Harry Potter e o prisioneiro de Azkaban-J.K.Rowling


O terceiro volume da saga Harry Potter narra, evidentemente, o terceiro ano do jovem bruxo em Hogwarts. Como de costume, a história se inicia nos mostrando o fim das (sempre terríveis) férias de Harry, e suas expectativas para a volta ás aulas.

Nesse livro em especial, o garoto acaba, por acidente, utilizando magia na casa dos tios, o que é obviamente proibido, e, temendo a reação dos Dursley e, principalmente, do Ministério da Magia, resolve fugir de casa.

O plano não funciona, de forma que ele é rapidamente encontrado por um Ministro, mas, contrariando o esperado, Cornélio Fudge parece aliviado, e não raivoso, ao vê-lo. Sendo assim, ele não sofre qualquer punição e é arranjado uma estadia para ele até que as férias terminem de fato.

Isso tudo é explicado quando ficamos sabendo da fuga de Sirius Black, um perigoso prisioneiro de Azkaban que teria sido supostamente um seguidor de Lorde Voldemort e indiretamente responsável pela morte dos pais de Harry.

Graças á isso, a segurança em torno do menino é altamente reforçada, pois supõe-se que Sirius viria atrás dele pelo garoto ter sido a causa da ruína de seu antigo mestre e, consequentemente, da sua própria.

Além disso, nós acompanhamos na obra também a rotina de estudos da escola de magia, que agora contêm uma nova disciplina: Adivinhação. E logo no primeiro dia de aula, a professora faz uma previsão um tanto sombria em relação ao futuro de Harry: ao que tudo indica, ele morreria ainda naquele ano. Sibila é famosa por sua falta de precisão nas previsões feitas por ela…porém quando se trata do inimigo de Voldemort, nunca se sabe!

Neste novo ano letivo temos também novos professores, para lecionar Defesa Contra a Arte das Trevas temos a introdução de um novo personagem. Apesar de ser um pouco desleixado, o Prof.Lupin é carismático e divertido, e, sem sombra de dúvida, o melhor professor que os alunos já tiveram nessa matéria, além de parecer adorar Harry. Os únicos que parecem antipatizar com ele são, Malfoy, seus amigos Crabble e Goyle , e o Prof.Snape, o qual sempre quis esse cargo e vive lhe preparando poções para ajudá-lo a curar seu constante mal estar…

O já conhecido (e adorado) guarda-caças, Hagrid, foi outro escolhido para ser professor, ensinando Trato das Criaturas Mágicas, uma profissão aparentemente perfeita para alguém conhecido por sua paixão por estranhos animais perigosos, mas ele terá que lidar com a implicância de Malfoy e seus amigos, que farão de tudo para dificultar seu trabalho.

No entanto, não é apenas de estudo que vivem os alunos de Hogwarts! Harry continua um astro do quadribol, e o capitão do time, Olívio, está mais obcecado do que nunca pelo objetivo de ganhar uma Taça para a Grifnória, por conta desse ser seu último ano na escola. Porém, fica difícil vencer as partidas se nosso protagonista desmaia toda vez que vê um dementador entrar no campo.

Os dementadores, por sua vez, são os guardas da prisão dos bruxos, Azkaban. Seres sinistros que se alimentam da felicidade e esperança humanas fazendo as pessoas á sua volta caírem em depressão e desespero, eles foram colocados em Hogwarts a contragosto do Prof.Dumbledore para proteger o local contra um possível ataque de Black.

Enquanto isso, a pobre Hermione parece cada vez mais afastada dos amigos inseparáveis Rony e Harry. Isso porque, como se já não bastasse ela ter assumido um horário de estudos absurdamente cansativo, ela comprou um gato, chamado Bichento, que tem a mania de perseguir o já frágil e doente rato de Rony, o Perebas.

Agora com 13 anos, vemos as primeiras demonstrações do surgimento dos hormônios adolescentes em Harry, embora de uma forma sutil, o que preenche a obra de humor e ficamos sabendo mais sobre os pais do garoto e como estes eram em vida, além da falta que eles lhe fazem, nos dando assim pequenas doses de drama.

Ainda estou lendo o quarto volume da saga, mas o terceiro foi, sem dúvida alguma, o melhor até agora, não só pelo incrivelmente envolvente mistério acerca de Sirius Black ou pelo drama que gira ao redor do passado familiar de Harry, mas principalmente porque, na minha opinião, este é o livro em que nos sentimos mis familiarizados, habituados e inteirados do fantástico mundo de J.K. Rowling, quase como se pudéssemos aprender a voar em vassouras a qualquer momento. Completamente viciante, Harry Potter e o prisioneiro de Azkaban merece meu 10.

By Ana Beatriz

Dama da Meia-Noite – Cassandra Clare


Dama da Meia-Noite se passa 5 anos após os eventos descritos em Os Instrumentos Mortais e é indicando tanto para os fãs do universo shadowhunter quanto para aqueles que desconhecem a obra de Cassandra Clare, os quais, embora talvez não aproveitem tanto os easter eggs, não vão se perder no enredo principal.

