Cynthia – E. V. Cunningham (Howard Fast)


Resultado de imagem para cynthia e.v. cunningham

Boa noite, querida Família Lendo Muito!

Trago-vos a resenha do livro Cynthia – que eu ganhei da queridíssima Dra. Milene, minha terapeuta ocupacional -, cujo brilhante autor norte-americano Howard Fast \(Spartacus) escreveu sob o pseudônimo de E. V. Cunningham.

A história é narrada em primeira pessoa e tem início numa quinta-feira do mês de maio, quando Harvey Krim, investigador de seguros da Lloyds Seguradora – terceira maior companhia de seguros do mundo-, recebe, de seu chefe chato e irritante, a incumbência de encontrar a jovem Cynthia Brandon, filha do multimilionário E. C. Brandon; ela estava sumida desde a última segunda-feira, quando fora vista saindo do luxuosíssimo apartamento de 22 quartos de seu pai.

O mais estranho de tudo era o fato da companhia de seguros de Harvey ter dois seguros para Cynthia Brandon: um de vida, no valor de 1 milhão de dólares e outro, também de um milhão, no caso de seu sequestro; ambos traziam, como único beneficiário seu pai, Elmer Cantwell Brandon, que os procurara ainda naquela semana, com o intuito de aumentar ainda mais o prêmio do seguro de sequestro para dois milhões!

A missão de Harvey seria encontrar Cynthia a qualquer custo, fazendo com que a empresa economizasse o valor das indenizações dos seguros. Para isso, ele deveria pagar o sequestro, caso ela houvesse sido raptada de verdade; ou arranjar um atestado de óbito, se ela estivesse morta. O investigador de seguros exigiu receber dois cheques: um no valor de quinze mil dólares, para os seus honorários; e outro, de oitenta e cinco mil dólares, que ele restituiria ao final da missão.

Harvey achava que tudo não passava de uma fuga de uma jovem bonita e rica, que estava saturada de levar uma vida vã e fútil, todavia, ao visitar a residência do pai da jovem, ele ficou sabendo que Cynthia sabia que E. C. Brandon a deserdaria totalmente caso ela fugisse novamente de casa, como já havia acontecido antes!

As coisas ficaram ainda mais misteriosas quando o tenente Rothschild, da polícia de Nova Yorque, que pressionava Harvey para obter informações sobre o sumiço de Cynthia, contou a ele que seu detetive Gonzáles havia visto a jovem desaparecida na última terça-feira, andando de mãos dadas com um homem moreno e bonitão em pleno Central Park; González já havia visto aquele rosto antes num álbum da Interpol: tratava-se de Valente Corsica, que se passava pelo Conde Gambion de Fontini, e estava cotado para tornar-se o novo chefe da máfia!!!

Harvey pede auxílio para Lucylle Dempsey, bibliotecária da Divisão Donnel da Biblioteca Pública de Nova York; após conversarem com a madrasta de Cynthia, eles descobrem que a jovem sumida estava em busca de um grande amor; ela conheceu o falso conde, utilizando serviços de uma agência de encontros, que usava o computador para buscar afinidades entre seus membros…

O resto, só lendo muito!

Esta é uma história bem escrita, repleta de surpresas e muitas reviravoltas, que termina com um final surpreendente.

Digno de 3 estrelas!

Espero que vocês realmente tenham gostado.

Um xandylhão de beijos no coração de cada um de vocês!

Alex André (Xandy Xandy)

Anúncios

Almost Blue – Carlo Lucarelli


Resultado de imagem para livro almost blueBoa noite, querida Família Lendo Muito!

Nesta noite, trago-vos a resenha de Almost Blue, livro de autoria de Carlo Lucarelli: autor-ativista italiano que gosta de misturar noir com pop; além disso, o autor também é um grande amante da sétima arte e um colaborador frequente nos filmes do famoso diretor Roman Polanski.

