Tribulações de um Chinês na China – Júlio Verne


Resultado de imagem para capa tribulações de um chines na chinaQuerida Família Lendo Muito, é com grande prazer que trazemos a vocês mais uma resenha do grande Júlio Verne que, além de ter sido um dos pais da ficção-científica, foi também um grande visionário, já que muitas das invenções que vemos hoje já eram descritas por ele há tempos em seus livros, como o engenhoso submarino Nautilus, do livro Vinte Mil Léguas Submarinas, e o carro-anfíbio voador, de O Senhor do Mundo.

Mas Tribulações de um Chinês na China vai totalmente na contramão de suas outras obras, visto que não há qualquer descrição de engenhosos inventos.

Tudo começa com um banquete onde encontram-se sentados à mesa, no salão de uma das casas flutuantes do Rio das Pérolas, na cidade de Cantão, o sábio filósofo Wang, o rico Kin-Fo, e seus quatro amigos de infância: Pao-Shen, Yin-Pang, Tim e Houal. Kin-Fo, já cansado de uma vida fastigiosa e sem graça de riquezas, resolveu promover aquele banquete como uma espécie de despedida de solteiro, já que em breve ele iria casar-se com a jovem e bela viúva Lé-Ou.

Porém, ao voltar para sua residência em Xangai, juntamente com o filósofo e fiel amigo Wang, Kin-Fo recebeu uma carta vinda da América do Norte, mais precisamente do Banco Central da Califórnia, aonde seu correspondente de São Francisco informava-lhe que ele estava simplesmente falido…

De posse dessa informação, Kin-Fo tomou a decisão de dirigir-se à companhia de seguros de vida A Centenária – casa de muito prestígio na China, dirigida pelo ilustríssimo Sr. Guilherme J. Bidulph -, com o intuito de segurar sua vida pela vultosa importância de duzentos mil dólares, que seria dividida entre dois beneficiários: cinquenta mil dólares para seu amigo Wang e os outros cento e cinquenta mil dólares restantes iriam para sua noiva, a Sra. Lé-Ou.

Diante da sua iminente  falência, Kin-Fo tinha o plano de cometer suicídio, portanto, ele começara a preparar o enredo e trâmites de sua morte, estipulando como data limite de seu falecimento o dia 25 de junho, mesmo dia em que completaria 31 anos.

Como não tinha coragem para consumar o fato, ele resolveu incumbir Wang da cruel tarefa, com a condição do amigo matá-lo sem que ele soubesse como, onde e quando, somente respeitando o prazo estipulado.  Para que tudo ficasse ainda mais completo, Kin-fo resolveu redigir também uma carta suicida, onde afirmava que havia dado cabo da sua vida por causa do tédio e do cansaço, isentando Wang de quaisquer implicações futuras.

Tomando ciência de todo o plano de Kin-Fo, Guilherme J. Bidulph, proprietário da seguradora de vida A Centenária, incumbe seus agentes Craig e Fry para cuidar e vigiar o “suicida em potencial” para que nada lhe acontecesse até a data da expiração do contrato do seguro.

Para piorar a sua situação, Kin-Fo fica sabendo que seu amigo Wang desapareceu, sem deixar qualquer vestígio. Ele também recebe a notícia que na realidade não estava e nunca esteve falido; tudo havia sido um grande equívoco do Banco Central da Califórnia.

Kin-Fo, Craig e Fry, mais seu leal serviçal Soun, partem desesperadamente em busca de Wang para avisá-lo da mudança de planos, já que Kin-Fo não desejava mais ser morto. Todavia, será mesmo que eles conseguirão encontrá-lo antes que ele mate Kin-Fo?

O resto, só lendo muito.

Uma história emocionante, acompanhada de um suspense eletrizante, de tirar mesmo o fôlego, digno do grande Júlio Verne.

Mereceria até mais do que 5 estrelas.

Esperamos que tenham gostado de verdade.

Um beijo no coração de cada um de vocês.