Quem leu Cidade do Fogo Celestial já está familiarizado com , entre outras coisas, os integrantes da família Blackthorn(Julian, Ty, Mark, Livvy, Helen, Tavvy e Dru) e com a protagonista Emma Carstairs.

Esta, por sua vez, desde os 12 anos treina incansavelmente, alcançando a fama de melhor Caçadora de Sombras de sua geração desde Jace Herondale, com o intuito de vingar a morte de seus pais. Apesar destas terem sua autoria atribuída a Sebastian Morgenstern, por terem ocorrido na mesma época da Guerra Maligna (liderada por ele), Emma e seus amigos nunca acreditaram nesta teoria e ela ainda procura saber quem são os verdadeiros culpados.

Agora com 17 anos, parece surgir uma oportunidade real para ela cumprir com seus objetivos, já que, desrespeitando a Paz Fria (que diz que Caçadores de Sombras não podem se envolver em assuntos do Reino das Fadas), um grupo de fadas vai até o Instituto de Los Angeles, onde moram Emma e a família Blackthorn, oferecendo uma pista para que eles investigassem uma série de assassinatos possivelmente relacionados á morte de seus pais. Muitas das vítimas eram fadas, e estas querem ajuda dos Nephilins para desvendar o mistério e punir o criminoso. Em troca eles oferecem uma recompensa um tanto inusitada:Mark Blackthorn.

O mais velho dos Blackthorn foi sequestrado durante a Guerra Maligna pela Caçada Selvagem, um grupo de fadas que não respeita nenhuma das duas Cortes (Seelie e Unseelie) e passa por todo lugar onde há guerra, tragédia e morte. Isso ocorreu pelo fato de que, apesar de ser Caçador de Sombras, Mark também é meio fada, como pode ser visto por suas orelhas pontudas.

Desesperados para recuperar o irmão ou sedentos por vingança, todos tem um motivo para querer participar da investigação, portanto eles logo aceitam o desafio. No entanto, o mistério precisa ser revelado em, no máximo, duas semanas. Além disso, mesmo que eles consigam fazê-lo, não é certo que eles tenham Mark de volta, pois tudo que a Caçada oferece é a chance de escolha a ele. Escolher a família parece a decisão óbvia, mas talvez não seja tão simples assim depois de 5 anos se acostumando coma magia e o horror do Reino das Fadas. Sem contar que talvez ele não fosse tão solitário assim em meio á Caçada…

Como se tudo isso já não fosse suficiente, desenvolve-se um romance entre Emma e Julian. Melhores amigos de infância não é algo tão inesperado assim, e desde que seja correspondido não há problema algum. Certo? Errado, pois, além de amigos, eles também são parabatai, ou seja, ligados por um laço mágico e eterno que os faz sentir o que o outro sente (literalmente, não é apenas empatia). O problema é que, segundo a Lei, parabatais são proibidos de se apaixonarem. No início pode parecer apenas uma péssima regra, estúpida e sem sentido, mas, com o desenrolar da história, você descobre que talvez não seja uma regra tão infundada assim…

Emma é corajosa, guerreira, tem espírito aventureiro e não tem medo de se arriscar. Um pouco sarcástica e debochada, ela é é muito bonita e já ficou com outros garotos apesar de jamais ter sentido nada sério por eles.

Em comparação, Julian é sensível e gentil, muito responsável, ele tem Emma e seus irmãos como maior preocupação, além de ser um artista, pois ama pintar. Julian é basicamente o chefe da família, cuidando de todos, lidando com os problemas do Instituto, cozinhado e colocando Octavian, ou Tavvy ( o mais novo, de apenas 7 anos) para dormir, entre outras coisas, ele é mais um pai do que um irmão. Ele também tenta fingir ser perfeito para seus irmãos, com a intenção de fazer com que eles não sintam a falta do verdadeiro pai ( que morreu), e por isso vive cercado de mentiras.

Ty e Livvy são gêmeos inseparáveis de 15 anos, eles são muito inteligentes, e, aparentemente, os únicos que são bons em computação. Ty é incrivelmente inteligente e estudioso e ama ler, principalmente suspense, sendo fã de Sherlock Holmes. Apesar disso, ele é diferente dos outros, sendo incrivelmente metódico, não suportando barulho muito alto e vivendo de fones de ouvido, ele não gosta muito de contato humano e sempre que fica nervoso começa a mexer as mãos incontrolavelmente. Por causa disso, Livvy se preocupa  muito com o irmão, sendo incrivelmente protetora em relação á ele. A única coisa na qual os dois discordam é quando Livvy alega querer ser parabatai dele.

Drusilla, mais conhecida como Dru, é uma menina de 13 anos aficcionada por histórias de terror. Ela tem o corpo precocemente desenvolvido para sua idade, tendo seios mais fartos e sendo mais rechonchuda do que o normal. Graças á isso e ao fato de não ser nem a mais velha nem a mais nova e não participar da forte ligação dos gêmeos, ela se sente bastante deslocada e desconfortável consigo mesma.

Helen seria a segunda mais velha dos Blackthorn, e a única a ter a mesma mãe que Mark, compartilhando por isso o sangue de fada.Como estas haviam lutado na Guerra Maligna ao lado de Sebastian, a Clave decide, por precaução, exilá-la nas Ilhas Wrangel. Sendo assim, ela é apenas citada, sem realmente aparecer na história.

Mark é um dos meus personagens preferidos neste livro (ao lado de Ty), e , por se lembrar de todos os seus irmãos como crianças, ele não os reconhece no início. No começo, ele fica afastado deles, sem entender o que está acontecendo, além de se parecer (em suas falas e ações) muito mais com uma fada do que com um Nephilim. Com o passar do tempo, ele volta a se apegar á família, mas ainda sente falta da aventura da Caçada Selvagem e de uma certa pessoa que deixou para trás. Para balancear o aspecto amoroso, ele passa a se interessar por Cristina. Confuso, ele não sabe a que lugar pertence.

Cristina Rosales é uma Caçadora de Sombras de 18 anos que veio do Instituto da Cidade do México sob o pretexto de estudar a cultura dos Nephilins de Los Angeles, mas a verdade é que ela foge dos traumas de um coração partido. No entanto, o trauma parece perseguí-la quando a garota se depara com seu maior amor, Diego, apelidado de Diego Perfeito por, evidentemente, parecer perfeito em tudo, em meio á cidade de Los Angeles.

O último dos Blackthorn, Octavian, ou Tavvy, é um menino fofo e inocente de apenas 7 anos que, como qualquer outra criança de sua idade, só pensa em brincar, sem se inteirar das investigações, o que pode passar a ideia de que ele não seja um personagem muito importante, mas ele se trona uma peça fundamental da narrativa após algum tempo.

Um Blackthorn do qual todos parecem se esquecer, Arthur é o tio das crianças e, teoricamente, líder do Instituto. Porém, ele sofre com graves problemas de saúde, mantendo-se confinado no sótão, absorto em suas pesquisar pela Roma e Grécia Antigas. Temos também Diana Wrayburn, que, ciente das condições de Arthur, poderia tomar o posto de liderança no Instituto, mas não o faz por motivos misteriosos, trabalhando apenas como tutora das crianças.

Malcom Fade é o Alto Feiticeiro de Los Angeles, sendo procurado por Emma, Julian e seus amigos para auxiliar nas investigações. Malcom passa a imagem de um homem atrapalhado, romântico e talvez até um pouco bobo, mas…será que ele é isso mesmo? Além disso, ele também é amigo de Magnus, Catarina, Ragnor e Tessa, ou seja, todos os feiticeiros conhecidos dos livros anteriores da autora.

Johnny Rook e seu filho, Kit Rook, são mundanos com a Visão, ou seja, pessoas comuns que, apesar de não fazerem parte do Submundo, conseguem enxergar o que outros mundanos não podem, vendo demônios e seres sobrenaturais. Johnny trabalha no Mercado das Sombras vendendo informações, e os dois são surpreendentemente importantes para a história.

Por fim, gostaria de terminar essa resenha (que provavelmente ficou enorme kk) dizendo que os fãs vão adorar as menções á livros anteriores e a aparição de alguns de nossos personagens preferidos (Tessa, Clary, Jace, Jem, entre outros), mas que também indico a obra para qualquer um que se interesse por fantasia, romance, drama e uma pitada de comédia. Minha melhor leitura desse ano e talvez um dos meus preferidos da Cassandra Clare (que é uma das minhas autoras favoritas), minha nota para Dama da Meia-Noite é 10.

By Ana Beatriz

 

Shadowhunters


Produzida pela Freeform (antiga ABC Family)  e baseada na obra de Cassandra Clare (mais especificamente na saga Os Instrumentos Mortais), Shadowhunters conta a história de Clary Fray, uma garota que vivia uma vida normal cuja maior preocupação era conseguir entrar na faculdade para cursar artes, até seu aniversário de 18 anos.

Para comemorar seu aniversário, ela decide sair com seus amigos Simon e Maureen, e tudo corre bem até que algo estranho acontece:um garoto todo vestido de preto e coberto por estranhas tatuagens esbarra nela a caminho da boate Pandemonium, no entanto, ela parece ser a única capaz de enxergá-lo.

Com o intuito de provar sua sanidade mental, Clary o segue e, ao entrar na boate, se depara com uma cena um tanto inusitada: ela presencia um assassinato, cujos criminosos são, além de seu misterioso garoto invisível, um menino moreno e sua irmã. A princípio ela fica evidentemente chocada, porém ao tentar defender a suposta vítima, ela descobre que este na verdade se trata de um demônio e ajuda a matá-lo.

