O Medalhão – Alexandre Dumas


Resultado de imagem para capa o medalhão de dumasO Medalhão é uma das poucas histórias fantásticas que Alexandre Dumas escreveu; tem como pano de fundo a cidade de Paris e o período que ficou conhecido na história como Terror, surgido logo após a Revolução Francesa, de 1789.

Às margens do rio Reno, situava-se a maravilhosa cidade germânica de Manheim, segunda capital do grão-ducado de Bade, onde eram ambientados praticamente todos os romances de Augusto Lafontaine e de Goethe.

Nesta belíssima cidade viviam os inseparáveis amigos e irmãos de criação Hoffman (Ernesto Theodoro Guilherme Hoffmann) e Zacarias Werner (que mais tarde escreveria “Martinho Lutero” e “24 de Fevereiro”). Hoffmann, nesta época,  contava com apenas 18 anos e vivia da pintura, da música, da poesia e, de vez em quando, da ajuda que sua mãe lhe enviava.

Além de terem sido criados juntos, ambos tinham um sonho em comum: conhecer Paris, a cidade das artes. Só não tinham dinheiro suficiente para tal façanha!

Foi quando Zacarias teve a ideia de pegarem todo o pouco dinheiro que lhes restava e irem até o cassino da cidade, arriscar a sorte na roleta.

Apesar de Zacarias ter perdido tudo o que possuía logo de início, em sua vez, Hoffmann começou a ganhar e ganhar, sempre juntando pilhas e pilhas de moedas de ouro, para surpresa geral de seu amigo e de todos os frequentadores do cassino.

Antes de sair dali, um velho oficial abordou Hoffmann e falou para ele que, caso ele continuasse ganhando, ele seria alvo fácil para o Diabo!

Após o fechamento do cassino, enquanto caminhavam para casa, Zacarias ria a valer, pois sabia que podiam ir e viver em Paris por um longo tempo, Hoffmann ficou triste e cabisbaixo, pensando no que o velho oficial lhe dissera ainda há pouco!

Na última hora, só Zacarias partiu para Paris, pois Hoffmann apaixonou-se pela bela Antônia, uma loira de apenas 17 anos, dona de uma voz maravilhosa e aveludada, filha do Maestro Gottlieb Murr.

Durante alguns meses, Hoffmann frequentava a casa de Antônia todos os dias, tal qual um verdadeiro membro da família, porém, Antônia percebia que faltava alguma coisa para seu noivo, pois ele parecia viver uma vida apática e sem sentido. Ela então consentiu que ele fosse viver em Paris por um tempo, junto com Zacarias, sob dois juramentos: que ele lhe permanecesse sempre fiel e que jamais jogasse de novo.

Ele então jurou por algo que lhe mais sagrado no mundo: a vida de Antônia, sua amada. Se ele não cumprisse seu juramento, ela estaria condenada à morte!

Antes que ele partisse, sua amada entregou-lhe um lindo medalhão em suas mãos; dentro dele, encontrava-se um retrato da bela e vistosa Antônia.

Ao chegar em Paris, ele decepcionou-se por completo, pois as bibliotecas e os museus que ele tanto queria visitar estavam todos fechados por causa da Revolução, já o Palácio de Luxemburgo fora convertido em prisão; além disso, Hoffmann não fazia a mínima ideia de onde morava Zacarias Werner!

Aquele jovem artista e entusiasta viera a Paris para estudar artes e respirar uma atmosfera de liberdade, contudo só encontrara portas fechadas e pessoas com medo de serem guilhotinadas!

Passando pela frente do teatro da Porta Saint-Martin, parou e viu que encontrava-se em cartaz o balé: “O Julgamento de Páris”, de Gardel Júnior.

“Que época esta aquela em que, no mesmo dia, podia ver-se
condenar pela manhã, executar às quatro da tarde, dançar à noite,
correndo-se o risco de acordar e ser detido de madrugada,
no meio de tantas e tão diversas emoções!”