Alex André & Ana Paula

 

 

 

 

Anúncios

Contos da Academia dos Caçadores de Sombras-Cassandra Clare, Sarah Rees Brennan, Maureen Johnson e Robin Wasserman


Após um longo inverno (ou verão, nesse caso), eu estou de volta (mesmo que não por muito tempo)! Mais uma vez, peço mil desculpas e mais um pouco, de verdade, mas, infelizmente, não posso dizer que vou postar com mais frequência a partir de agora. Na verdade, sinto ao dizer que provavelmente só vai piorar daqui pra frente. Estou apenas no começo do ano em que vou prestar vestibular e bem… Olha o resultado! Kk

Mas… Eu não vim aqui para me lamentar sobre a quantidade de matéria que tenho que estudar! Sem mais delongas, vamos falar sobre o mais novo livro de uma das minhas escritoras preferidas: Contos da Academia de Caçadores de Sombras, que, apesar de contar com a participação de outros autores (Sarah Rees Brennan, Maureen Johnson, Robin Wasserman), se passa no universo fantástico criado por Cassandra Clare, o mesmo de Os Instrumentos Mortais, As Peças InfernaisOs Artifícios das Trevas (tanto que seus personagens aparecem frequentemente nessa obra). Por conta disso, o livro, e, consequentemente, essa resenha, podem conter alguns spoilers, sobretudo de Os Instrumentos Mortais.

Inicialmente tendo sua publicação na forma online, onde os contos foram expostos separadamente, o conjunto de contos hoje disponível também na forma física narra a trajetória de Simon na recentemente reaberta Academia de Caçadores de Sombras, que tem, como o nome sugere, a função de formar Caçadores de Sombras, sejam eles possuidores do sangue Nephilim que apenas necessitam de treinamento intenso para se tornarem profissionais, ou mundanos que, mais do que treinar, precisam passar pelo ritual do Cálice para tornarem-se Caçadores de Sombras.

Em pouco tempo, houveram duas grandes guerras no mundo Nephilim, o que levou a perda de diversos Caçadores, gerando a necessidade da formação de novos. E foi essa necessidade que os fez abandonar o hábito de treinarem dentro dos Institutos, reabrindo a academia para aqueles que tem sangue de anjo e recrutando os que não tem, mas desejam tornar o mundo um lugar melhor por meio do combate dos demônios, mas, nem mesmo com essa evidente dependência dos mundanos interessados em entrar para o mundo sobrenatural, os Caçadores parecem perder seus velhos preconceitos,mantendo as crianças mundanas no porão e privilegiando aqueles que vieram de famílias angelicais com quartos, aulas e até mesmo comida de melhor qualidade (mesmo que isso não signifique muito, visto que a alimentação lá é de qualidade notavelmente inferior). Isso para não falar na discriminação que integrantes de Submundo ainda sofrem.

Como se a discriminação por ser mundano, a comida horrível e o treinamento físico exaustivo (ainda mais para alguém que, diferente dos colegas mundanos escolhidos, não é nada atlético) não fossem o suficiente, isso para não falar na crise de consciência por Simon ser vegetariano e contra a violência, o garoto ainda tem que lidar com a pressão (exercida de modo consciente ou não) para que ele se lembre de quem era e volte a ser o herói que fora antes de ter suas memórias apagadas por um demônio.

Mesmo sendo o mais fraco dos mundanos (que, por natureza,são considerados mais fracos pelos filhos de Raziel), ele ainda é escalado para missões mais importantes e recebe até mesmo a oportunidade de ficar com a “elite” (nome dado aos Caçadores de berço, mas, sem conseguir suportar os comentários preconceituosos de seus amigos em relação aos seres do Submundo e os outros mundanos, Simon decide se unir à “escória” (nascidos mundanos), mudando-se para o porão, lutando para que a os mundanos como um todo sejam aceitos pelos outros e sentindo-se culpado por ser privilegiado e idolatrado por feitos que sequer se lembra de ter executado.

Mas a amnésia demoníaca não traz apenas privilégios e, mais do que pela igualdade entre todos na academia ou o fim da descriminação, o rapaz terá que lutar também para retomar suas memórias e, com elas, seus laços com Jace, Alec, e, sobretudo, sua amizade até então inabalável com Clary e seu amor profundo por Isabelle, uma garota tão linda e corajosa que ele sequer consegue imaginar como conseguiu conquistá-la antes de perder suas lembranças. Mas sabe que vai ter que aprender a fazê-lo novamente.

Embora eu não indique o livro para aqueles que desconhecem a obra da Cassandra Clare, pois poderão ficar meio perdidos, ele é perfeito para os fãs que já leram as três sagas da autora, já que desperta um sentimento de amor e nostalgia bem parecido com o que temos ao rever velhos amigos, ao nos mostrar os personagens que conhecemos tão bem mais uma vez, agora mais velhos e com as vidas mais estáveis. Além disso, a autora aproveita também para explorar melhor eventos que até então tinham sido apenas citados, como o relacionamento de Rober com seu parabatai, Michel, por exemplo, e para nos dar uma prévia de sua próxima saga ainda não lançada: As Últimas Horas. É sabido que a Cassandra Clare, Cassie para os fãs, se dá melhor com longas narrativas do que com contos, mas, por tudo que disse até aqui (principalmente pela sensação deliciosa de rever personagens que amo tanto, agora numa vida mais feliz e tranquila), dou um 8.