O autor faz uso de uma narrativa sob a perspectiva de três personagens: um deficiente visual, uma policial e o próprio assassino.

O jovem e deficiente visual Simon Martini é um verdadeiro fã de músicas antigas, principalmente “Almost Blue”, de Chet Blue; além disso, este rapaz de 25 anos, que vive na companhia de sua mãe, é um verdadeiro gênio da informática, que passa o tempo todo em seu quarto, ouvindo conversas na frequência da polícia e em salas de bate-papo, através de um scanner e um sintetizador de voz eletrônica.  Na opinião de Simon, cada pessoa tem uma voz com uma cor específica: rosa é uma voz fina  e esganiçada; já violeta corresponde a uma voz baixa e tediosa; vermelha é uma voz grave e volumosa; azul, é o exemplo da beleza, da perfeição, e verde, é uma voz áspera, perigosa, que arde como fogo, como o sol.

Grazia Negro é a única mulher que trabalha na Polícia Científica de Bolonha; por isto mesmo ela era sempre alvo de cantadas e piadas machistas. Ela e seu parceiro Vittorio faziam parte da UACS: Unidade De Análise de Crimes em Série (parecida com o CSI da tevê) e estavam investigando uma série de assassinatos de estudantes universitários ocorridos nos últimos anos. Na opinião de Grazia e de Vittorio, todos aqueles crimes eram obra de um único serial killer.

O problema é que nenhuma testemunha conseguia descrever com exatidão o rosto do assassino; fora isso, o promotor e o delegado não queriam levar a investigação adiante, com medo de serem ridicularizados pela imprensa…

Vittorio é designado para um caso em Roma e Grazia continua sozinha com a investigação; após um novo assassinato foram colhidas as digitais do verdadeiro assassino. Seu nome é Alessio Crossi – jovem problemático, que fora internado pela mãe desde muito cedo num colégio interno. Mais tarde, ele acabou tendo que ser internado no manicômio, por causa de suas neuroses.

Lendo o arquivo de Alessio, Grazia descobre que ele começou a incomodar as outras crianças desde cedo com seus pesadelos recorrentes, onde, segundo ele, um dragão recoberto de escamas pulava toda noite em seu peito e depois devorava o seu rosto. Naquela época, um canal de tevê transmitira o documentário “Galápagos, os Últimos Dragões”, e muitas crianças ficaram impressionadas com aqueles iguanas enormes, por isso, ninguém deu muita atenção para o garoto.

Só tinha um pequeno problema: Alessio estava enterrado há muito tempo, vítima de um acidente elétrico no manicômio! 

Então como as digitais de um morto apareceram na cena do último assassinato?

O resto, só lendo muito!

O enredo era muito bom e o ritmo da narrativa eletrizante; todavia, o final não me convenceu, pois ficou completamente vago e sem sentido!

Por isso, atribuo apenas duas estrelas!

Espero que vocês realmente tenham gostado.

Um xandylhão de beijos no coração de cada um de vocês!

Alex André (Xandy Xandy)

 

Ouvinte da Noite – Armistead Maupin


BResultado de imagem para capa ouvinte da noiteoa noite, querida Família Lendo Muito!

A resenha que escolhemos trazer para vocês desta vez é a do livro Ouvinte da Noite, do autor americano Armistead Maupin.

Gabriel Noone, um escritor homossexual e cinquentão, encontrava-se em uma grave crise de identidade e de criatividade; além disso, ele também passava por terríveis problemas no seu casamento com Jess, seu parceiro de longa data.

Além de autor, Gabriel também comandava um popular programa de rádio noturno, onde ele lia, para seus muitos ouvintes, pequenos trechos de suas histórias.

Um certo dia, este notável escritor e locutor, recebeu pelo correio os originais de um livro escrito por Peter Lomax – um garoto de apenas 13 anos de idade, que sofrera terríveis abusos físicos e sexuais que o deixaram com uma moléstia incurável.