Durante a apresentação conheceu uma figura estranha, toda vestida de preto, que apresentou-se como doutor caveirinha; no palco, ele foi enfeitiçado pela beleza de Arsênia, a bela dançarina morena, de olhos negros e penetrantes, que trazia, ao redor de seu lindo pescoço, um enorme colar de veludo e diamantes, cujo fecho era uma pequena guilhotina de prata.

Só tinha um pequeno problema: ela já era propriedade de Danton, um homem muito rico, que tinha o rosto completamente desfigurado pela acne e pela varíola!

Será que Hoffmann manteve-se fiel aos juramentos e voltou para Alemanha para casar-se com sua bela noiva Antônia? Ou rendeu-se aos caprichos da sedutora e fatal Arsênia?

O resto, só lendo muito!

Uma das narrativas mais brilhantes e perturbadoras que eu já li em toda minha vida; misto de drama, suspense, loucura e sobrenatural.

Digno de 5 estrelas!

Espero que vocês realmente tenham gostado.

Um xandylhão de beijos no coração de cada um de vocês!

Alex André (Xandy Xandy)

 

Anúncios

The End of the F***ing World


Mais uma série original da Netflix, The End of the F***ing World pode ser recente, mas já conta com um grande sucesso, sobretudo, entre o público mais jovem, tendo diversas fotos de momentos e frases da obra circulando cotidianamente nas redes sociais.

Com apenas oito episódios de duração de cerca de vinte minutos cada, The End of the F***ing World é ideal para aqueles que, como eu, costumam ser um tanto quanto lerdos para terminar séries, sentindo-se desmotivados a assistir àquelas que possuem episódios muito longos ou um número excessivo de episódios. Os atentos podem ter notado, inclusive, que, se somados todos os episódios, a série teria a duração semelhante à de um filme, o que é verdade, embora esse formato, de alguma maneira, pareça ter sido mais adequado do que se houvessem escolhido a cinematografia no lugar da seriação.

Como protagonistas da série temos Alyssa e James, dois adolescentes de 17 anos que estudam na mesma em escola. A menina possui sérios problemas familiares, com um pai que abandonou sua família quando ela era criança, um padrasto que ela detesta e uma mãe inerte que vive apenas em função do novo marido e dos novos filhos (dois bebês gêmeos), esquecendo-se de sua filha mais velha.

O garoto, por sua vez, é criado apenas por um pai abobalhado e tem dificuldades em sentir emoções, acreditando, inclusive, que seja psicopata, devido a vários indícios oferecidos por seu passado, como sua aparente incapacidade de sentir empatia e o costume que tem de matar pobres animais que encontra na floresta.

Decidido a se provar como psicopata, James deseja, em suas palavras, “matar algo maior” quando Alyssa enfim se aproxima dele. Enxergando nela a vítima perfeita, eles começam a namorar e a garota o chama para viajar com ela, uma vez que ela não aguenta mais a própria casa. Acreditando que aquela seria a melhor oportunidade que teria de matar alguém, ele aceita, mas algo muda com o desenrolar da trama…

Rápido, porém intenso, um tanto original e repleto de momentos e frases memoráveis, a série trata de assuntos pesados com um jeito mais leve, merecendo, por isso, meu 9,5.

Beijos, Ana Beatriz

A Mulher Silenciosa – A.S.A. Harrison


Resultado de imagem para a mulher silenciosa capaBoa tarde, querida Família Lendo Muito!

Trago-vos, desta vez, a resenha do livro A Mulher Silenciosa, primeiro e único livro da escritora Angela Susan Ann Harrison, falecida em 2013.

Jodi Brett e Todd Gilbert  conheceram-se logo após um acidente de trânsito, onde ela fora a responsável e ele, o “nervosinho” e “grosseirão”, que gritou muito com ela a princípio, contudo, dias depois convidou-a para jantar e ela, de maneira educada, aceitou.

Agora, 20 anos após este incidente, eles vivem em Chicago, num lindo apartamento com vista para o mar, com dois carros de luxo na garagem, tudo fruto do dinheiro que Todd ganha como empreiteiro bem-sucedido. Já Jodi, é uma psicoterapeuta que atende apenas dois  pacientes por dia – sempre rejeitando os casos mais complexos, como viciados e também pacientes com transtornos mentais ou potenciais suicidas -, deixando muito tempo de sobra para suas aulas de Pilates, de arranjos florais e também para preparar as refeições gourmet que ela e Todd tanto adoram; Freud, o cão da raça golden retriever de pelo louro e brilhante, procura preencher o espaço daquele filho que eles não tiveram.