A partir desse momento, sua vida vira de cabeça para baixo, pois ela acaba descobrindo ser o que eles chamam de Shadowhunters, ou Caçadores de Sombras, também conhecidos como Nephilins, que são pessoas com sangue de anjo cuja função é matar demônios e controlar seres do Submundo (fadas, lobisomens, feiticeiros e vampiros) rebeldes que desobedeçam as leis estipuladas pela Clave. Tudo isso sem que os mundanos (seres humanos comuns) saibam de nada.

A Clave é o governo dos Caçadores de Sombras, que, em teoria, teria função de proteger não só estes, mas também os Submundanos que vivessem de acordo com as regras. Porém, você logo percebe que a Clave e suas leis talvez não sejam tão boas, justas e imparciais quanto podem parecer.

Em meio a tudo isso, Jocelyn ( mãe de Clary) é levada por Valentine, um maníaco controlador que representa um risco não só aos Shadowhunters mas também, e principalmente, ao Submundo, por considerar fadas, vampiros, lobisomens  e feiticeiros impuros e, por isso, indignos de viver.

A série é repleta de cenas de ação e muita aventura, sem contar os elementos sobrenaturais para os fãs de fantasia, mas aqueles que gostam de romance também não devem se preocupar.

No campo amoroso da já confusa vida de Clary temos Simon, seu amigo de infância que nutre um amor platônico por ela. No entanto, a ruiva logo se vê interessada por Jace ( o misterioso garoto invisível) que a apresenta ao Mundo das Sombras. A situação parece resolvida, mas talvez sua relação com o loiro não seja assim tão simples quanto pode-se pensar…

Falando no Simon, além de seus óbvios sentimentos pela melhor amiga, ele tem Maureen como pretendente e demonstra uma certa paixonite por Isabelle. Esta, por sua vez, pode parecer insignificante, mas ( sem querer dar spoiler) quem leu os livros sabe que isso pode vir a se tornar muito mais do que uma simples paixonite…

Por último, mas não menos importante, temos Alec. Meus personagem favorito, ele parece nutrir uma paixão platônica por seu melhor amigo/irmão/parabatai Jace. Esses sentimentos não demoram a ser superados quando ele conhece um charmoso e vaidoso feiticeiro chamado Magnus Bane. Mas, nem tudo são flores, afinal ele é o mais velho dos irmãos Lightwood, tendo por isso a responsabilidade de zelar pelo nome de uma família tão tradicional no mundo dos Nephilim, compensando a irresponsabilidade e falta de preocupação de sua irmã mais nova, Isabelle (a qual estava num atual caso com um garoto fada, Meliorn). Graças a isso, determinado a esconder sua homossexualidade e seu interesse por um ser do Submundo, Alec assume compromisso com a respeitada Caçadora Lydia Branwell.

A série conta com apenas 13 episódios, com a segunda temporada tendo seu lançamento previsto para o ano que vem, a qual terá 20 episódios. Embora confesse não ter gostado muito da atuação da Katherine McNamara como Clary Fray ou de Dominic Sherwood como Jace no começo, eu acho que eles melhoraram bastante com o decorrer da série. Não tenho críticas para os demais atores, que trabalharam muito bem, na minha opinião, com destaque especial para Mathhew Daddario e Emeurade Toubia (os irmãos Lightwood estavam ótimos).

Quanto aos efeitos especiais, estes de fato não são os melhores possíveis, já que a Freeform é uma rede de poucos recursos, além deles terem investido pouco por causa do fracasso da última tentativa de adaptar a saga (o filme Cidade dos Ossos). Tendo em vista o sucesso da primeira temporada, eu realmente tenho esperanças de que melhorem na segunda.

Para aqueles que já conhecem a história por serem fãs dos livros, creio que eu não precise afirmar o óbvio dizendo que os livros são melhores. Claro que o seriado não é 100% fiel aos livros, mas vale a pena ser visto e eu achei bem melhor do que o filme.

Mas, a série não é apenas para os leitores, portanto a indico para qualquer um que goste de fantasia, ação e romance. Estou bastante ansiosa pela continuação (que já estou lamentando a demora), e, para quem não sabe, a série pode ser vista na Netflix. Graças a tudo o que eu disse até agora e a trilha sonora simplesmente incrível do programa, minha nota para essa série é 9,5.

By Ana Beatriz

 

 

 

O beijo das sombras (Academia de Vampiros)-Richelle Mead


O primeiro volume da saga que virou filme, O beijo das sombras, inicia a famosa Academia de Vampiros nos surpreendendo, já que, contrariando por completo o esperado, a protagonista, Rose, não é uma vampira, mas sim a melhor amiga de uma, uma dampira.

Nesse novo universo criado por Richelle Mead os famosos sugadores de sangue se dividem em dois: os Moroi e os Strigoi. Os Moroi seriam os vampiros “do bem”, eles jamais matam ninguém, tomando apenas a quantidade necessária de sangue, são mortais e conseguem fazer magia com os quatro elementos, embora nunca a usem para o mal. São eles que estudam na Academia São Vladimir.

Os Strigoi, por outro lado, representariam os vampiros “do mal”. Descritos como “o pior estereótipo de vampiros”, Moroi se tornam Strigoi ao matarem outro Moroi, e assim alcançam a imortalidade, além de força e agilidade sobrenaturais. No entanto, eles são ainda mais pálidos, tem os olhos avermelhados e são incapazes de pisarem em solo sagrado ou praticarem magia. Precisando de uma quantidade cada vez maior de sangue para manter a imortalidade, representam um constante perigo aos Moroi.

A parte disso, se encontram os dampiros: junção de humanos com vampiros Moroi, eles são mais ágeis e mais fortes que humanos comuns, além de ter sentidos mais apurados, embora comam alimentos humanos ao invés de sangue. Eles não conseguem se reproduzir entre si, apenas com os Moroi ( com os quais costumam ter casos passageiros, especialmente as mulheres). Graças a isso e ás sua naturais habilidades de guerra, eles treinam desde pequenos na Academia São Vladimir para protegerem os Moroi dos Strigoi ou qualquer outra ameaça que porventura venha a aparecer.

No meio disso tudo se encontram Lissa e Rose. A primeira, logo após ter perdido os pais e o irmão mais velho num trágico acidente de carro, se tornou a herdeira de uma das mais poderosas famílias da realeza Moroi.

Rose, por outro lado, tem como mãe uma das mais famosas e corajosas dampiras conhecidas, e, por isso, foi praticamente criada pela escola. Por isso, é melhor amiga de Lissa desde a infância e sonha em ser tornar a dampira guardiã dela quando se formar, tendo com ela um laço surpreendentemente forte.

Esse laço chega, inclusive, a se tronar psíquico, já que Rose é capaz de entrar na mente de Lissa e sentir e ver tudo como ela. Este, no entanto, é apenas o começo dos poderes nada comuns (até mesmo para um Moroi) de Lissa. É então que elas acabam se dando conta do perigo em potencial que esses diferentes poderes representam, e decidem fugir da escola por conta disso.

Tudo vai bem, mas inevitavelmente os guardiões da escola as encontram, obrigando-nas a voltar. Entre eles está Dimitri, o belo e experiente treinador de Rose, vindo direto da Rússia. Por mais frio e distante que ele pareça, ela vai acabar descobrindo que aquele guardião exemplar tem um coração afinal.

Mas não é só de romances que é feita a volta á escola. Lá elas terão que lidar como fofocas, inveja e inúmeras regras por conta de sua fuga. E, ainda mais importante, elas começarão a entender que nem tudo é o que parece e que talvez haja muito mais a ser descoberto sobre os poderes de Lissa e o passado de Rose do que elas mesmas desconfiam…

Repleto de sobrenatural, com ótimas cenas de ação, leves momentos românticos e uma certa pitada de humor (em especial ao retratar a vida escolar), as personagens são adoráveis, com uma protagonista impulsiva, extrovertida e alegre, e uma personagem secundária incrivelmente emotiva e sensível. Indicado para qualquer um que goste de um bom livro de fantasia adolescente sobre vampiros…minha nota é 9.

By Ana Beatriz

Kuroshitsuji


Também conhecido como Black Butler, Kuroshitsuji é um anime que, apesar de ser considerado shounen (logo, voltado para o público masculino), faz um enorme sucesso com as meninas ( possivelmente pelos personagens masculinos, principalmente o Sebastian, mas isso é só uma possibilidade).

Nele temos como protagonista Ciel Phantomhive, um garoto de 13 anos que perdeu seus pais num incêndio criminoso quando era mais novo e que agora administra a empresa Phantomhive (especializada em brinquedos infantis, embora também trabalhe em outros ramos), além de ter ganhado o título de Cão de Guarda da Rainha, passado de geração a geração na família Phantomhive. Ou seja, ele é obrigado a investigar crimes sobrenaturais do submundo da Londres do século XIX.

No entanto, apesar destes casos promoverem boas cenas de ação e bastante suspense, eles não são de fato o foco do anime. O foco principal é que, logo após seus pais morrerem, Ciel fez um pacto com um demônio chamado Sebastian Michaelis, o qual se tornaria seu mordomo, cuidaria dele até o dia de sua morte, o protegeria de qualquer perigo e o ajudaria a completar sua desejada vingança pela morte dos pais. Em troca, quando Ciel morresse, Sebastian tomaria sua alma.

Graças aos seus poderes sobrenaturais, Sebastian é o mordomo perfeito, é incrivelmente bonito e consegue proteger seu mestre com relativa facilidade (especialmente se seus inimigos forem meros humanos, sem qualquer poder sobrenatural).

Porém, ao contrário do que pode parecer, demônios não são os únicos seres sobrenaturais da obra, que também inclui shinigamis, anjos, cachorros demoníacos e pessoas com força extraordinária, entre outras coisas.

E, além de Ciel e Sebastian, também temos como personagens Lizzy, Mey-Rin, Finni, Bardroy e Tanaka (entre outros). Lizzy é uma garota de 13 anos que, vinda de uma família rica, é a noiva de Ciel. Incrivelmente fofa e alegre, ela é o oposto de seu noivo amargo, sofrido e sempre sério, mas tudo que ela quer é vê-lo sorrir, e ele também sempre está muito preocupado com seu bem-estar. Os demais personagens citados são os empregados da mansão, os quais podem não ser apenas simples empregados como se pensa no início do anime. Eles são muito atrapalhados e nos propiciam boas risadas.

No início, o anime pode parecer um pouco bobo, apesar de legal, focado mais na comédia. Mas, apesar de sempre ter momentos cômicos no decorrer do anime, o fator sobrenatural, as cenas de ação e o peso dramático ganham mais força, fazendo com que você já esteja viciado na metade da primeira temporada.

Por falar nisso, o anime possui 3 temporadas. A primeira contêm 25 episódios e 1 OVA, a segunda tem 12 episódios e 5 OVAs , e a terceira tem 10 episódios e 2 OVAs (bem grandes, quase um filme se juntar os dois). Além disso, o mangá ( publicado no Brasil pela Panini Comics) conta com 21 volumes, e apesar de serem um pouco mais raros, não é impossível encontrar os primeiros volumes. Também tem 1 filme sobre o anime (intitulado O Mordomo de Preto, pode ser facilmente encontrado na Netflix) que utiliza atores ao invés do desenho de fato e não é de todo ruim, embora nem um pouco fiel.

Reunindo comédia, drama, sobrenatural, suspense e ação, eu tive vontade de chorar nos finais de todas as temporadas, mas especialmente na última. Não só por ter um final triste (como todas as outras, por sinal), mas também porque estava me despedindo do anime que é completamente viciante, afinal, você se apega aos personagens de uma forma incomparável, realmente. Por tudo isso que eu disse até agora, creio que Kuroshitsuji esteja entre um dos melhores animes que vi até hoje, e merece meu 10.

Marca da escuridão-Sylvia Day


O primeiro volume da série Marked, intitulado Marca da Escuridão, nos conta a história de Eva, uma design de interiores de 28 anos que vê sua vida normal sair dos eixos ao reencontrar um amor do passado. Mas sua conflituosa vida amorosa não é nem de longe o mais estranho nesse momento.

Quando tinha 18 anos, Eva conheceu Alec Caim. Seu primeiro amor. O homem com quem perdeu a virgindade. O homem que desapareceu de sua vida no dia seguinte. Ah, e também o homem do qual ela sente falta há 10 anos.

Dez anos depois, ele reaparece explicando que seu segundo nome não é apenas uma simples homenagem ao personagem bíblico. Ele é o próprio Caim, aquele que matou seu irmão. E agora ela carrega sua marca.

Uma bênção e uma maldição ao mesmo tempo, a Marca de Caim faz com que ela passe por diversas transformações, para virar de fato uma Marcada. Entre estas transformações estão maior força e agilidade, visão noturna, e…um desejo sexual fora do normal. Tudo isso porque a função de um Marcado é nada mais nada menos do que matar Demoníacos, ou seja, fadas, lobisomens, magos…e outras coisas do gênero.

Todo Marcado que se encontre no estágio inicial possui um mentor e um encarregado, além de precisar passar por um treinamento intenso antes de realmente ir á luta. Mas Eva não é exatamente uma Marcada tradicional, então acaba indo ao campo de batalha antes de começar de fato seu treinamento.

Seu mentor? Caim, o Marcado mais antigo e poderoso de todos os tempos que, além disso, também foi seu primeiro amor. Seu encarregado? Abel, arqui-inimigo de Caim, com quem ela também já teve um relacionamento sexual, o que definitivamente não diminuiu a rixa entre os irmãos. O responsável por seu treinamento? Raguel, chefe de Caim e Abel, ele é um homem que parece ambicioso e falso demais para ser um anjo.

Sendo minha primeira leitura da famosa autora Sylvia Day, eu tinha altas expectativas para esse livro. Apesar de ser bom, fiquei um pouco frustrada. Para quem está atrás de cenas de sexo, elas acontecem, mas não são tão comuns assim, nem tão boas (nesse quesito, e somente nesse quesito, prefiro E.L.James). Já no que diz respeito a parte sobrenatural, a obra apresenta uma nova versão dos mitos, o que acho bem interessante, mas não é indicado para aqueles que procuram fidelidade aos mitos originais. A autora também não parece estar muito familiarizada com o gênero, deixando algumas explicações meio confusas (talvez propositalmente, para explicar melhor nos próximos volumes, talvez não, não dá pra saber). Além disso, da mesma forma que ocorre na já citada obra de E.L.James, Marca da escuridão também possui algumas falhas de continuidade.

Mesmo assim, a protagonista é cativante, assim como os demais personagens, o triângulo amoroso é instigante e a trama nos deixa curiosos. Por isso pretendo continuar a saga (o próximo volume será Marca da destruição) e minha nota para o livro é 8,5.

By Ana Beatriz

 

 

 

Escolhida-P.C. Cast e Kristin Cast


No terceiro volume da série House of Night, mais uma vez mãe e filha se juntam para escrever um infanto-juvenil que mescla vampiros, mitologia grega e Wicca, sem deixar de fora, é claro, uma boa dose de romance. Por se tratar do terceiro livro, pode ser que tenha spolilers dos dois primeiros títulos da saga nesse post.

No começo do livro, é véspera de Natal e também aniversário da protagonista, Zoey Redbird, graças a isso, uma boa parte dos alunos e a grande maioria dos professores não está na escola, incluindo Neferet (a professora que até então era como uma mãe para ela, mas que recentemente descobriu-se tratar-se de uma espécie de vilã) e Loren (um Poeta Vamp Laureado pelo qual ela tem uma espécie de crush que é bem mais que um simples crush).

Além disso, seu outro namorado que ela carimbou sem querer, Heath, está de férias viajando com os pais em uma praia distante, logo, ela também não preisa se preocupar com ele.

Com apenas um dos seus namorados e todos os seus amigos na escola no dia de seu aniversário, Zoey deveria se sentir feliz e tranquila. Mas não é isso que acontece. Muito mais do que ter que se preocupar com presentes potencialmente ruins, ela não consegue parar de pensar sobre Stevie Rae.

Ela ainda não havia superado por completo a morte da amiga, mas, bem pior do que isso, ela ainda não sabia o que fazer quanto ao fato dela ser uma morta-via e não ter simplesmente morrido. Pois, ao contrário do que acontece com os demais mortos-vivos que Zoey tinha visto, ela acredita que a antiga Stevie Rae ainda esteja lá de alguma forma, e pretende salvá-la a qualquer custo.

Mas, acima disso tudo, uma das piores coisas sobre esse problema é que ela não podia contar nada daquilo para qualquer um dos seus amigos ou mesmo seu namorado (nenhum dos três), já que Neferet, que é a culpada por sua melhor amiga se encontrar naquele estado, é capaz de ler a mente de praticamente qualquer um, com exceção de Zoey e Afrodite. Justamente por causa disso, as duas se unem com objetivo de solucionar o problema de Stevie Rae, mesmo que por motivos completamente diferentes.

Como se tudo isso(mais sua conturbada vida amorosa) não fossem problema suficiente para uma garota adolescente que acabara de completar 16 anos, humanos começam a atacar vampiros com crimes brutais, e tudo indica que a culpa é do Povo da Fé e que o mais provável é que o padrasto de Zoey esteja por trás de tudo isto, enquanto sua mãe acoberta tudo.

Neste livro, Zoey terá que lutar contra o tempo para fazer com que Stevie Rae volte a ser o que era antes sem que Neferet desconfie de nada, lidar com sua complicada vida amorosa (neste volume Loren ganha mais importância e o rumo que sua vida amorosa toma no final é bem inesperado), conviver com a morte de seus professores (sabendo que seu padastro pode ser o culpado) e perceber que quando se trai a confiança nem a amizade nem o amor são tão inabaláveis quanto parecem. Apesar de preferir os dois primeiros volumes(especialmente o segundo), por tudo que disse até aqui, para mim, esse livro merece 8,5.

By Ana Beatriz

 

Pegasus e as origens do Olimpo-Kate O´Hearn


 Pegasus e as origens do Olimpo é o quarto e, ao menos até agora, último volume da saga Olimpo em Guerra. Nele uma questão que nos perturba desde o início da saga, e, principalmente, após certas revelações do terceiro livro, é respondida: quais são as verdadeiras origens de Emily, e o que ela é, afinal?

Além disso, também descobrimos que os deuses, assim como nós, também tem seus mitos, e, ao contrário do que todos imaginavam, neste livro é comprovado que eles são tão reais quanto os olímpicos.

O fato é que uma arma, escondida desde os tempos das guerras entre deuses e Titãs, foi descoberta, prejudicando, dessa forma, diversos olímpicos, chegando a causar até mesmo a morte de alguns.

O plano inicial é mandar Emily e Joel para a Grécia, onde foi encontrada a arma, com o intuito de destruí-la.Lá eles fazem dois novos amigos: Stella (uma adolescente cadeirante, que sonha em ser engenheira e é filha dos arqueólogos que encontraram a antiga arma enterrada) e Mike (um cachorro abandonado nas ruas de Atenas).

No entanto, como sempre, as coisas saem do previsto, graças á UCP, que teima em atrapalhar os planos de todos eles. Sendo assim, o grupo elabora um plano B:eles precisam voltar no tempo e destruir a arma logo após sua criação, para isso eles voltariam logo após a guerra original entre olímpicos e Titãs.

