Ultra Carnem – Cesar Bravo


"Na disputa entre o céu e o inferno nós somos o prato principal"

Resultado de imagem para ultracarnem

Querida Família Lendo Muito, é exatamente esta mensagem que Cesar Bravo pretendia passar ao seus leitores ao escrever Ultra Carnem:  história de tirar o fôlego e o sono de qualquer leitor.

O livro é dividido em cinco partes interligadas, que serão abordadas aqui separadamente.

Começando agora mesmo!!!

O Abandono – Parte I
A história começa em uma noite muito chuvosa, quando a cigana Iolanda levou um menino órfão para o orfanato da cidade de Três Rios. Os responsáveis pelo orfanato eram Dom Giordano e a madre Suzana, sua auxiliadora.

Antes de deixar o menino aos cuidados do padre, a cigana avisou ao bondoso homem, que aquele era seu irmão , e que seu próprio bando estava banindo-o por que o menino carregava o “demônio” dentro dele.

Após muito relutar, o Padre Giordano acabou aceitando Wladimir Lester, o renegado menino cigano, mediante o recebimento de uma sacola repleta de ouro.

Alguns dias depois, todo o bando de ciganos que havia deixado a cidade, morre tragicamente ao cair de um desfiladeiro.

Misteriosamente algumas pinturas que o bando carregava foram recuperadas; entre elas, havia uma que mostrava um grupo de carroças despencando de um desfiladeiro. Essas pinturas logo remeteram a Wladimir Lester, pois era ele quem gostava muito de pintar quadros; Dom Giordano sempre via o pequeno cigano andando com um tubinho de tinta muito vermelha e atraente,  parecida com sangue.

O pequeno cigano não conseguia adaptar-se bem ao orfanato, já que as crianças achavam-no esquisito e o discriminavam por ser ele filho de ciganos. Buba, Japonês e Vermelho, eram os três meninos que mais faziam Wladimir Lester sofrer, pois tomaram dele um retrato antigo de sua mãe, e também brincavam com a estatueta de gesso da Ciganinha, que ele afirmava ser sua própria mãe.

Cansado de tanto sofrer humilhações e totalmente tomado pelo demônio, Lester resolveu vingar-se da maneira mais cruel que se possa imaginar…

Gênesis – Parte II
Após roubar um diário antigo de uma loja de artigos estranhos, Nôa D’Nor, um pintor frustrado e sem talento, ficou obcecado em encontrar os quadros e o tubinho de tinta do menino cigano, que ele acreditava que fariam com que ele obtivesse a fama.

Seguindo as pistas do diário, ele e sua namorada Liza encontram o paradeiro do amaldiçoado tesouro, que estava muito bem guardado há mais de duzentos anos, mal sabendo que o “verdadeiro Mal” os espreitava, fazendo-os pagar um preço muito caro pela ganância e poder.

O Pagamento – Parte III
Nesta parte temos a história de Marcos Cantão, um técnico de informática medíocre, que vivia na miséria, com sua gorda esposa Odeta e com seu filho com problemas de desenvolvimento chamado Randy.

Um belo dia, Marcos foi chamado para prestar serviços de informática em uma loja de artigos raros. Sofia, a proprietária da loja, era uma velha cigana, que não tendo como pagá-lo, propõe a ele que faça um pedido para sua Ciganinha – estátua de gesso que segundo ela realizava os pedidos de seus devotos fiéis.

Sem acreditar muito na velha cigana, Marcos murmurou algo bem baixinho no ouvido da Ciganinha.  E ao chegar em casa, sua vida mudou radicalmente para sempre… tanto para o bem, quanto para o mal.

O Inferno – Parte IV
Em uma lanchonete de subúrbio, a garçonete Lucrécia Trindade foi  testemunha de um inusitado e macabro encontro. Curiosa com a conversa entre os três homens que pareciam normais, ela descobriu que aqueles homens, na verdade, eram três demônios!

Ao ouvir que o Inferno estava com problemas para arrebanhar almas, já cansada de sua tão sofrida e desprezível vida, Lucrécia ofereceu-se para fazer parte do maligno trio.

Todavia, para a garçonete ser aceita no clã do Inferno, ela recebeu uma missão do próprio Lúcifer: resgatar uma alma renegada que vivia escondida há séculos nos subterrâneos de uma igreja; alma essa que se recusava a descer ao Inferno e que não era ninguém menos que…o próprio Wladimir Lester.