Aos olhos dos vizinhos e amigos, a vida deles parece bem satisfatória e feliz, só que Jodi sabe que nada disso é verdade. Durante todos estes anos, Todd a traiu com várias mulheres; mesmo assim, ela continua sendo tolerante com a infidelidade do marido, mantendo-se em silêncio, sem jamais confrontá-lo.

Todavia, tudo isto muda quando Todd envolve-se numa relação perigosa com Natasha, uma bela universitária que, além de ser muito jovem, é também filha de Dean Kovacs, o melhor amigo de Todd.

Como se isso só já não bastasse para virar sua vida pelo avesso, Natasha solta uma verdadeira bomba em seu colo: ela está esperando um filho dele, e faz questão que Todd venha viver com ela de uma vez  por todas.

Para isso, ela resolve “esquecer” um vidro de soníferos que estava em seu nome na calça predileta de Todd, ou mesmo ligando para Jodi, para “desculpar”-se por todo o problema que ela estava lhe causando.

De mãos atadas, ele acaba sendo obrigado a ceder aos caprichos de Natasha, mudando-se para um apartamento novo e procurando Harry, seu advogado, para saber quanto do seu patrimônio ele teria que dividir com Jodi; Harry, assim que fica sabendo que ele não era casado legalmente com Jodi, mandou Todd comemorar muito, pois a pobrezinha não ficaria com um único centavo seu!

Ao receber um aviso de despejo, avisando que ela tinha apenas trinta dias para desocupar seu belíssimo apartamento, a ficha de Jodi caiu: Todd não irá mais voltar para ela!

Vendo sua “vida perfeita” ruir à sua frente, Jodi partirá para o ataque, deixando de ser aquela mulher cordata e fiel – que aceita tudo do companheiro, de maneira silenciosa e sem reclamar-, para tornar-se uma verdadeira leoa, capaz de ferir, e ser for preciso, até de matar!!!

O resto, só lendo muito!

O fato da autora ter conseguido intercalar cada capítulo do livro com o ponto de vista de Todd e de Jodi, foi algo que achei fantástico.

Na tentativa de dar mais credibilidade para sua história, a autora carregou demais no perfil psicológico de cada personagem, tornando a narrativa lenta e muito amarrada; a autora esticou demais a história com detalhes irrelevantes e acabou perdendo-se no meio da trama, transformando uma história que tinha tudo para ser um excelente thriller psicológico, num fraquíssimo suspense.

De minha parte, recebe apenas 2 estrelas!

Espero que vocês realmente tenham gostado.

Um xandylhão de beijos no coração de cada um de vocês!

Alex André (Xandy Xandy)

Sob a Pele – Michel Faber


Resultado de imagem para capa livro sob a pele michelA história tem como cenário principal a cadeia de montanhas Highlands, situada na Escócia, onde um Toyota vermelho, conduzido por uma jovem e misteriosa mulher, oferece carona aos desavisados e, diga-se de passagem, azarados caronistas que ao caírem nas graças de Isserley, , de estatura pequena e delicada, que possui como grande atrativo seu par de seios torneados e firmes, sempre realçados por generosos decotes.

Mas sua aparente beleza e seus “dotes mamários” não passam de um terrível engodo que ela utiliza para atrair suas vítimas do sexo masculino, selecionadas a dedo. Ao entrarem em seu Toyota, todos os “escolhidos” são submetidos a uma entrevista, sem desconfiarem que aquelas serão suas últimas palavras, pois logo que o questionário termina, um poderoso tranquilizante, à base de Icpathua, é disparado nas vítimas através do estofamento do banco do carona, silenciado-as para sempre!

Por que uma mulher empreenderia tanto tempo e trabalho para capturar homens nas estradas da Escócia? Seria a bela Isserley apenas uma predadora desalmada? Ou algo muito mais maligno e sinistro estaria escondido por trás de sua pele?

