A irmandade perdida-Anne Fortier


Tendo uma filóloga especializada em mitologia grega como protagonista, A irmandade perdida, embora se passe (ao menos inicialmente) na Inglaterra, nos remete aos mitos das amazonas e nos faz pensar que essas mulheres guerreiras e independentes talvez não estejam tão distantes da realidade, nem tampouco dos dias atuais.

A protagonista, Diana Morgan, teve uma infância bem diferente das demais meninas. Isso não se deve apenas ao fato de seu pai ter sido um diretor de escola, ou de sua melhor amiga (Rebecca) ser filha do pastor, ou mesmo dela ter sido vizinha dos nobres Moselane, mas sim a sua avó: tida como louca, ela alegava firmemente ser uma amazona até o dia em que sumiu da face da terra.

Hoje, Diana é professora em Oxford, e todos os acadêmicos riem de sua obsessão pelo que consideram “um mito ultrapassado e sem qualquer valor histórico “. Até mesmo seus amigos na faculdade, sua patrocinadora, Katherine Kant, e James Moselane (por quem ela nutre uma leve paixonite desde criança), apesar de não rirem descaradamente de sua cara como os outros costumam fazer, afirmam que aquilo poderia prejudicar sua carreira.

Humilhada pelos colegas de trabalho, com uma vida amorosa desastrosa e uma saudade imensa de sua vó, o futuro não parecia reservar muito a Diana. Até que um homem desconhecido intitulado Sr. Ludwing lhe oferece um trabalho em Amsterdã. Ela deveria traduzir uma inscrição encontrada em escavações arqueológicas recentes no local, e ele jura que isso está relacionado ás amazonas.

Contrariando a tudo e a todos (inclusive a razão), ela aceita o desafio. Mas acaba descobrindo que seu trabalho na verdade é na Argélia, onde conhecerá Nick. E de repente os modos finos e elegantes de James já não soam tão atraentes se comparados ao ar de mistério e perigo que rodeia Nick.

No entanto, sua aventura não acaba na Argélia, e Diana não descansará enquanto não descobrir a história real sobre as amazonas e, principalmente, sobre sua vó.

Com personagens cativantes e um enredo bem escrito, indico este livro para qualquer um interessado em mitologia grega, caso goste de conhecer novas versões dos mitos.Porém, preciso dizer que a leitura é um pouco lenta, não é exatamente viciante, fazendo com que eu demorasse para terminar a obra. Por causa disso, minha nota para o livro é 8,5.

By Ana Beatriz.

Escolhida-P.C. Cast e Kristin Cast


No terceiro volume da série House of Night, mais uma vez mãe e filha se juntam para escrever um infanto-juvenil que mescla vampiros, mitologia grega e Wicca, sem deixar de fora, é claro, uma boa dose de romance. Por se tratar do terceiro livro, pode ser que tenha spolilers dos dois primeiros títulos da saga nesse post.

No começo do livro, é véspera de Natal e também aniversário da protagonista, Zoey Redbird, graças a isso, uma boa parte dos alunos e a grande maioria dos professores não está na escola, incluindo Neferet (a professora que até então era como uma mãe para ela, mas que recentemente descobriu-se tratar-se de uma espécie de vilã) e Loren (um Poeta Vamp Laureado pelo qual ela tem uma espécie de crush que é bem mais que um simples crush).

Além disso, seu outro namorado que ela carimbou sem querer, Heath, está de férias viajando com os pais em uma praia distante, logo, ela também não preisa se preocupar com ele.

Com apenas um dos seus namorados e todos os seus amigos na escola no dia de seu aniversário, Zoey deveria se sentir feliz e tranquila. Mas não é isso que acontece. Muito mais do que ter que se preocupar com presentes potencialmente ruins, ela não consegue parar de pensar sobre Stevie Rae.

Ela ainda não havia superado por completo a morte da amiga, mas, bem pior do que isso, ela ainda não sabia o que fazer quanto ao fato dela ser uma morta-via e não ter simplesmente morrido. Pois, ao contrário do que acontece com os demais mortos-vivos que Zoey tinha visto, ela acredita que a antiga Stevie Rae ainda esteja lá de alguma forma, e pretende salvá-la a qualquer custo.