Enquanto lia e ia tomando ciência de toda a atrocidade que o pobre Pete vinha sofrendo há tanto tempo, Gabriel acabou desenvolvendo uma relação de verdadeira paternidade pelo garoto, sem jamais conhecê-lo, pois o mesmo vivia do outro lado do país com Donna Lomax, a psicóloga que o tratara e o adotara.

Conforme o tempo avança, o sentimento de aproximação entre o velho escritor e o pobre garoto estreita-se cada vez mais; entretanto, várias situações inusitadas vão ocorrendo também, fazendo com que Gabriel passe então a desconfiar da real existência de Peter, já que, devido a enorme distância que os separava, eles só se falavam pelo telefone.

Afinal, será mesmo que Peter Lomax existe? Ou tudo não passava de uma grande armação de uma mente doentia, que se ocultava do outro lado da linha telefônica?

Para obter estas respostas, só lendo muito!!!

O livro conta com um enredo bem intrigante e muito instigante, que prende o leitor até a última página.

Digno de 3 estrelas!

Esperamos que tenham gostado.

Um xandylhão de beijos no coração de cada um de vocês!

Alex André (Xandy Xandy)
&
Ana Paula

O GATO QUE FALAVA COM FANTASMAS – Lilian Jackson Braun


Resultado de imagem para capa o gato que falava com fantasmasBoa noite, querida Família Lendo Muito!

Trago-vos, desta vez, a resenha de O Gato que Falava com Fantasmas, de autoria de Lilian Jackson Braun.

Certa noite, Qwill (Jim Qwilleran) – um jornalista cinquentão e muito rico, metido a detetive –  estava na companhia de Yum Yum e de Koko, seus dois gatos siameses, em seu modesto apartamento na cidade de Pickax, Nova Jersey. Ele aproveitava o tempo vago para ouvir uma fita cassete com a gravação de Otelo, de Verdi, que sua “quase namorada” Polly Duncan trouxera diretamente de Londres, quando recebeu um telefonema da Sra. Iris Cobb, dizendo estar com muito medo de ficar em casa, pois estava ouvindo terríveis sons e estalos oriundos das paredes de sua casa; ela acreditava tratarem-se de fantasmas.

Ele logo prontificou-se a ir até a residência da bondosa senhora e ver o que estava acontecendo, pois a mesma, num passado não tão distante, já fora sua senhoria e governanta, e agora vivia solitária em uma casa, ao lado do Museu da Casa da Fazenda, Goodwinter, do qual ela era curadora.

Ao chegar na casa da Sra. Cobb, ele estranhou o fato de todas as luzes estarem apagadas; ele então bateu na porta e chamou pela Sra. Cobb, sem obter qualquer resposta. Qwill entrou com sua chave-reserva e encontrou a pobre mulher caída na cozinha, já sem qualquer traço de vida.

O legista afirmou que Íris Cobb morrera de um ataque cardíaco fulminante, algo que Qwill não podia concordar jamais, pois ele a encontrara com os olhos abertos e uma fisionomia de verdadeiro pavor estampada em seu engelhado rosto.

Qwill e seus dois gatos mudam-se para o museu ao lado da propriedade, para investigar mais a fundo a morte de Íris Cobb. Remexendo em um velho baú, ele acabou encontrando a correspondência da Sra. Cobb e descobriu que ela já estava se queixando dos barulhos e batidas no porão há algum tempo com seu filho, e que seu médico suspendera a maioria dos seus medicamentos, porque ela também reclamara com ele sobre os sons infernais.

Será que a pobre mulher estava apresentando sinais de senilidade? Ou algo de muito mais malévolo e sobrenatural vinha aterrorizando há tempos a doce velhinha… algo relacionado a Ephrain Goodwinter, antigo proprietário do terreno, encontrado enforcado em uma árvore, sob circunstâncias suspeitas?

O resto, só lendo muito!

Para deleite de todos os fãs do gênero policial: a trama é muito bem construída e, conforme a leitura vai avançando, o clima de tensão só vai crescendo; a resposta de todo mistério é revelado apenas nas últimas páginas!

A autora americana Lilian Jackson Braun (1913-2011) escreveu seu primeiro livro “O Gato Que…” em 1960, conquistando logo de cara milhões de fãs. Ela então sumiu por 18 anos – tal qual Agatha Christie -, para retornar com “The cat who saw red” e obter ainda mais fama e reconhecimento. O Gato que Falava com Fantasmas é a décima aventura de Koko e Yum Yum.

Resultado de imagem para lilian jackson braun        Foto(gettyimages) de Lilian Jackson Braun, Koko & Yum Yum

Confesso a vocês que, apesar ter achado bem original dois gatos siameses atuando diretamente como protagonistas de uma história, não consegui digerir tão bem a ideia de um jornalista solteirão, de meia-idade, bancando o detetive nas horas vagas. 

Apenas por este motivo, vou atribuir 3/5 estrelas.

Espero que vocês realmente tenham gostado.

Um xandylhão de beijos no coração de cada um de vocês!

Alex André (Xandy Xandy)

Morte na USP – Ada Pellegrini


Resultado de imagem para capa  livro morte na usp

Bom dia, querida Família Lendo Muito!
Nada como uma resenha para animar o nosso sábado, não é mesmo?

Com este intuito, escolhi Morte na Usp, um suspense de tirar o fôlego, escrito por Ada Pellegrini.

A história começa na madrugada do dia 16 de março de 1971, quando o corpo de uma jovem é encontrado no estacionamento do Jockey Clube de São Paulo; a vítima havia sido estrangulada mecanicamente com uma corda que fora encontrada próxima ao corpo.

Tratava-se de Célia Prado que trabalhava na Faculdade de Direito como servente, servindo água e café para os funcionários. A jovem trocara a cidade natal de Catanduva com o sonho de tornar-se advogada na Pauliceia Desvairada…

Em 15 de abril, Nadir Lebrão, uma excelente advogada que trabalhava como secretária do diretor da USP, é encontrada sem vida no estacionamento privativo da faculdade. Ela também havia sido estrangulada e uma corda estava caída próxima ao seu corpo.

O delegado Genofre Otero fora designado para ambos os casos; ele e sua equipe tentaram encontrar pistas que ligassem as duas mulheres, mas não encontraram absolutamente nada além de as duas serem funcionárias da mesma faculdade.

Enquanto a polícia tentava resolver o terrível enigma, outras duas mortes aconteceram. As vítimas eram o Dr. Kazuo Komatzu, que dava aula na faculdade de Medicina e havia sido encontrado estrangulado próximo ao seu carro e a Dra. Marli Picanço, que dava aula na Faculdade de Artes e fora esfaqueada e asfixiada no próprio campus da FAU. Em ambos os casos, uma corda fina fora encontrada próxima das vítimas.

O assassino novamente fizera questão de deixar sua assinatura!

Tratava-se de um assassino em série agindo na USP? Uma conspiração envolvendo a ditadura militar? Ou algo ainda mais sórdido, com o intuito de confundir as autoridades, elaborado friamente por uma mente vingativa?

Para encontrar todas estas respostas, só lendo muito!

Uma história brilhantemente escrita, recheada de mistérios e reviravoltas até o final, surpreendente, inesperado e reflexivo!

Digno de 5 estrelas

Espero que tenham gostado.

Um beijo grande no coração de cada um de vocês!

Alex André

 

O Caso Laura – André Vianco


Resultado de imagem para o caso lauraBoa noite, querida Família Lendo Muito.

Trago-vos uma resenha especial do livro O Caso Laura, do autor André Vianco.

A história começa com o detetive particular Marcel recebendo uma bolada de dinheiro para investigar um caso um tanto quanto estranho.

O cliente em questão era um senhor idoso e muito misterioso, que usava um  símbolo parecido com um 8 em sua cigarreira prateada e não abria mão do anonimato. Ele contratou os serviços de Marcel com o intuito de descobrir com quem Laura – a mulher mais importante de sua vida, segundo ele-, estava se encontrando todos os dias.

Laura trabalhava como restauradora de obras de arte e encontrava-se muito abalada devido ao estado de saúde de seu pai, que sofrera um derrame e encontrava-se em coma há algum tempo e agora vinha apresentando uma piora no seu quadro. Além disso, ela trazia marcas nos pulsos devido a uma tentativa de suicídio no passado, pois ela fora a causadora direta da morte de seu filho pequeno – algo que custou-lhe o casamento e também uma prisão por três anos.

Marcel descobriu que Laura encontrava-se todos os dias em uma pracinha com Miguel, com quem ela podia conversar e dividir sua dor. Aparentemente este homem misterioso só estava interessado em ajudá-la a seguir em frente com sua vida.

Entretanto, com o passar do tempo, Marcel acabou por apaixonar-se perdidamente por Laura, sendo responsável até por salvá-la de uma nova tentativa de suicídio. Seu amor é correspondido e eles acabam envolvendo-se em uma tórrida relação.

Alan é um outro personagem importante, pois ele era um investigador de polícia que jamais se recuperara da morte de sua esposa, assassinada em uma troca de tiros ocorrida em plena rua. Além disso, ele também estava sendo investigado de perto pela belíssima Gabriela, uma agente que fora enviada pela Corregedoria para descobrir se ele era culpado ou inocente de ter cometido quatro homicídios.

Qual é a identidade verdadeira do homem misterioso que contratou Marcel? E quais são as verdadeiras intenções de Miguel, o “amigo-oculto” de Laura?

Para saber essas e outras respostas, só lendo muito!!!

Uma história de suspense e mistério, com uma pitadinha de sobrenatural na medida certa, e que faz com que o leitor reflita profundamente sobre a espiritualidade. Consegui até traçar um paralelo com o filme Cidade dos Anjos.

Este foi meu primeiro contato com o autor e confesso que gostei muito da escrita dele. Assumo o compromisso de ler e postar resenhas de outras obras publicadas por ele.

Digno de 5 estrelas.

Espero que tenham realmente gostado.

Um beijo no coração de cada um de vocês!

Alex André 

 

Terror na Oktoberfest – Frank De Felitta


Resultado de imagem para terror na oktoberfestBoa tarde, querida Família Lendo Muito!

No dia do autor, resolvemos homenagear um grande autor . Para isso, escolhemos  Terror na Oktoberfest, de Frank De Felitta – autor de verdadeiras obras-primas como: O Demônio de Gólgota, A Entidade e As Duas Vidas de Audrey Rose, todos já resenhados aqui no blog.

A história começa em plena Alemanha, durante os 16 dias do carnaval da cerveja, chamado Oktoberfest, onde brincadeiras e muita alegria agitam a cidade de Munique. Neste clima festivo, três crimes horroríficos ocorrem na cidade, abalando a polícia e a população local.

A polícia não tinha muitas pistas sobre os crimes, sabia-se apenas que todas as vítimas foram massacradas com requintes de crueldade e atacadas com o mesmo instrumento cortante: uma machadinha de açougueiro. Além disso, as três vítimas possuíam grande semelhança com personalidades nazistas da época do holocausto: Goering, Tauber e Himmler!

Com o passar dos dias, o inspetor Bauer passa a investigar melhor os misteriosos crimes, contudo, algo não deixava de intrigá-lo: seria o terrível assassino sanguinário um fanático judeu, caçador de nazistas? Ou era um serial killer desprezível, que usava uma machadinha de açougueiro para abrir suas vítimas?

Além de encontrar o assassino, Bauer tem que lidar com seus próprios fantasmas interiores, que o remetiam ao tempo em que fora um soldado nazista e diariamente acompanhava a chegada e a morte de vários judeus trazidos em trens.