Os Três Reinos – Epílogo
Nesta última e mais empolgante parte temos uma visão infernal  de todos os personagens envolvidos na história do livro.

Apesar do livro ser relativamente longo, a narrativa é tão empolgante, com um clima de suspense crescente, fato que não deixa o leitor desgrudar das páginas até chegar ao final, completamente inusitado. Merece até um longa-metragem.

Deixou-nos com vontade de conhecer mais obras deste magnífico autor.

Digno de receber 5 estrelas.

Esperamos que tenham gostado.

Um beijo “bem quente” no coração de cada um de vocês!

Alex André & Ana Paula

 

 

 

 

 

 

PRÊMIO FNAC – NOVOS TALENTOS DA LITERATURA


Resultado de imagem para premio fnac de literaturaEm 2014, ao celebrar 60 anos de sua  existência, dentre os quais, 15 já aqui no nosso país, o programa JOVENS TALENTOS da Fnac, após ter revelado novos nomes na música, quadrinhos e fotografia, pela primeira vez na sua história,  resolveu dar destaque à nossa literatura.

Em parceria com a editora Novo Século, a Fnac produziu este belíssimo livro que traz os contos dos 10 finalistas que, muito em breve, estarão trilhando carreiras de muito sucesso, com toda a certeza.

São eles:

Adriana MonteiroNoite Adentro
Bruno SilvanoO Veneno do Tédio
Fernanda CastroDez de maio
Flávio PosseteDo que o inferno é feito
Gustavo Zicatti RaimundoAo som do Blues
Kell BonassoliA vida secreta de Ana: a fome
Lia Matos ViegaUm dia convencional…
Nataly CallaiA autoridade da vida
Patricia CytrynoviczComo fazer a barda da melhor forma
Raul OtuziO inventor de profissões

Os gêneros escolhidos pelos autores foram os mais diversos possíveis: terror, suspense, drama e até humor; todos escritos com uma técnica apurada e bastante brilhantismo.

Normalmente, costumo dar destaque apenas para os dois contos que mais me encantaram. Desta vez, porém, resolvi fazer algo diferente: escolhi três contos para fazer uma breve resenha.

 O primeiro é Do que o inferno é feito, de Flávio Possete.

Os três “amigos de copo” Luiz, Adamastor e Minoro, foram festejar o aniversário da morte do amigo Henrico, bebendo cachaça no cemitério. Quando já estavam muito “altos”, o Adamastor resolveu propor aos outros um pacto: quem morresse primeiro voltaria para contar aos outros dois do que o inferno era feito.

Dois dias depois, o próprio Adamastor morreu e, durante o enterro, Luiz e Minoro, bêbados como sempre, ficavam se perguntando se alguma coisa aconteceria mais tarde.

Será que o Adamastor voltaria para falar com eles?

E se…

O segundo conto que eu escolhi foi: Um dia convencional, da Lia Matos Viega.

Fernando, um executivo de sucesso e Pedro, um vendedor de rua, que mal falava o português acabam se conhecendo de uma maneira mais do que estranha: ao desviar de uma moto, Pedro acabou sendo atropelado acidentalmente por Fernando.

Fernando leva Pedro para o hospital mais próximo; chegando lá, ambos descobrem que outra pessoa já havia sido morta naquele dia, tentando desviar de uma moto.

Que ligação o atropelamento de Pedro teria com aquele outro?

O terceiro conto é  Como Fazer a Barba, de autoria de Patricia Cytrynovicz

O advogado Dr. Otávio – ele fazia questão de ser chamado assim = tinha o costume de fazer a barba na mesma barbearia, todas as manhãs. Aquele ritual diário de toalha quente e lâmina afiada no rosto era algo indescritível, chegando a ser mesmo orgástico.

Lá do alto do seu escritório, no Fórum de São Paulo, ele ficava olhando lá para baixo, admirando as prostitutas que faziam ponto ali na Sé; ele até sabia quem eram seus clientes e quanto tempo durava em média seus programas.

Certo dia, ele resolveu sair com uma delas. A escolhida foi uma loira falsa que tinha um pouco mais de “sustância” que as outras. Ao chegar ao abatedouro da prostituta, ele resolve fazer um programa mais do que bizarro…

O resto, só lendo muito.