By Ana Beatriz

Blue Exorcist#3-Kazue Kato


No terceiro volume de Blue Exorcist, todos os alunos agora são escudeiros, incluindo os dois que não fizeram absolutamente nada em seus testes, o que desperta em Rin um desejo ainda maior de participar de missões, mas…será que ele realmente tem capacidade suficiente pra isso? Será que ele já tem total controle sobre suas chamas e tem a maturidade exigida para tal feito? E o que dizer de sua péssima postura/péssimas notas na sala de aula? Esses são alguns dos temas abordados pela obra! A partir daqui, dou o costumeiro aviso de possíveis spoilers do mangá anterior.

Depois de descobrir que Suguro tem a mesma ambição que Rin, e que também riram dele por isto, a rixa entre os dois parece ter se acalmado, embora não sejam exatamente melhores amigos. O que nos faz querer ainda mais que Rin aprenda a conter seus poderes, afinal…o que alguém que odeia Satã acima de tudo não faria se descobrisse as reais origens de nosso protagonista?

E, por falar no relacionamento entre os personagens, em uma certa tarefa dada aos estudantes, a qual deve ser feita em duplas, Rin acaba sendo escolhido para trabalhar com Shiemi! Esta, por sua vez, finalmente trocou o kimono tradicional que sempre usava pelo uniforme escolar (composto, para as meninas, de uma saia e uma camiseta, basicamente), e o garoto parece ficar um pouco mais interessado nela, talvez querendo até mesmo mais do que uma mera amizade…

O problema é que, no meio da tarefa, eles acabam se separando e Amaimon, o irmão de Mephisto, que, portanto, também é um demônio e filho de Satã, resolve “brincar” com o mais velho dos gêmeos Okumura, roubando sua espada. O resultado é uma revelação um tanto surpreendente, para dizer o mínimo, sobre um dos tais alunos inúteis que passaram no teste de escudeiro sem fazerem absolutamente nada.

Mas, não é apenas de romance e ação que esse mangá é feito, nele também percebemos ainda mais a falta que Rin sente de seu pai adotivo, o quanto ele era importante (não só para ele, mas também no mundo dos exorcistas em geral) e o quanto ele o ensinou, quando conhecemos o antigo familiar del (um gato preto, muito fofo por sinal).

A obra acaba com um teste final feito em uma clareira, ou seja, um lugar onde Rin teria que se esforçar ao máximo para não liberar suas chamas, já que essa podeira ser vista por todos. Quem passasse no teste, poderia enfim fazer parte das missões. Isso me deixou muito ansiosa pelo próximo volume, e realmente indico o terceiro mangá de Blue Exorcist para qualquer um que goste de fantasia, sobrenatural e várias cenas de ação, ganhando, por isso, meu 9,5.

By Ana Beatriz

Blue Exorcist #2-Kazue Kato


Após os eventos do primeiro volume de Blue Exorcist, Rin Okumura passa a estudar na Academia Vera Cruz para se tornar exorcista, tendo como um de seus professores o próprio irmão, Yukio. Aviso que, como de costume, daqui pra frente podem haver spoilers do primeiro mangá.

Esse segundo volume da série de Kazue Kato foca mais no dia-dia de Rin na escola, no seu processo de adaptação á essa nova fase da vida dela, nos fazendo nos acostumarmos melhor ao ambiente escolar que estará presente na saga e explorando melhor os outros personagens, no caso, os colegas de classe de Rin.

É aí que começa a surgir uma rixa entre ele Suguro, um garoto prodígio e extremamente aplicado, ao contrário de Rin, que não consegue se concentrar nos estudos e só se interessa pela parte prática do exorcismo.

Conhecemos então os dois melhores amigos de Suguro: Konekomaru e Shima. O primeiro é mais quieto e tímido, porém gentil, enquanto o outro é mais alegre e mulherengo. O fato é que os três foram criados num templo budista um tanto especial, tendo diversos motivos para odiar os demônios, e em especial Satã, mais do que tudo no mundo.

Temos também as amigas Park e Kamiki, e descobrimos que a primeira só escolheu este curso para acompanhar a segunda, a qual pode ser fria, grossa, egoísta e até um pouco malvada…mas possuí um passado atormentado por fantasmas e solidão.