Mas, acima disso tudo, uma das piores coisas sobre esse problema é que ela não podia contar nada daquilo para qualquer um dos seus amigos ou mesmo seu namorado (nenhum dos três), já que Neferet, que é a culpada por sua melhor amiga se encontrar naquele estado, é capaz de ler a mente de praticamente qualquer um, com exceção de Zoey e Afrodite. Justamente por causa disso, as duas se unem com objetivo de solucionar o problema de Stevie Rae, mesmo que por motivos completamente diferentes.

Como se tudo isso(mais sua conturbada vida amorosa) não fossem problema suficiente para uma garota adolescente que acabara de completar 16 anos, humanos começam a atacar vampiros com crimes brutais, e tudo indica que a culpa é do Povo da Fé e que o mais provável é que o padrasto de Zoey esteja por trás de tudo isto, enquanto sua mãe acoberta tudo.

Neste livro, Zoey terá que lutar contra o tempo para fazer com que Stevie Rae volte a ser o que era antes sem que Neferet desconfie de nada, lidar com sua complicada vida amorosa (neste volume Loren ganha mais importância e o rumo que sua vida amorosa toma no final é bem inesperado), conviver com a morte de seus professores (sabendo que seu padastro pode ser o culpado) e perceber que quando se trai a confiança nem a amizade nem o amor são tão inabaláveis quanto parecem. Apesar de preferir os dois primeiros volumes(especialmente o segundo), por tudo que disse até aqui, para mim, esse livro merece 8,5.

By Ana Beatriz

 

Pegasus e as origens do Olimpo-Kate O´Hearn


 Pegasus e as origens do Olimpo é o quarto e, ao menos até agora, último volume da saga Olimpo em Guerra. Nele uma questão que nos perturba desde o início da saga, e, principalmente, após certas revelações do terceiro livro, é respondida: quais são as verdadeiras origens de Emily, e o que ela é, afinal?

Além disso, também descobrimos que os deuses, assim como nós, também tem seus mitos, e, ao contrário do que todos imaginavam, neste livro é comprovado que eles são tão reais quanto os olímpicos.

O fato é que uma arma, escondida desde os tempos das guerras entre deuses e Titãs, foi descoberta, prejudicando, dessa forma, diversos olímpicos, chegando a causar até mesmo a morte de alguns.

O plano inicial é mandar Emily e Joel para a Grécia, onde foi encontrada a arma, com o intuito de destruí-la.Lá eles fazem dois novos amigos: Stella (uma adolescente cadeirante, que sonha em ser engenheira e é filha dos arqueólogos que encontraram a antiga arma enterrada) e Mike (um cachorro abandonado nas ruas de Atenas).

No entanto, como sempre, as coisas saem do previsto, graças á UCP, que teima em atrapalhar os planos de todos eles. Sendo assim, o grupo elabora um plano B:eles precisam voltar no tempo e destruir a arma logo após sua criação, para isso eles voltariam logo após a guerra original entre olímpicos e Titãs.

A ideia era simplesmente destruir a arma e voltar ao presente, porém, graças a intromissão de um agente da UCP, denominado Agente B, que depois se tornará aliado, eles acabam chegando durante a guerra, e Pegasus diz que o destino de Emily era ajudar os deuses a vencerem a batalha.

Dessa forma, os amigos Emil, Joel, Paelen, Pegasus, Stella, Mike e Agente B terão que lutar ao lado da versão mais jovens dos deuses por eles já conhecidos, para vencer os Titãs e, ainda assim, destruir uma arma incrivelmente nociva e perigosa.

Talvez por ser o último da saga, é o livro mais dramático de Olimpo em Guerra, contendo, inclusive, algumas mortes. É também o mais romântico, e nele ficamos sabendo a quem pertence o coração de Paelen.

Exatamente por este motivos, para mim é o melhor da série, apesar de alguns ter algunserros e deslizes, ganhando, por isso, o meu 9.

by Ana Beatriz

Pegasus e os novos olímpicos-Kate O´Hearn


Pegasus e os novos olímpicos e o título do terceiro livro da saga Olimpo em Guerra( a qual contêm quatro volumes).Dessa vez, o Cupido não participa, mas, além dos protagonistas(Emily, Paelen, Joel e Pegasus), nossos heróis também contam com a colaboração de Alexis, a Esfinge.

Tudo corria bem no Olimpo até que eles veem uma notícia no jornal sobre um cavalo de corrida que venceu uma competição incrivelmente difícil.Aparentemente não é nada demais, porém, eles notam uma coisa:o cavalo da foto no jornal é idêntico a Pegasus, exceto pela cor(ele é cinza) e pela ausência de asas(no entanto, ele possui estranhas cicatrizes no local que elas deveriam estar).Além disso, a velocidade com a qual ele correu é simplesmente impossível para um mero cavalo mortal.

Achando tudo isso muito estranho, as personagens encontram uma única explicação para o ocorrido:a UCP pegaram sangue dos Olímpicos quando os aprisionaram e agora os clonava com o objetivo de utilizá-los como arma para dominar o mundar.Mais do que apenas olímpicos, eles fizeram o mesmo com Nirads.

Isso é apenas uma suposição, logo, os garotos decidem partir para Terra com o intuito de confirmar se sua teoria é verdadeira ou não.O problema:Caso os agentes da UCP tenham realmente feito isso, Júpiter não poderá ficar sabendo de nada, caso contrário, destruirá o planeta de Emily simplesmente por vingança.

Além de contar com cenas de ação e aventura, já que eles precisam lutar pela sobrevivência nessa difícil missão,  o livro também contêm um pouco de romance, pois é nele que ficamos sabendo a quem pertence o coração da protagonista, e também ocorre seu primeiro beijo.

Um perfeito equilíbrio entre ação, fantasia e romance, para mim, o livro merece 9.

By Ana Beatriz

 

Pegasus e a batalha pelo Olimpo-Kate O´Hearn


No segundo volume da série Olimpo em Guerra, que é a continuação de Pegasus e o fogo do Olimpo, além de rever nossos velhos amigos Emily, Pegasus, Paelen e Joel, também temos mais um herói:Cupido.

Nessa versão o famoso deus do amor não é um bebê alado, mas sim um belo e sedutor adolescente por quem Emily nutre uma espécie de  “paixonite”, embora este continue tendo asas e ainda seja filho de Vênus, além de ter o poder de fazer qualquer um se apaixonar por ele.

Apesar do clima entre os dois, a garota também parece interessada no olímpico Paelen e no mortal Joel, e o livro acaba sem que saibamos quem é realmente o dono de seu coração.

Mas não é só de romance que é feita  a história, o enredo também tem bastante ação, cenas de luta e poderes sobrenaturais, como toda boa obra de fantasia.

Atenção:a partir de agora podem haver spoilers do primeiro livro da saga.

Emily e seus amigos estão no Olimpo, e tudo parece bem, mas a garota está preocupada. Seu pai está nas garras da UCP, e ela sabe muito bem o que aqueles agentes são capazes de fazer com alguém para extrair informações.No entanto, Júpiter não parece disposto a ajudar com um resgate.

Sendo assim, ela, Paelen, Joel, Pegasus e Cupido partem em uma missão escondida de todos os demais deuses para salvar o pobre homem.

No entanto, as coisas não correm como o esperado e eles precisam lutar com Nirads, agentes da UCP e até mesmo górgonas.Como se tudo isso já não bastasse, a protagonista precisará aprender a controlar seus poderes, cada vez maiores, mas cada vez mais perigosos.

Um bom infanto-juvenil de mitologia romana, o livro tem a dose certa de ação, romance e comédia para o gênero e para mim merece 9.

By Ana Beatriz

 

A espada do verão – Rick Riordan


“A espada do verão” é o primeiro volume de “Magnus Chase e as crônicas de Asgard”, a nova saga de Rick Riordan que, ao que tudo indica, será uma trilogia.
O livro foi lançado no começo de outubro e trata de mitologia nórdica.O protagonista, Magnus Chase, é um morador de rua que, aos 16 anos, descobre ser filho de um deus viking.
Magnus nem sempre foi morador de rua, apesar de jamais ter conhecido o pai, até dois anos atrás ele vivia uma vida feliz e estável com sua mãe, num aconchegante apartamento em Boston.
No entanto, sua mãe morreu num incêndio muito suspeito, já que, o garoto afirma ter visto olhos azuis de lobos, quando ninguém viu qualquer lobo.
Ele poderia ter ido morar com o tio rico, porém, sua mãe sempre lhe dissera que Randolph era perigoso, logo, não poderia se aproximar dele.
Sendo assim, o menino passa a viver de pequenos furtos e de comida jogada no lixo, além de contar com a ajuda de dois mendigos:Hearth e Blitzen, que são também seus amigos.
Certo dia, ele descobre que tem pessoas procurando por ele, entre elas seu temido tio, Randolph.
Imaginando que não estivesse em casa, Magnus invade a casa do tio para tentar descobrir o motivo dessa busca tão atrasada.
É então que o tio aparece e lhe explica sobre mitologia nórdica e a linhagem da família, explicando que o garoto deveria encontrar uma espada que pertencia ao pai dele, uma divindade importante adorada pelos vikings.
A partir de então, o garoto entra numa missão perigosa, se envolvendo em inúmeras batalhas e situações mortais, sempre contando com a ajuda dos amigos, é claro.
Eu indico esse livro para qualquer um que seja fã de fantasia, mesmo os que desconhecem essa mitologia (eu mesma não conhecia quase nada) e não leram nenhuma obra anterior do autor.
Apesar de não conter nenhum spoiler, e de você conseguir entender a história com total tranquilidade sem ler “Percy Jackson e os Olimpianos” ou “Os Heróis do Olimpo”, a leitura deste livro será ainda melhor para os semideuses, contando com pequenas piadas e citações que os verdadeiros fãs vão entender, mas que não interferem em não no enredo principal.
É possível ver uma grande evolução na narrativa do Rick Riordan, um pouco mais adulta, talvez pela idade do personagem principal também ser maior, mas sem ser um YA.Seus livros ainda são infanto-juvenis.
Eu amei esse livro, que me fez me interessar muito mais pelos mitos vikings, e a nota que dou é 9,7(porque 9,5 é muito pouco e 10 é só pra PJO mesmo).

By Ana Beatriz

Pegasus e o fogo do Olimpo – Kate O’Hearn


Pegasus e o fogo do Olimpo é o primeiro livro da saga Olimpo em Guerra, e tem como protagonista Emily, uma menina normal de 13 anos…até que um cavalo alado, Pegasus, cai no seu terraço.
Junto com ele veio também Paelen, um Olímpico renegado que vive aprontando e tinha o intuito de roubar as rédeas de ouro do Pegasus.
Como se isso tudo já não fosse estranho o suficiente, novos monstros, até então desconhecidos, pretendem destruir o Olimpo.
Eles se chamam Nirads, são cinzentos, tem quatro braços e são resistentes a aço, mais perigosos do que qualquer outro monstro jamais visto.
Com a ajuda de Pegasus e um amigo da escola chamado Joel, Emily embarca numa missão para reacender o fogo do Olimpo, o problema é que a Chama está escondida na Terra.
Além disso, ela também precisa resgatar Paelen, já que uma agência secreta o capturou, pensando que fosse um alienígena.
O infanto-juvenil é muito bom, e a criação dos Nirads demonstra uma criatividade incrível por parte da autora.Até agora só li o primeiro, mas já comprei quatro volumes da saga.Para mim, o início desta saga merece 9.

By Ana Beatriz

O livro de ouro da mitologia histórias de deuses e heróis – Thomas Bulfinch


Neste livro, o famoso historiador Thomas Bulfinch faz uma coletânea com os mais diversos mitos.
Aqui nós temos mitologia egípcia, nórdica, japonesa, indiana, hebraica (em especial judaísmo)…mas a que mais se destaca é também, por sorte, a minha preferida:a famosa mitologia greco-romana.
Ao contrário do que se pode pensar, a obra não reúne apenas as mais famosas histórias, já que me deparei com vários mitos que desconhecia, inclusive um que hoje está entre os meus preferidos:o mito de Clíntia.
Perfeito para os interessados em mitologia, tanto para os que já gostam há tempos quanto para novos curiosos sobre a área, especialmente mitologia greco-romana, para mim esse livro merece 9.

By Ana Beatriz