Os três contos escolhidos são dignos de receberem 5 estrelas.

Tomara que outras iniciativas como esta da Fnac venham a surgir, e que novos talentos da nossa literatura brotem aos montes, pois nossa literatura sempre foi uma das mais ricas e lidas do mundo, contudo, nós mesmos não valorizamos nossos escritores.

Espero que tenham gostado.

Um beijo no coração de cada um de vocês!

Alex André

 

 

 

 

 

 

 

Sussurros da Meia-Noite – Daniel Pedrosa/ Juliana Velonessi/ Leandro Reis/ Stefânia Andrade


Resultado de imagem para Sussurros da Meia-Noite“Tranque as portas e janelas de sua casa, acenda o abajur
e boa leitura!”

Querida Família Lendo Muito,  com esta frase bem sugestiva que encontra-se na contra-capa do livro Sussurros da Meia-Noite, de autoria de Daniel Pedrosa, Juliana Velonessi, Leandro Reis e Stefânia Andrade, damos início a mais uma resenha especial.  

Este é o primeiro livro destes jovens autores que decidiram reunir-se durante o Festival da Mantiqueira, de 2012, formando o grupo Vale Fantástico, para divulgar a literatura de ficção e fantasia nacional. 

Sussurros da Meia-Noite remete-nos a um mundo sombrio, de mistérios inimagináveis; deve ser lido preferencialmente à noite, à luz de velas, pois sob esta atmosfera funesta, a obra cumpre magnificamente com seu propósito: fazer com que o seu leitor, sinta calafrios de verdade ao término de cada página.

Dentre os dez contos da presente obra, duas histórias destacam-se mais por serem mais arrepiantes. 

São elas:

1. Em Má Companhia, de Stefânia Andrade
Este conto narra a história de uma universitária cursando Farmácia em Araraquara, pacata cidade do interior paulista que, na volta de uma das suas viagens quinzenais à sua terra natal, para visitar seus pais, depara-se com algo horripilante e sobrenatural ao adentrar seu prédio, que com certeza a marcará para o resto da vida!

2. O Broche Azul, de Juliana Velonessi
Neste conto, Tatiana e sua irmãzinha de quatro anos, Liz, deparam-se com o mal ao  cruzarem um velho casarão abandonado: um lugar amaldiçoado e repleto de histórias terrificantes.

Contrariando os avisos que anos e anos Tatiana ouvira de sua avó e seus pais, para jamais por os pés naquele recinto maldito, ela manda sua irmãzinha entrar para pegar uma joia que brilhava no escuro. E Liz, aos cruzar os portões de ferro do velho casarão, viverá uma experiência tão aterrorizante, que mudará completamente a sua vida , a de  Tatiana e a de todos ao seu redor…

Ótimo livro, muito bem escrito, traz até uma escala de medo para conto. Super recomendado!

Merece 5 de 5 estrelas.

✮✮✮✮✮

Esperamos que tenham gostado. 

Um beijo no coração de cada um de vocês.

Alex André & Ana Paula

Garota Infernal – Audrey Nixon


Baseado no roteiro de Diablo Cody (ganhadora do Oscar de melhor roteiro por “Juno)

Resultado de imagem para capa  garota infernal livroA história é contada sob o ponto de vista de Needy, uma jovem nerd e introvertida, que está internada na Casa de Custódia e Tratamento Psiquiátrico Feminino da cidade de  Leech Lake.

Após uma agressão gratuita à nutricionista do lugar, ela acaba sendo jogada na solitária e começa a lembrar dos fatos que a fizeram ser internada naquele lugar para “loucos”.

Antes de tudo acontecer, ela morava com sua mãe em Devil´s Keetle e era amiga de Jeniffer (Jenny), uma linda garota, animadora de torcida, extrovertida e muito popular; ambas eram amigas desde crianças e até usavam cada uma um pingente com as iniciais BFF.  Needy também namorava com Chip, um rapaz muito sereno e aspirante  à baterista.

Tudo ia muito bem naquela pequena e pacata cidade, até o momento em que Low Shoulder, uma banda até então desconhecida de Indie Rock, resolve tocar no Melody Lane Tavern, um bar em decadência da cidade, causando um certo alvoroço.

De olho no vocalista, Jennifer conseguiu convencer Needy a deixar Chip em casa e ir com ela até Melody Lane Tavern. Lá, Jennifer começa a flertar com Nicolai, até o momento em que o local começa a pegar fogo e pessoas começam a morrer queimadas ou pisoteadas.

Os rapazes da banda e as duas jovens conseguiram escapar e, aproveitando um momento de choque de Jenny, Nicolai a convida para conhecer a van escura da banda. Needy tenta impedi-la, mas não consegue e resolve então voltar sozinha para casa.

Mais tarde, naquela mesma noite, uma Jenny faminta de carne crua e toda suja de sangue e barro surge em sua casa, deixando-a amedrontada. A amiga acaba comendo um frango cru que sua mãe estava reservando para fazer para o almoço…

Fatos estranhos começam então a ocorrer em Low Showder: jovens são encontrados assassinados com requintes de crueldade e com sinais claríssimos de canibalismo. E a própria Jennifer começa a ficar mais sarcástica, mais desumana. Parece que aqueles rapazes fizeram algo de muito terrível com ela na noite do incêndio, algo que mudou para sempre a sua personalidade.

E a única pessoa que sabe o que está ocorrendo é Needy. Ela sabe que precisa fazer algo para evitar novas mortes, só que para isso ela vai ter que ser muito corajosa, algo que ela não vem sendo em toda a sua vida…

O resto, só lendo muito.

Eu até poderia contar um pouco mais, pois tenho a certeza que a maioria já conhece o filme, mas prefiro deixar um suspense para aqueles que ainda não conhecem a história. O que posso dizer é que me surpreendi positivamente com este livro, já que ele não é apenas uma transcrição do brilhante roteiro da Diablo Cody. Na realidade, ele enriquece a história com mais detalhes sutis, facilitando o entendimento geral.

Merece 5 estrelas.
✮✮✮✮✮

Espero que realmente tenham gostado.

Um beijo no coração de cada um de vocês!

Alex André

O Museu dos Horrores – Coleção R.F. Luchetti – 2


Resultado de imagem para capa do livro o museu dos horroresBoa tarde, querida Família Lendo Muito.

Trago-vos mais uma resenha do mestre Rubens Francisco Lucchetti: o maior contador de histórias de terror do nosso país, com certeza. O livro escolhido desta vez foi O Museu dos Horrores, que é o segundo volume da Coleção R.F. Lucchetti.

A história começa com Marcos – funcionário que trabalhava na transportadora Carfax de Londres – recebendo um estranho telefonema, avisando-o para não entregar a ninguém as duas caixas enormes que eram endereçadas ao Sr. Perkins, dono do Museu dos Horrores. A voz perturbada identificou-se como sendo John Clayton, de Paris.

Para tornar tudo ainda mais misterioso, logo em seguida Marcos recebe mais dois telefonemas: uma linda voz identificou-se como Venetta, jovem jornalista e o outro, era do próprio sr. Perkins, perguntando sobre as suas duas caixas.

Venetta convence Marcos a ir até a sua casa e explica ao jovem o seu plano de fotografar o museu quando todos de lá estivessem saído, pois o Sr. Perkins não permitia que qualquer jornalista tirasse fotos do museu. Ela apela então para a sua sensualidade para conseguir a ajuda de Marcos.

Marcos desaparece como num passe de mágica, e seus amigos Ed e Nancy resolvem investigar seu sumiço por conta própria, sem fazer ideia que a Suaré e a Scotland Yard também estivessem envolvidas  na investigação.

O que todos não imaginavam é que monstros das telas de cinema pudessem estar por trás deste mistério…

O resto, só lendo muito.

Não posso falar mais da história, pois posso estragar as surpresas reservadas para o final.

Merece ✮✮✮✮!

.

Resultado de imagem para rubens francisco lucchetti

O mestre Rubens Francisco Lucchetti é pai dos pulps nacionais. Ele escreveu mais de 1500 livros, criou roteiros para filmes de Ivan Cardoso e Zé do Caixão, foi o criador de histórias em quadrinhos, entre elas A Cripta e O Estranho Mundo do Zé do Caixão e também revistas como X-9 e Policial em Revista. E aos 87 anos está em plena atividade.

Espero que tenham gostado.

Um beijo no coração de todos vocês!