E na sala de Rin está, claro, também a já conhecida por nós do primeiro volume, Shiemi, que, desacostumada ao ambiente escolar e ao convívio com muitas pessoas em geral, luta para se adaptar a essa nova forma de vida e fazer novos amigos.

Com a arte excelente que já comentei na minha resenha do primeiro mangá e diversas aventuras, o segundo volume de Blue Exorcist não deixa de ser necessário para que compreendamos melhor os personagens e a própria atmosfera do universo criado por Kazue Kato, ganhando, por isso, meu 9.

By Ana Beatriz

O oráculo oculto-Rick Riordan


Mais um livro infanto-juvenil de fantasia, envolvendo mitologia greco-romana, o famoso autor de Percy Jackson inova no primeiro volume de As provações de Apolo pela mudança de caracterização do protagonista. Agora não se trata mais de um garoto adolescente aparentemente comum que repentinamente descobre sua linhagem divina/mágica e, consequentemente, um novo mundo sobrenatural baseado em mitos antigos que ele, em geral, desconhece. Pelo contrário, o protagonista é Apolo, um antigo deus grego acostumado com sua imortalidade e  poderes incríveis e que de repente se vê jogado (literalmente) no mundo moderno como um mortal comum de 16 anos.

Apolo é conhecido por ser um dos deuses mais vaidosos e metidos do Olimpo, o que, especialmente no início da narrativa, confere uma boa quantidade de humor ao texto, já que este começa reclamando de coisas ridículas, como a ausência de tanquinho ou a presença de espinha.

Pois é, ele, o grande deus do sol, se tornou um adolescente de 16 anos que, apesar de não ser feio, tem espinha, não tem tanquinho e não possuí qualquer experiência amorosa, além de ter um nome risível: Lester Papadoulos. Tudo isso apenas porque ele permitiu que um de seus descendentes, Octavian, quase promovesse uma guerra civil entre semideuses gregos e romanos! Injusto, não?

O fato é que essa não é a primeira vez que seu pai, Zeus, lhe aplica esse tipo de punição. Graças a isso, ao menos ele tem uma ideia do que fazer:encontrar um semideus e firmar um acordo de obediência com ele que geralmente dura por volta de um ano.

Não demora para que ele encontre Meg: uma moradora de rua que luta com lixo, mas também é capaz de invocar karpoi (espíritos dos grãos) e duas espadas de uma só vez. Ela é franca, direta e nem um pouco vaidosa, mas luta bem demais para alguém que jamais recebeu qualquer tipo de treinamento. Desgostoso, Apolo se vê sem opção e firma acordo com ela.

A princípio, o plano do ex-deus é basicamente ser salvo. Com esse objetivo, ele busca Percy Jackson, o qual diz que não quer se envolver em novos problemas mas concorda em levá-los até o Acampamento Meio-Sangue.

Lá, Apolo imaginava que Quíron e os semideus o receberiam festivamente e concentrariam esforços para descobrir uma forma de lhe devolver os poderes e a imortalidade. A questão é que o Acampamento já está cheio dos próprios problemas.

O Oráculo não funciona, assim como também não funcionam quaisquer meios de comunicação (mensagens de Íris, mensagens de Hermes, celular, e-mail, etc.) e, para piorar, agora alguns semideuses começaram a sumir inesperadamente. É, parece que a vida de Lester Papadoulos será muito mais complicada do que ele esperava…

O que talvez seja o mais interessante, do meu ponto de vista, nesse livro, é a forma como ficamos conhecendo melhor Apolo. Não a visão comum e superficial do grandioso deus Apolo, não os mitos de seus feitos incríveis. Mas sim o verdadeiro Apolo, sua dor, seus defeitos, a forma como ele pensa e sente e, entre tantas, quais são as histórias de amor que ainda o fazem sofrer.

É muito forte nesse livro também a relação entre Apolo e seus filhos (alguns dos quais aparentam ser mais velhos do que ele) e a forma que o autor se utiliza para descrever vários aspectos da condição de humano pelos olhos de alguém que não nasceu acostumado a isso. Indico o livro a todos os fãs de Percy Jackson e Os Olimpianos e de Os Heróis do Olimpo, pois a obra conta com inúmeras citações a fatos ocorridos nestas sagas anteriores e até mesmo com a aparição de alguns de seus personagens, além da abordagem do tão aguardado casal Wico/Solangelo. Por tudo que disse até aqui, minha nota para O oráculo perdido é 9.