A ideia era simplesmente destruir a arma e voltar ao presente, porém, graças a intromissão de um agente da UCP, denominado Agente B, que depois se tornará aliado, eles acabam chegando durante a guerra, e Pegasus diz que o destino de Emily era ajudar os deuses a vencerem a batalha.

Dessa forma, os amigos Emil, Joel, Paelen, Pegasus, Stella, Mike e Agente B terão que lutar ao lado da versão mais jovens dos deuses por eles já conhecidos, para vencer os Titãs e, ainda assim, destruir uma arma incrivelmente nociva e perigosa.

Talvez por ser o último da saga, é o livro mais dramático de Olimpo em Guerra, contendo, inclusive, algumas mortes. É também o mais romântico, e nele ficamos sabendo a quem pertence o coração de Paelen.

Exatamente por este motivos, para mim é o melhor da série, apesar de alguns ter algunserros e deslizes, ganhando, por isso, o meu 9.

by Ana Beatriz

Pegasus e os novos olímpicos-Kate O´Hearn


Pegasus e os novos olímpicos e o título do terceiro livro da saga Olimpo em Guerra( a qual contêm quatro volumes).Dessa vez, o Cupido não participa, mas, além dos protagonistas(Emily, Paelen, Joel e Pegasus), nossos heróis também contam com a colaboração de Alexis, a Esfinge.

Tudo corria bem no Olimpo até que eles veem uma notícia no jornal sobre um cavalo de corrida que venceu uma competição incrivelmente difícil.Aparentemente não é nada demais, porém, eles notam uma coisa:o cavalo da foto no jornal é idêntico a Pegasus, exceto pela cor(ele é cinza) e pela ausência de asas(no entanto, ele possui estranhas cicatrizes no local que elas deveriam estar).Além disso, a velocidade com a qual ele correu é simplesmente impossível para um mero cavalo mortal.

Achando tudo isso muito estranho, as personagens encontram uma única explicação para o ocorrido:a UCP pegaram sangue dos Olímpicos quando os aprisionaram e agora os clonava com o objetivo de utilizá-los como arma para dominar o mundar.Mais do que apenas olímpicos, eles fizeram o mesmo com Nirads.

Isso é apenas uma suposição, logo, os garotos decidem partir para Terra com o intuito de confirmar se sua teoria é verdadeira ou não.O problema:Caso os agentes da UCP tenham realmente feito isso, Júpiter não poderá ficar sabendo de nada, caso contrário, destruirá o planeta de Emily simplesmente por vingança.

Além de contar com cenas de ação e aventura, já que eles precisam lutar pela sobrevivência nessa difícil missão,  o livro também contêm um pouco de romance, pois é nele que ficamos sabendo a quem pertence o coração da protagonista, e também ocorre seu primeiro beijo.

Um perfeito equilíbrio entre ação, fantasia e romance, para mim, o livro merece 9.

By Ana Beatriz

 

Pegasus e a batalha pelo Olimpo-Kate O´Hearn


No segundo volume da série Olimpo em Guerra, que é a continuação de Pegasus e o fogo do Olimpo, além de rever nossos velhos amigos Emily, Pegasus, Paelen e Joel, também temos mais um herói:Cupido.

Nessa versão o famoso deus do amor não é um bebê alado, mas sim um belo e sedutor adolescente por quem Emily nutre uma espécie de  “paixonite”, embora este continue tendo asas e ainda seja filho de Vênus, além de ter o poder de fazer qualquer um se apaixonar por ele.

Apesar do clima entre os dois, a garota também parece interessada no olímpico Paelen e no mortal Joel, e o livro acaba sem que saibamos quem é realmente o dono de seu coração.

Mas não é só de romance que é feita  a história, o enredo também tem bastante ação, cenas de luta e poderes sobrenaturais, como toda boa obra de fantasia.

Atenção:a partir de agora podem haver spoilers do primeiro livro da saga.

Emily e seus amigos estão no Olimpo, e tudo parece bem, mas a garota está preocupada. Seu pai está nas garras da UCP, e ela sabe muito bem o que aqueles agentes são capazes de fazer com alguém para extrair informações.No entanto, Júpiter não parece disposto a ajudar com um resgate.

Sendo assim, ela, Paelen, Joel, Pegasus e Cupido partem em uma missão escondida de todos os demais deuses para salvar o pobre homem.

No entanto, as coisas não correm como o esperado e eles precisam lutar com Nirads, agentes da UCP e até mesmo górgonas.Como se tudo isso já não bastasse, a protagonista precisará aprender a controlar seus poderes, cada vez maiores, mas cada vez mais perigosos.

Um bom infanto-juvenil de mitologia romana, o livro tem a dose certa de ação, romance e comédia para o gênero e para mim merece 9.

By Ana Beatriz