Alex André

 

 

 

As Máscaras do Pavor – Coleção R. F. Lucchetti – 1


Resultado de imagem para capa as máscaras do pavorQuerida família, trago-vos mais uma resenha do grande mestre Rubens Franscisco Lucchetti. Desta vez falarei do livro As Máscaras do Pavor, que inicia a Coleção R. F. Lucchetti.

A história se passa em 1970, durante a Retrospectiva do Horror, evento de oito dias que ocorria no Chinese Theatre de Los Angeles. A jornalista Myrna Brent entrevistava para o seu programa Câmera Indiscreta nomes como Vincent Price, Christopher Lee e tantos outros expoentes do cinema de terror.

Após o término do festival, uma série de assassinatos sem solução passa a ocorrer.

O primeiro crime foi o de Sylvia, uma prostituta muito bela que teve seu corpo seccionado por um cliente. O maníaco deixou um recado assinado com sangue para a polícia, dizendo tratar-se de ninguém mais, ninguém menos que “Jack, o estripador”.

O segundo crime foi o da jovem Manon Raymond, enquanto interpretava Gilda em “Rigoletto”. Ela fora assassinada pelo “Fantasma da Ópera”, que já havia tido um encontro com a jovem, exigindo que ela desistisse do seu papel em favor de Jennifer Nichols, primeira escolhida para o papel de Gilda.

Edmund Hollyster, famoso antiquário, foi dilacerado por um “lobisomem” sob o olhar apavorado da jornalista Myrna Brent, que tentava fazer uma entrevista com o antiquário. Ela conseguiu fugir dali, sem que o monstro a ferisse.

Mas quem estaria por trás destes crimes tão horríveis? E qual a ligação entre eles?

O resto, só lendo muito!

Os capítulos são muito curtos, o que facilita ainda mais a leitura. O suspense só vai aumentando página a página, lembrando muito os filmes de terror da antiga Hammer. O final é inesperado. Nota 10.

Resultado de imagem para rubens francisco lucchetti

 

O mestre Rubens Francisco Lucchetti é pai dos pulps nacionais. Ele escreveu mais de 1500 livros, criou roteiros para filmes de Ivan Cardoso e Zé do Caixão, foi o criador de histórias em quadrinhos, entre elas A Cripta e O Estranho Mundo do Zé do Caixão e também revistas como X-9 e Policial em Revista. E aos 87 anos está em plena atividade.

Ainda bem!!!

Espero que tenham gostado.

Um beijo no coração de todos vocês!

Alex André

Delirium – Carlos Patrício


Resultado de imagem para capa livro deliriumBoa tarde, querida Família Lendo Muito!

Sempre gostamos de conhecer novos autores, principalmente brasileiros. E a resenha desta tarde é justamente do livro Delirium, do autor Carlos Patrício. 

O título “Delirium” não foi escolhido ao acaso, pois os contos selecionados para este livro são muito mais do que simples histórias ou meros devaneios; cada história convida-nos a uma viagem aos confins da mente criativa e brilhante do autor. Mas tomem cuidado, pois essa viagem pode ser apenas de ida…

Todos os contos foram muito bem escritos, mas dois merecem mais destaque, já que conseguiram deixar-nos mais “delirantes”.

São eles:

Doutor Sádico
Narra a história horripilante de Klose, dedicado e amoroso pai, que adorava sua filha querida Elisabeth. Certa vez, quando levava sua filha à escola, ele parou num bar para relaxar e desabafar, já que havia ficado desempregado e preocupava-se com o futuro que estava por vir. Só que não era apenas o dono do bar que ouvia seus lamentos: Hans Mozart, um sujeito muito sinistro, com longos pelos na barba e um olhar inquietante também estava prestando atenção na conversa dos dois, principalmente em Klose.

Klose não fazia a menor ideia que a perda de emprego seria o menor dos seus problemas, pois ele havia cruzado o caminho de um terrível psicopata. Hans Mozart capturou-o assim que ele saiu do bar e levou-o para uma casa infernal, aonde todo o tipo de atrocidades eram realizadas e fugir era praticamente impossível.

O final da história é eletrizante, lançando-nos um questionamento antigo: será que o bem sempre vence o mal?

Truco
Certo grupo de amigos reúne-se na casa de um deles para jogar truco durante a noite e beber até cair.

Tudo corria bem até o momento em que um grupo de bandidos invade a casa para saquear, levando ao desespero os amigos. E algo de muio horrível mesmo irá acontecer durante o assalto, e isso irá mudar a vida de todos para sempre…

O resto, só lendo muito!

Este livro superou as nossas expectativas. Nota 8,5.

Esperamos que tenham gostado.

Um beijo no coração de todos.

Alex André & Ana Paula

 

 

Loney – Andrew Michael Hurley


Resultado de imagem para capa livro loneyQuerida Família Lendo Muito, nada como começar a semana com uma nova resenha escrita por mim e pela Ana Paula, nossa nova autora do blog.

O livro tem como cenário um lugar na Inglaterra chamado Loney – uma antiga foz de baía morta, que enchia e baixava duas vezes por dia e também escondia segredos obscuros em suas areias lamacentas.

E é neste lugar misterioso que um menino esperto, conhecido por Tonto (parece até gozação, mas não é) e Andrew (Hanny), seu irmão mudo, fazem na Páscoa um retiro espiritual, com o intuito de curarem a mudez de Hanny.

Além da família dos dois garotos, o padre Wilfred e os membros da paróquia local também são frequentadores assíduos de Loney. Contudo, algo de muito estranho acontece quando o padre volta de uma dessas viagens a Loney:  ele passa a apresentar um comportamento muito estranho; parecia até que havia visto algo que afugentara de vez a sua fé!!!

Até o falecimento do padre Wilfred, a família jamais havia voltado para aquele lugar misterioso, por medo do que poderia realmente acontecer ali. 

O jovem e liberal padre Bernard assume a paróquia, contrariando as expectativas dos fiéis da paróquia, que esperavam um padre conservador. Mesmo com um padre fora dos padrões, a mãe de Tonto resolve tentar mais uma vez a cura milagrosa de Hanny em Loney.  

A partir desse momento, a família dos garotos começa a receber avisos ameaçadores dos antigos moradores do local, desencorajando-os a voltarem àquele local amaldiçoado.

Enfrentando corajosamente a todos, a família resolve rumar para Loney. Passeando pelo lugar, os dois garotos dão de cara com algo que mudará suas vidas para sempre; algo que estava adormecido há trinta anos e resolveu reaparecer agora…

O resto, só lendo muito!!!

O livro tinha tudo para ser um grande sucesso do gênero de terror, com um enredo promissor e assustador, mas decepcionou-nos quase por completo. O ritmo da história é lento demais, chegando até a ser sonolento; a história é por demais confusa também – foi até difícil para entendermos o final, acreditem. O “terror psicológico” que o livro prometia deve ter ficado preso em algum lugar da mente do autor, e de lá jamais mais saiu. Leva uma nota 5, porque estamos sendo bondosos!

Espero que tenham gostado.

Desejamo-lhes uma uma ótima semana.

Um beijo no coração de todos!

Alex André & Ana Paula

BRANCA DOS MORTOS e os SETE ZUMBIS e outros contos macabros – Fabio Yabu


Resultado de imagem para BRANCA DOS MORTOS e os SETE ZUMBISSe vocês ainda acreditam na frase:
“E eles viveram felizes para sempre”
tenham muito, mas muito cuidado ao ler este livro!!!

É nesta atmosfera de contos de fada, com histórias que nunca ouvimos e que trazem a verdade sobre cada conto infantil, que o brilhante escritor Fábio Yabu  brinda seus leitores com muita imaginação, morbidez e sangue, é claro; um prato cheio para os fãs do gênero.

Dentre os doze contos que compõe  esta obra magnífica, dou destaque para os dois que mais me agradaram. São eles:

1 – Cindehella e o sapatinho infernal
Narra a história da linda jovem Cindehella, filha de um rico e brilhante médico que criou-a sozinho após a trágica morte de sua esposa.

Porém, como ninguém consegue viver sozinho por tanto tempo, ele casa-se com uma megera que não tinha mais o olho direito, além de ser muito sovina e maldosa. Ela possuía duas filhas: Griselda e Anastácia, que eram malcriadas, muito mimadas e pra lá de horrorosas!!!

Quando o bondoso médico morre subitamente, a terrível madrasta fica com toda a fortuna e também com o compromisso de cuidar da jovem Cindehella.  Pois bem, como era de se esperar, a megera tratava Cindehella como escrava, deixando-a com as sobras de suas filhas monstrengas.

Até esse ponto, tudo se parece com uma história que conhecemos bem, não é mesmo?

Num belo dia, o rei resolveu que daria um baile para encontrar uma esposa para seu filho, o príncipe. A megera ficou muito entusiasmada em ir ao baile com as filhas, mas proibiu a bela Cindehella de ir também. Mesmo assim, a jovem foi escondida ao baile.

O que aconteceu depois da chegada da jovem ao salão de baile mudará para sempre a visão que vocês ainda mantinham dessa “inocente” história…

2 – Samarapunzel
Narra a história da linda jovem Samarapunzel, que havia sido trancada numa torre altíssima e, cujos cabelos negros e enormes tinham vida própria, servindo como escada para sua mãe, a única pessoa que a visitava. Até o dia em que um príncipe aparece na história…

 Vocês irão se surpreender de verdade com o rumo inesperado que o conto irá tomar. A única coisa que posso dizer-vos é que não existe o: “e foram felizes para sempre”!

O resto, só lendo muito.

Parabenizo o autor Fabio Yabu pela corajosa ideia de escrever um livro de terror baseado nas histórias infantis que conhecemos desde pequenos. O resultado foi brilhante, diferente de tudo o que eu havia lido antes.  Não tinha como deixar de citar também as belíssimas ilustrações de Michel Borges, que contribuíram e muito para aumentar  o clima diabólico de cada história. Nota 11.

Espero que tenham gostado.

Um beijo no coração de todos.

Alex André & Ana Paula

O outro lado do crime – Casos Sobrenaturais (vários autores)


Dossiê organizado por:
Bruno Anselmi Matangrano
Debora Gimenes

O Outro Lado do CrimePensem em um livro que una mistério e fantasia em cada um de seus contos, e inclua também nessa atmosfera  um toque sucinto de sobrenatural. Este livro é O outro Lado do crime, com toda a certeza.

Além dos organizadores – e também autores – Bruno Anselmi Matangrano e de Debora Gimenes,  Fernanda Borges, James Andrade, Luis Eduardo Matta, Marcelo Augusto Galvão, Natália Couto Azevedo, O. A. Secatto e Vera Carvalho Assumpção foram escolhidos com muito apuro para levar o leitor a uma viagem pelo caminho da investigação policial e também do fantástico. Não poderia deixar de mencionar as belas fotografias e montagens feitas por Lucas Anselmi Matangrano, que ajudaram demais a dar um clima mais tenebroso ao livro.

Gostei demais de todos os contos, mesmo não sendo um profundo conhecedor da literatura fantástica brasileira. A cada página virada, parecia que eu estava dando de cara com algo belamente escrito por Agatha Christie, Edgard Wallace, Conan Doyle, numa simbiose com autores como H.P. Lovecraft, Poe, Ray Bradbury, entre outros. Porém, a essência do fantástico brasileiro sempre mostrou-se presente.

Foi muito difícil escolher apenas dois contos para um comentário mais completo, já que todos são muito bons. Resolvi então escolher os dois que mexeram mais comigo.

São eles:

O que aconteceu em Bottown- de Marcelo Augusto Galvão
Em Marte, o detetive Simon Hermes é contratado para investigar o desaparecimento da bela Lena, esposa de Bernhard Pasharef, um rico empresário do planeta vermelho. Com as investigações em andamento, Hermes começa a desvendar a teia de mistério que acompanha a morte da esposa do seu cliente, ele só não fazia ideia que isso o levaria a um culto de vodu marciano e ao lote 23 dos biobots – robôs que se assemelhavam aos humanos, mas que há tempos foram deixados de fabricar por apresentarem defeitos de comando…

Tânatos – Natália Couto Azevedo
A jovem Helena trabalhava na Verificação de Óbitos do Hospital das Clínicas. Ela passa então a ter flashes de Lavínia, sua falecida mãe, em todos os cadáveres que começara a dissecar e resolve procurar respostas nos arquivos do Dr. Carlos, seu próprio pai. E o que  ela encontra ali é algo de gelar o sangue de qualquer um…

O resto, só lendo muito!

Acredito que todos vocês gostarão de ler este livro, mesmo os que não sejam entusiastas da literatura fantástica. Nota 9.

Espero que tenham gostado da primeira resenha de 2017.

Um beijo no coração de cada um de vocês.

Alex André