O resto, só lendo muito!

O livro é bem interessante, já que faz com que sintamos certa empatia pelos caronas, torcendo para que, logo após a entrevista, Isserley os descarte logo. Contudo, quando ficamos sabendo o real destino de suas “mercadorias”, ficamos estarrecidos e para lá de enojados.

Através de seu livro, o autor faz uma crítica direta à poderosa indústria alimentícia.

Digno de 3 estrelas.

Aos interessados: existe um filme homônimo, de 2013, protagonizado por Scarlett Johansson e Kryštof Hádek, que não chega a seguir muito a história do livro, mas vale muito a pena ser visto.

Abaixo, segue o link do trailler do youtube:

Esperamos realmente que vocês tenham gostado.

Um xandylhão de beijos no coração de cada um de vocês!

Alex André (Xandy Xandy)
&
Ana Paula

O Castelo dos Cárpatos – Júlio Verne


O Castelo dos CárpatosBoa tarde, querida Família Lendo Muito!

Trago-vos a resenha de mais um livro do grande Júlio Verne, um dos pais da ficção científica. Desta vez, escolhi O Castelo dos Cárpatos, uma das raras histórias de suspense/terror escrita pelo autor de Vinte Mil Léguas Submarinas.

A história toda é ambientada em plena Transilvânia, Romênia – região sempre marcada pela crença no sobrenatural, já que muitas lendas fantásticas vêm sendo passadas ali de pai para filho, desde os tempos bíblicos.

No final do século XIX, em plena aldeia de Wertz, quando Frik, um pastor de ovelhas local – também considerado por todos um grande feiticeiro, rogador de pragas e mandingas, que vendia poções mágicas aos aldeões-, compra uma luneta de um vendedor ambulante e, ao posicioná-la ao castelo abandonado dos Gortz, situado no alto dos Cárpatos, percebe uma coluna de fumaça saindo de uma de suas  torres, e corre para contar a novidade para o juiz Koltz, que comprova a veracidade utilizando-se da mesma luneta.

Mas como isto seria possível, já que o castelo não era mais habitado há mais de 15 anos, desde a partida do barão Rodolfo de Gortz?

Naquela mesma noite, o juiz Koltz chamou seus amigos: o médico Patak, o professor Hermod e o guarda florestal Nic Deck, futuro genro do juiz, à pousada Rei Mathias, para beberem com Jonas, o proprietário e discutirem sobre o terrível mistério envolvendo a fumaça da torre do castelo abandonado.

Durante a bebedeira, resolveram apostar para saber quem teria coragem de ir até o castelo para desvendar o mistério. Todos foram pulando fora, inclusive o falastrão do doutor Patak, que sempre afirmava que não tinha medo algum do sobrenatural; o único a aceitar o desafio foi Nic Deck, estipulando uma única condição: Patak deveria fazer-lhe companhia.

Foi então que uma voz grave e ameaçadora foi ouvida por todos no Rei Mathias, avisando a todos que ninguém deveria aproximar-se do castelo, pois seriam severamente castigados… voz esta que ninguém conseguiu reconhecer ou explicar de onde vinha!

Mesmo assim, na manhã seguinte, Nic Deck e o doutor Patak partiram rumo ao castelo, para tristeza do médico, que não passava de um grande covarde e foi reclamando durante todo o caminho, tentando fazer o jovem guarda florestal desistir.

Chegaram próximo do castelo só no final da tarde e perceberam que não havia qualquer sinal de fumaça ou som saindo da majestosa propriedade e tudo parecia deserto; eles também constataram que seria impossível passar pelo fosso do castelo para baixar a ponte levadiça e abrir sua  porta no escuro, por isso, resolveram acampar e tentar transpor as barreiras logo ao amanhecer.

Durante a madrugada, ambos foram acordados pelo soar sinistro do sino do castelo, além de depararem-se com visões estranhas de seres fantásticos como bruxas e vampiros voando perto de seus muros; de manhã, enquanto cruzavam o fosso, Patak sentiu-se pregado ao chão, sem conseguir se mover, enquanto Nic deu um grito horrível ao tocar a ferragem da ponte levadiça, tendo um braço e uma perna inutilizados, sendo lançado fortemente ao fosso, como que por efeito de uma mão invisível.

Como eles não voltaram no horário combinado, o juiz Koltz, o pastor Frik e o estalajadeiro Jonas, partiram até o castelo e voltaram trazendo Nic Deck, em numa padiola improvisada de ramos de árvore, inconsciente e parcialmente paralisado e o médico Patak em estado de choque.

Após restabelecer-se por completo, o médico contou a todos do Rei Mathias todo o terrível ocorrido, deixando bem claro que, para ele, aquilo não passava de obra do terrível “Chort” – nome que o Diabo recebe na região dos Cárpatos – que escolhera o castelo abandonado para aliar-se a outros seres sobrenaturais, com o intuito de expulsar todos os moradores da região!

Daquele dia em diante, o medo passou a imperar de vez em Wertz, que passou a ser assolada por incríveis trepidações subterrâneas quase que diariamente; agricultores começaram a deixar de plantar, por temerem encontrar demônios ou bruxas nos campos de trigo e muitas famílias,  abandonaram suas casas, com destino a outros países, pois tinham o receio do “Chort” matá-las!

Para não estragar as inúmeras surpresas que o genial autor reservou aos seus leitores, vou parando por aqui.

O resto, só lendo muito!

Não é possível efetuar a leitura sem um bom dicionário, dado ao emprego de muitos termos arcaicos. Todavia, isto não desabona em nada a leitura desta história fantástica muito bem construída, que consegue prender a atenção do leitor do início ao fim.

Digno de 4 estrelas.

Espero que vocês realmente tenham gostado.

Um xandylhão de beijos no coração de cada um de vocês!

Alex André (Xandy Xandy)

ISCAS – J. Kent Messum


Imagem relacionadaBoa tarde, querida Família Lendo Muito!

Imaginem a seguinte cena: vocês acordam em uma ilha desconhecida, sem lembrarem de como foram parar lá, e ainda por cima ao lado de outras pessoas que vocês jamais viram antes.

Este panorama é mais do que assustador, vocês não acham?

Foi isso mesmo que aconteceu com Nash (guitarrista de uma banda decadente), Kenny (rapaz de 18 anos, que fazia michês), Ginger (namorada de um traficante depravado), Felix (ex-boxeador), Maria (imigrante ilegal e prostituta) e Tal (Tallahasee Jones, que ficava tocando seu violão imundo para ganhar uns trocados). Eles acordaram em uma ilha deserta, sem fazer a mínima ideia de como foram parar ali e sem jamais terem se encontrado antes.

Mas o que será que aquelas pessoas de idades e de raças tão diferentes estavam fazendo ali?

Conforme iam conversando um pouco mais uns com os outros,  ficou bem claro que duas coisas uniam aquele grupo improvável: o fato de serem oriundos dos piores bairros de Miami, justamente os mais perigosos, e também o vício comum de todos em H (heroína).

Ou seja, aqueles seres estavam ali porque ninguém se preocupava com qualquer um deles, nem tampouco sentiria sua falta!!!

Eles encontraram um baú contendo seis  lanches, várias maçãs e barras de cereais, além de uma dúzia de garrafas d’água e um envelope em branco, sem endereço, com um bilhete digitado em um único parágrafo, avisando que eles não seriam ajudados por ninguém e que, para sobrevirem, teriam que atravessar a nado para a outra ilha, onde encontrariam outro baú, contendo as mesmas provisões; contudo, além de alimento e água, eles encontrariam ali, a heroína mais pura que já haviam experimentado na vida.

Perto dali, um iate com quatro tripulantes estava observando de perto as ações que se desenrolavam na pequena ilha, aguardando com verdadeira ansiedade o início da crise de abstinência que acometeria cada membro daquele bando de viciados imprestáveis.

O primeiro a sentir os efeitos fortes da privação da heroína foi Tal; ele atirou-se sozinho ao mar,  rumo à ilha vizinha. Todavia, no meio do caminho, acabou sendo devorado por tubarões, para desespero do resto do grupo e verdadeiro regozijo dos tripulantes malditos.

Será que é melhor ficar naquela ilha, enfrentando os duros efeitos causados pela abstinência, esperando um socorro que possivelmente jamais chegará? Ou é melhor lançar-se àquele mar traiçoeiro, repleto de tubarões vorazes e famintos, só para chegar até a próxima ilha e “viajar” sob os efeitos da mais pura heroína que os aguarda,  acreditando na promessa daquele quarteto sinistro e sádico?

Para obter estas e outras respostas, só lendo muito!

Posso afirmar-lhes que poucos livros mexeram tanto comigo como este.  Leitura recomendada apenas para quem tem estômago forte, pois a riqueza na descrição dos efeitos causados pela abstinência de drogas é algo realmente impressionante e impactante.

O autor conseguiu, através de uma linguagem bem leve, construir um thriller psicológico extremamente forte, capaz de tirar o fôlego de qualquer leitor. O final, então, é totalmente inesperado e chocante!

Esta é a típica história que, nas mãos de um bom diretor de cinema, vai se tornar um verdadeiro sucesso de bilheteria!

Digno de 5 estrelas!

Espero que vocês realmente tenham gostado.

Feliz natal para todos e um xandylhão de beijos no coração de cada um de vocês!

Alex André (Xandy Xandy)

Lady Barberina & A Outra Volta do Parafuso


Resultado de imagem para lady barberina capaBoa tarde, querida Família Lendo Muito!

Trago-vos mais uma resenha de um grande clássico universal. Para isso, escolhi Lady Barberina & A Outra Volta do Parafuso, de autoria de Henry James.

O livro traz duas histórias bem distintas: Lady Barberina é  uma comédia de costumes, narrada em terceira pessoa, que descreve com sarcasmo e ironia a sociedade inglesa e americana do século XIX; já A Outra Volta do Parafuso é uma autêntica história de terror, com uma pitada de sobrenatural, narrada na maior parte em primeira pessoa, com capítulos muito curtos, que ajudam a acelerar a leitura.

1. Lady Barberina
Durante sua estada em Londres, o médico americano Jackson Lemon acaba apaixonando-se por Lady Barberina, uma bela jovem inglesa que fazia parte de uma família de aristocratas ingleses falidos e esnobes.  Mesmo contra a sua vontade, Lorde Canterville, o pai de Lady Barb, é obrigado a permitir o casamento da filha com aquele  americano “inferior”, pois sua família passava por sérias dificuldades financeiras e o jovem médico surgia como uma verdadeira tábua de salvação, já que era muito rico e também herdeiro de uma grande fortuna no novo continente. 

Após o casamento, o casal parte da Inglaterra rumo aos Estados Unidos, para viver em Nova York, próximo da Sra. Lemon, a mãe do jovem doutor.  

Contudo, depois de  seis meses de casado Jackson Lemon ainda não conseguira fazer com que a esposa abandonasse o ar arrogante e presunçoso com que ela olhava para as pessoas; além disso, Lady Barberina odiava quando seu marido se reunia em casa com seus amigos, pois a casa deles ficava cheia de gente rindo e falando alto.

Já Lady Agatha – irmã mais nova de Lady Barb, que fora passar uma temporada em Nova York com eles -,  era uma moça muito simples e de fácil trato, que acabou apaixonando-se pelo estilo de vida dos americanos, o que acabou por gerar grande revolta na irmã mais velha.

2. A Outra Volta do Parafuso
Um grupo de pessoas aproveitava o calor gostoso do fogo da lareira para contar histórias de terror. Douglas, um dos presentes, revelou aos amigos que conhecia uma história de fantasmas verdadeira; ele tinha em sua posse um manuscrito antigo, escrito pela governanta de sua irmã, revelando um terrível acontecimento que a pobre mulher vivenciara anos antes de sua morte. Contudo, levaria dois dias para buscar o tal manuscrito em outra cidade.

Tratava-se da história de uma jovem que fora contratada como preceptora (governanta) após responder a um anúncio de jornal; seu serviço seria cuidar de  duas crianças órfãs que estavam agora sob a tutela de um tio, que era o seu empregador, porém, ela jamais deveria incomodá-lo sob qualquer assunto relacionado àquelas crianças ou sobre qualquer outro problema que ela viesse a encontrar na residência.

Ela parte então para a mansão que ficava no condado pequeno de Bly e, ao chegar lá, conhece a bondosa Sra. Grose, que apresenta-lhe Flora, uma menina linda e adorável, capaz de cativar qualquer coração empedernido. A jovem babá passa a dormir todas as noites com a pequena Flora.

Ela recebe então uma carta da direção do colégio de Milles, avisando-lhe que o menino fora expulso do colégio por mau comportamento e estava retornando de trem para Bly. Assim que a jovem preceptora pôs os olhos pela primeira vez naquele lindo garoto, todos os pensamentos negativos, oriundos daquela epístola malcriada, foram substituídos por puro amor e encantamento.

Com o passar dos dias, ela passou a acreditar menos ainda naquelas acusações feitas a Milles. Como uma criança tão doce e bela como ele poderia ser má?

Por que será que o tio daquelas crianças era tão frio e insensível em relação aos dois sobrinhos? Na sua opinião, aquelas duas crianças maravilhosas jamais haviam dado qualquer motivo para serem castigadas antes e nem dariam no futuro. 

Certa noite, ela tem a visão de um homem desconhecido, que a fitava de cima da mansão com um olhar libidinoso e ousado. Ela resolveu guardar segredo de todos, pois talvez se trata-se de algum viajante desconhecido que subira no ponto mais alto da propriedade com o intuito de observar dali a bela paisagem.

Dias depois, o mesmo rosto apareceu colado à janela do andar de cima, a olhar não para ela, mas para alguma outra coisa…ou outro alguém!!!

O resto, só lendo muito!

A única crítica que faço a respeito de  A Outra Volta do Parafuso é em relação ao seu final um tanto quanto vago, dando margem para mais de uma interpretação.

Digno de 4 estrelas

Até hoje, não existe nenhum filme baseado no roteiro de Lady Barberina; entretanto, várias adaptações de A Outra Volta do Parafuso foram feitas para a TV e para o cinema, porém, “Os Inocentes”, de 1961, com Deborah Kerr no papel principal, é aclamada por muitos críticos como a melhor.

Segue abaixo, o link do youtube para assistirem ao filme completo:

 

Espero que vocês realmente tenham gostado.

Um xandylhão de beijos no coração de cada um de vocês!

Alex André (Xandy Xandy)

Rachel – R.F. Lucchetti


“Muitas vezes, nas noites de inverno, quando nos encontramos no aconchego do nosso lar, entra um inseto pela abertura de uma janela. Por um instante, ele esvoaça em torno do calor da lâmpada. Depois, sai novamente para a noite fria e tempestuosa. 
De onde ele veio? Para onde foi?”

De um antigo texto de Bede

Resultado de imagem para capa rachel r.f. lucchetti

Essas palavras parecem conter toda a essência da Casa do Promontório, o Solar dos Gansfields: uma casa misteriosa, sufocante, melancólica. Contudo, era uma sólida obra, toda construída com blocos de pedra.

E é para lá que Oliver Collins segue após receber um bilhete de cunho nervoso, vindo de Richard Gansfield, seu amigo de longa data; num passado não tao recente, ambos haviam cursado Direito juntos, embora Richard jamais tivesse a mínima vontade de seguir carreira como magistrado, pois, na realidade, ele formara-se apenas para agradar seu falecido avô. Sua verdadeira paixão era a Entomologia (estudo dos insetos).

Richard havia se distanciado de Oliver logo após seu casamento com Rachel, uma bela mulher (descrita com detalhes bem convincentes pelo autor). Além da extrema beleza, Rachel carregava consigo uma aura de mistério e sedução; assim que pousou seus olhos nela, Oliver rompeu o fio tênue que separa a loucura da paixão, fazendo ambos apaixonarem-se perdidamente.

Todavia, além de carregar a culpa por amar a esposa do seu melhor amigo, Oliver terá que lutar com algo verdadeiramente sinistro, que ronda a atmosfera enevoada da Casa do Promontório… e que está ceifando rapidamente a vida de Richard!

O resto, só lendo muito!

Ótima livro, que prende o leitor do início ao fim, com um final inesperado e intrigante!

Digno de 5 estrelas.

Esperamos que tenham gostado.

Um xandylhão de beijos no coração de cada um de vocês!

Alex André (Xandy Xandy)
&
Ana Paula

 

 

O Fantasma da Ópera – Gaston Leroux


Este maravilhoso clássico francês tem como principal pano de fundo a famosa ópera de Paris, onde, no final do século XIX, uma figura misteriosa e realmente apavorante, oriunda dos subterrâneos do tão célebre teatro, surgia do nada para atormentar a alma até dos mais corajosos cavalheiros da época.

O autor fez questão de conhecer mais a fundo a história deste fantasma através de uma pesquisa minuciosa e descobriu que este ser, na realidade, não tinha qualquer coisa de sobrenatural; na realidade, Erik – seu verdadeiro nome-, era um ser extremamente inteligente e muito possessivo que, devido ao seu aspecto hediondo, escondia-se do mundo nos confins da ópera.

Ele nutria uma paixão platônica por Christine Daaé, uma bela soprano que era dona de uma voz realmente maravilhosa. Porém, devido  à sua fealdade, ele tinha medo de aproximar-se e amedrontar a bela jovem, por isso, vivia espreitando-a por entre os escuros bastidores. Christine estava apaixonada por Raoul, visconde de Chagny; por causa disso, o fantasma resolveu capturá-la e levá-la para sua morada, nos subterrâneos da ópera.

Nesse meio tempo, vários crimes passaram a acontecer e todos passaram a desconfiar que eram obra do temido fantasma.

Em completo desespero, Raoul resolve lançar-se aos mais profundos cantos da ópera, em busca de sua amada Christine. Todavia ele não contava ter de enfrentar o irascível e apaixonado “fantasma da ópera”!

O resto, só lendo muito!

Uma leitura realmente cativante, que nos faz refletir sobre a beleza e o amor verdadeiro. 

Digno de 5 estrelas.

Esperamos que tenham gostado.

Um xandylhão de beijos no coração de cada um de vocês!

Alex André (Xandy Xandy)
&
Ana Paula

Love – A História de Lisey – Stephen King


Imagem relacionadaO livro narra a história de Lisey, viúva de Scott Landon, um famoso escritor.  Após o falecimento do célebre marido, ela tomou posse de todo o seu espólio, que consistia em vários manuscritos ainda inéditos e do grande vazio que se instalara em seu coração.

Através de um relato profundo, a agora supérstite Lisey, leva-nos ao dia a dia do casal, com desabafos por muitas vezes ter ficado em segundo plano, pelo simples fato de ser a “esposa” de Scott Landon.

Como é a própria Lisey quem narra a história, tomamos conhecimento dos muitos traumas de seu marido, e também de Booy’a Moon, um lugar mágico e lindo, que fez parte da infância de Scott e de seu irmão Paul; neste lugar, eles brincavam com os bools de caça a um tesouro imaginário…

Aliás, o termo bool é citado inúmeras vezes durante a história, algo que chega até incomodar um pouco, diga-se de passagem.

Também somos apresentados ao lado sombrio de Scott, que tem tudo a ver com a maldição da família Landon, e que deixou inúmeras chagas no escritor… chagas estas que jamais cicatrizaram!

E é neste “clima” que Lisey reúne forças para limpar as coisas e seguir em frente, até o momento em que passa a receber ameaças de um estranho, que deseja apossar-se, a todo custo, dos manuscritos de Scott.

Será que ela conseguirá livrar-se deste estranho perigoso e também superar de vez a morte de seu marido?

O resto, só lendo muito!

Esta leitura foi bem fastidiosa e cansativa, principalmente por conter diferentes passagens de tempo; se o leitor não prestar bastante atenção a isso, ficará realmente perdido e confuso com tantas informações e divagações desta história de amor bem insólita.

Merece 2 estrelas.

Esperamos que tenham gostado.

Um xandylhão de beijos no coração de cada um de vocês!

Alex André (Xandy Xandy)
&
Ana Paula