By Ana Beatriz

Harry Potter e o prisioneiro de Azkaban-J.K.Rowling


O terceiro volume da saga Harry Potter narra, evidentemente, o terceiro ano do jovem bruxo em Hogwarts. Como de costume, a história se inicia nos mostrando o fim das (sempre terríveis) férias de Harry, e suas expectativas para a volta ás aulas.

Nesse livro em especial, o garoto acaba, por acidente, utilizando magia na casa dos tios, o que é obviamente proibido, e, temendo a reação dos Dursley e, principalmente, do Ministério da Magia, resolve fugir de casa.

O plano não funciona, de forma que ele é rapidamente encontrado por um Ministro, mas, contrariando o esperado, Cornélio Fudge parece aliviado, e não raivoso, ao vê-lo. Sendo assim, ele não sofre qualquer punição e é arranjado uma estadia para ele até que as férias terminem de fato.

Isso tudo é explicado quando ficamos sabendo da fuga de Sirius Black, um perigoso prisioneiro de Azkaban que teria sido supostamente um seguidor de Lorde Voldemort e indiretamente responsável pela morte dos pais de Harry.

Graças á isso, a segurança em torno do menino é altamente reforçada, pois supõe-se que Sirius viria atrás dele pelo garoto ter sido a causa da ruína de seu antigo mestre e, consequentemente, da sua própria.

Além disso, nós acompanhamos na obra também a rotina de estudos da escola de magia, que agora contêm uma nova disciplina: Adivinhação. E logo no primeiro dia de aula, a professora faz uma previsão um tanto sombria em relação ao futuro de Harry: ao que tudo indica, ele morreria ainda naquele ano. Sibila é famosa por sua falta de precisão nas previsões feitas por ela…porém quando se trata do inimigo de Voldemort, nunca se sabe!

Neste novo ano letivo temos também novos professores, para lecionar Defesa Contra a Arte das Trevas temos a introdução de um novo personagem. Apesar de ser um pouco desleixado, o Prof.Lupin é carismático e divertido, e, sem sombra de dúvida, o melhor professor que os alunos já tiveram nessa matéria, além de parecer adorar Harry. Os únicos que parecem antipatizar com ele são, Malfoy, seus amigos Crabble e Goyle , e o Prof.Snape, o qual sempre quis esse cargo e vive lhe preparando poções para ajudá-lo a curar seu constante mal estar…

O já conhecido (e adorado) guarda-caças, Hagrid, foi outro escolhido para ser professor, ensinando Trato das Criaturas Mágicas, uma profissão aparentemente perfeita para alguém conhecido por sua paixão por estranhos animais perigosos, mas ele terá que lidar com a implicância de Malfoy e seus amigos, que farão de tudo para dificultar seu trabalho.

No entanto, não é apenas de estudo que vivem os alunos de Hogwarts! Harry continua um astro do quadribol, e o capitão do time, Olívio, está mais obcecado do que nunca pelo objetivo de ganhar uma Taça para a Grifnória, por conta desse ser seu último ano na escola. Porém, fica difícil vencer as partidas se nosso protagonista desmaia toda vez que vê um dementador entrar no campo.

Os dementadores, por sua vez, são os guardas da prisão dos bruxos, Azkaban. Seres sinistros que se alimentam da felicidade e esperança humanas fazendo as pessoas á sua volta caírem em depressão e desespero, eles foram colocados em Hogwarts a contragosto do Prof.Dumbledore para proteger o local contra um possível ataque de Black.

Enquanto isso, a pobre Hermione parece cada vez mais afastada dos amigos inseparáveis Rony e Harry. Isso porque, como se já não bastasse ela ter assumido um horário de estudos absurdamente cansativo, ela comprou um gato, chamado Bichento, que tem a mania de perseguir o já frágil e doente rato de Rony, o Perebas.

Agora com 13 anos, vemos as primeiras demonstrações do surgimento dos hormônios adolescentes em Harry, embora de uma forma sutil, o que preenche a obra de humor e ficamos sabendo mais sobre os pais do garoto e como estes eram em vida, além da falta que eles lhe fazem, nos dando assim pequenas doses de drama.

Ainda estou lendo o quarto volume da saga, mas o terceiro foi, sem dúvida alguma, o melhor até agora, não só pelo incrivelmente envolvente mistério acerca de Sirius Black ou pelo drama que gira ao redor do passado familiar de Harry, mas principalmente porque, na minha opinião, este é o livro em que nos sentimos mis familiarizados, habituados e inteirados do fantástico mundo de J.K. Rowling, quase como se pudéssemos aprender a voar em vassouras a qualquer momento. Completamente viciante, