muito “altos”, o Adamastor resolveu propor aos outros um pacto: quem morresse primeiro voltaria para contar aos outros dois do que o inferno era feito.

Dois dias depois, o próprio Adamastor morreu e, durante o enterro, Luiz e Minoro, bêbados como sempre, ficavam se perguntando se alguma coisa aconteceria mais tarde.

Será que o Adamastor voltaria para falar com eles?

E se…

O segundo conto que eu escolhi foi: Um dia convencional, da Lia Matos Viega.

Fernando, um executivo de sucesso e Pedro, um vendedor de rua, que mal falava o português acabam se conhecendo de uma maneira mais do que estranha: ao desviar de uma moto, Pedro acabou sendo atropelado acidentalmente por Fernando.

Fernando leva Pedro para o hospital mais próximo; chegando lá, ambos descobrem que outra pessoa já havia sido morta naquele dia, tentando desviar de uma moto.

Que ligação o atropelamento de Pedro teria com aquele outro?

O terceiro conto é  Como Fazer a Barba, de autoria de Patricia Cytrynovicz

O advogado Dr. Otávio – ele fazia questão de ser chamado assim = tinha o costume de fazer a barba na mesma barbearia, todas as manhãs. Aquele ritual diário de toalha quente e lâmina afiada no rosto era algo indescritível, chegando a ser mesmo orgástico.

Lá do alto do seu escritório, no Fórum de São Paulo, ele ficava olhando lá para baixo, admirando as prostitutas que faziam ponto ali na Sé; ele até sabia quem eram seus clientes e quanto tempo durava em média seus programas.

Certo dia, ele resolveu sair com uma delas. A escolhida foi uma loira falsa que tinha um pouco mais de “sustância” que as outras. Ao chegar ao abatedouro da prostituta, ele resolve fazer um programa mais do que bizarro…

O resto, só lendo muito.

Os três contos escolhidos são dignos de receberem 5 estrelas.

Tomara que outras iniciativas como esta da Fnac venham a surgir, e que novos talentos da nossa literatura brotem aos montes, pois nossa literatura sempre foi uma das mais ricas e lidas do mundo, contudo, nós mesmos não valorizamos nossos escritores.

Espero que tenham gostado.

Um beijo no coração de cada um de vocês!

Alex André

 

 

 

 

 

 

 

Sussurros da Meia-Noite – Daniel Pedrosa/ Juliana Velonessi/ Leandro Reis/ Stefânia Andrade


Resultado de imagem para Sussurros da Meia-Noite“Tranque as portas e janelas de sua casa, acenda o abajur
e boa leitura!”

Querida Família Lendo Muito,  com esta frase bem sugestiva que encontra-se na contra-capa do livro Sussurros da Meia-Noite, de autoria de Daniel Pedrosa, Juliana Velonessi, Leandro Reis e Stefânia Andrade, damos início a mais uma resenha especial.  

Este é o primeiro livro destes jovens autores que decidiram reunir-se durante o Festival da Mantiqueira, de 2012, formando o grupo Vale Fantástico, para divulgar a literatura de ficção e fantasia nacional. 

Sussurros da Meia-Noite remete-nos a um mundo sombrio, de mistérios inimagináveis; deve ser lido preferencialmente à noite, à luz de velas, pois sob esta atmosfera funesta, a obra cumpre magnificamente com seu propósito: fazer com que o seu leitor, sinta calafrios de verdade ao término de cada página.

Dentre os dez contos da presente obra, duas histórias destacam-se mais por serem mais arrepiantes. 

São elas:

1. Em Má Companhia, de Stefânia Andrade
Este conto narra a história de uma universitária cursando Farmácia em Araraquara, pacata cidade do interior paulista que, na volta de uma das suas viagens quinzenais à sua terra natal, para visitar seus pais, depara-se com algo horripilante e sobrenatural ao adentrar seu prédio, que com certeza a marcará para o resto da vida!

2. O Broche Azul, de Juliana Velonessi
Neste conto, Tatiana e sua irmãzinha de quatro anos, Liz, deparam-se com o mal ao  cruzarem um velho casarão abandonado: um lugar amaldiçoado e repleto de histórias terrificantes.

Contrariando os avisos que anos e anos Tatiana ouvira de sua avó e seus pais, para jamais por os pés naquele recinto maldito, ela manda sua irmãzinha entrar para pegar uma joia que brilhava no escuro. E Liz, aos cruzar os portões de ferro do velho casarão, viverá uma experiência tão aterrorizante, que mudará completamente a sua vida , a de  Tatiana e a de todos ao seu redor…

Ótimo livro, muito bem escrito, traz até uma escala de medo para conto. Super recomendado!

Merece 5 de 5 estrelas.

✮✮✮✮✮

Esperamos que tenham gostado. 

Um beijo no coração de cada um de vocês.

Alex André & Ana Paula