Madeline Kress, uma bela moça israelense, de origem alemã, procurava ajudá-lo através de sua excelente memória fotográfica dos tempos em que fora uma prisioneira em um campo de concentração nazista.

Este casal inusitado conseguirá mesmo desvendar a identidade do assassino da machadinha, evitando que mais alguém seja vitimado durante a Oktoberfest?

O resto, só lendo muito.

Este foi o primeiro trabalho de Frank De Felitta e está mais para um suspense do que propriamente terror. A escrita é magnífica, hipnótica, levando o leitor a não abandonar o livro até o seu final, surpreendente.

Digno de receber 5 estrelas.

Esperamos que tenham gostado.

Um beijo no coração de cada um de vocês!

Alex André & Ana Paula

O Falcão Maltês – Dashiell Hammett


Resultado de imagem para capa livro falcão maltesBoa tarde, querida Família Lendo Muito!

Como verdadeiro presente de amizade, trago-vos hoje a resenha de O Falcão Maltês, de autoria de Dashiell Hammett que, ao lado do grande Raymond Chandler, reinventou o gênero policial, criando o subgênero noir, onde os detetives são mais humanos, muitas vezes envolvidos com mulheres, jogatinas e bebida.

A história começa com a bela senhorita Wonderly visitando São Francisco, mais precisamente o escritório dos detetives particulares Samuel Spade e Miles Archer em busca de ajuda. Segundo ela, Corina, sua irmã mais nova havia fugido com Floyd Thursby que, além de bon vivant, era alguém muito perigoso, que cortara qualquer contato entre as duas irmãs. Por duzentos dólares adiantados eles acabaram aceitando a investigação.

É então que dois crimes muito estranhos acontecem na mesma  noite: Miles Archer acaba sendo assassinado enquanto estava a procura de Floyd Thursby, e pouco tempo depois, o próprio Thursby é alvejado em frente ao seu hotel por um desconhecido.

A polícia volta-se para Spade, pensando que o próprio detetive cometera os dois crimes, já que Spade era um Don Juan incorrigível e mantinha um caso tórrido com Iva, a esposa de seu sócio.

Como se isso já não fosse bastasse, a própria senhorita Wonderly acaba desaparecendo, sem deixar vestígios…

Spade acaba por encontrar Brigit O’Shaugnessy, a falsa senhorita Wonderly,  e Joel Cairo, um sujeito muito estranho, que estava atrás do  “falcão maltês”, uma relíquia de ouro e pedras preciosas de valor inestimável, que os antigos Cavaleiros de Rodes haviam criado para o imperador Carlos V, e que havia caído nas mãos de piratas que, mais tarde o pintaram de preto, para disfarçar seu verdadeiro valor.

Spade percebe que se meteu em uma verdadeira enrascada, pois a polícia estava em seu encalço, a bela Brigit havia mentido sobre quase tudo para ele, levando seu sócio à morte, e o estranho Joel Cairo ofereceu-lhe cinco mil dólares para que ele entregasse uma estatueta que ele nem fazia ideia de como era ou onde estava.

Nosso detetive astuto e mulherengo, não estava interessado em outra coisa que não fosse salvar a própria pele e ganhar algum dinheiro no final de tudo, é claro. Nem que para isso ele tivesse que passar por cima de todos os que cruzassem seu caminho, incluindo as mulheres que se achavam apaixonadas por ele…

Para não estragar as surpresas reservadas pelo autor, vou parando por aqui.

O resto, só lendo muito!

Confesso a vocês que pensei em abandonar a leitura desta verdadeira obra-prima, pois até a metade do livro, o ritmo da história pode ser considerado um tanto quanto lento. Do meio em diante a trama dá uma guinada de 360º e tudo começa a pegar fogo, levando o leitor a não querer desgrudar por nada deste mundo das páginas seguintes, até chegar ao seu final, totalmente inesperado e para lá de inusitado também.

Existe um filme de 1941, que recebeu o título de Relíquia Macabra, aqui no Brasil, com Humphrey Boggart no papel de Samuel Spader. O filme segue à risca a história original de Dashiell Hammett.

Digno de 5 estrelas.

Espero que todos tenham gostado.

Um beijo no coração de cada um de vocês!

Alex André

Dois Olhos Dentro da Noite – Alice Boutrox


Resultado de imagem para Dois Olhos Dentro da NoiteBoa noite, querida Família Lendo Muito!

Escolhemos mais uma resenha para aquecer a noite de vocês. Trata-se de Dois Olhos Dentro da Noite, de autoria de Alice Boutrox.

O livro narra a história de Helena e Daniel Ardent, dois irmãos que, juntamente com seu cãozinho Candi, foram passar férias em Araignat, um lugarejo isolado, situado a alguns quilômetros de Puy, França. O convite partiu da Sra. Chabert, amiga de sua mãe; eles iriam hospedar-se na velha mansão que ela havia herdado de sua tia, a Sra. Fortier.

Chegando lá, os irmãos começam a explorar o lugar e, como em toda velha casa, descobrem-se envoltos em um grande mistério.

Como se já não bastasse a atmosfera funesta da casa, eles acabam encontrando pessoas muito sinistras de verdade, como a governanta Rosa Bernard, sua filha Gina, o professor Saghal e sua esposa Milly.

Um rapaz chamado Régis Pavel torna-se amigo de Daniel; ele também está muito interessado na movimentação estranha da casa, algo que serve para despertar a atenção de Helena.

Com o passar dos dias, coisas muito estranhas começam a acontecer na casa: portas se fecham sozinhas, luzes se acendem e apagam e, para aumentar ainda mais o mistério, um par de olhos verdes brilhantes aparece sempre no espelho de um escuro corredor.

Afinal, qual será o grande enigma da velha mansão da Sra. Chabert?

O resto, só lendo muito!

Para os fãs de terror, este livro chega a decepcionar, pois está mais para uma história policial. Contudo, a história é muito bem construída, com um final bem coerente, mas não tão surpreendente.

Merece 3/5 estrelas.

Esperamos que tenham gostado.

Um beijo no coração de todos!

Alex André & Ana Paula

 

Mentiras Perigosas – Tamara Arianne


mentiras perigosas

Muito boa noite, querida Família Lendo Muito!

Trago-vos a resenha de um livro do gênero policial, muito bem escrito pela Tamara Arianne (Tammy), uma brilhante escritora, que eu tive a sorte de conhecer por intermédio do sebo virtual dela.

Para quem quiser conhecer o acervo do sebo, visite a página dela no https://www.facebook.com/sebovirtual2017?fref=ufi

A história começa quando a jornalista freelancer Julia muda-se para o apartamento de sua avó que fora vítima de homicídio e, durante a arrumação, acaba encontrando um velho caderno com um manuscrito escrito pela sua querida antepassada.

Aline, sua bela irmã,  com uma carreira promissora como modelo, deu-lhe a ideia de usar o manuscrito como base para um livro, pois Julia desde muito jovem aspirava ser escritora.

No início, a ideia de “plágio” assusta Julia, porém, depois de muito refletir sobre o assunto, ela acaba aceitando. Enquanto fazia a leitura, ela acha estranho que sua avó não tenha dado nome às personagens; ao invés disso, ela optou por usar apenas letras.

No apartamento de cima morava James, vizinho de idade bem avançada e muito bondoso, que afirmava ter  conhecido muito bem a avó delas; ele inclusive achou Aline muito parecida com a finada.

Ele demonstrou um grande interesse em ficar com uma enorme estátua de Azazel, anjo guardião da porta do paraíso, mas Julia deixou bem claro que não tinha qualquer interesse em desfazer-se dela.

Ela perguntou-lhe a respeito do avô que elas jamais conheceram, mas ele desconversou, dizendo que jamais o vira.

O manuscrito falava sobre um ricaço muito famoso, que frequentava a alta sociedade porém, na verdade ele era um chefe do crime organizado impiedoso, que matara a mulher e fora traído pelo seu braço direito. Ela resolveu chamá-lo de Tomaso Ferrazo, pois sua avó se referia a ele como T.F.

Em nome da Editora Primus, Patricia Wells, marca uma reunião com Julia para discutir pequenos ajustes em seu livro; durante a reunião, ela acaba conhecendo Darius, um famoso escritor de livros policiais, que a interpela sobre a fonte de seu livro. Julia resolve mentir e acaba dizendo ao rapaz  presunçoso que tudo havia saído de sua fértil imaginação.

Na noite de autógrafos, um homem idoso e muito magro pediu-lhe que autografasse seu livro. Ele dizia chamar-se Antonio e, antes de despedir-se, disse a ela que o final do livro poderia ser diferente.

Darius também apareceu por lá, parabenizando-a pelo ótimo trabalho de pesquisa sobre Toni Félix, o verdadeiro T.F. ao qual se referia sua avó no manuscrito e que ela resolvera chamar de Tomaso Ferraro. Um pouco assustada, já que Julia jamais ouvira falar daquele nome antes, ela pede para conversar com Darius ao término do evento.

Quem também esteve presente foi o belo Alex Rian, ex-medalhista olímpico de natação, que agora era dono de uma rede de lojas de material esportivo, e estava próximo de ser lançado como político. Quando ele quis marcar um encontro para mais tarde, ela nem pensou duas vezes, já que era apaixonada por ele desde a adolescência.

Antes, ela foi ao encontro de Darius e ficou sabendo que ele também pensara em escrever sobre Toni Felix, já que o mesmo havia sido um famoso ricaço, que comandava o crime organizado nos anos 50/60. O mesmo era um homem implacável, que matava seus inimigos de forma sádica, chegando a matar a própria esposa. Porém, no final, foi traído por um dos seus capangas, que fugiu com sua amante, levando todo a sua fortuna. A única parte diferente na história era o detalhe do livro de contabilidade que Julia incluíra no livro.

Darius dizia ter muito interesse na história, pois seu avô fora um dos informantes de Toni Felix, que jamais fora encontrado; sua avó havia sido uma prostituta que acabou sendo morta por um dos seus clientes, deixando seu pai e sua tia Theresa órfãos. Eles foram adotados posteriormente por um policial que investigara o caso na época. Seu pai tornou-se tão obcecado pelo caso, que acabou formando-se em direito apenas para ter a chance de investigar melhor o caso, sem jamais obter qualquer pista sobre o desaparecimento do avô de Darius.

Depois de contar-lhe toda essa história, Darius pediu a Julia que ficasse alerta, pois ao escrever aquele livro, ela acabara de mexer com pessoas muito poderosas e perigosas, que não rasgavam para nada. Ela deveria desconfiar de tudo e de todos, inclusive dele.

A partir daquele momento, a vida de Julia vira de cabeça para baixo e, de um modo bem terrificante, ela passará a entender que uma mentira, por menor que seja, pode trazer-nos consequências atrozes e até fatais…

Não vou contar mais, pois posso estragar as inúmeras surpresas que a autora reservou para vocês.

O resto, só lendo muito!

Uma história alucinante, repleta de suspense e muitas reviravoltas, culminando com um final totalmente imprevisível. A autora teve a brilhante ideia de criar capítulos bem curtos, que ajudam a acelerar ainda mais o ritmo da leitura.  Se em seu livro de estreia ela já conseguiu surpreender-me tão positivamente, fico imaginando que surpresas ela está preparando para seus próximos livros.

Todavia, como nem tudo são flores, tenho que destacar negativamente  o enorme número de erros que eu encontrei (mais de cem, para ser exato); erros estes advindos de uma péssima revisão.

Nota 4/5

Espero que tenham gostado.

Um beijo no coração de cada um de vocês!

Alex André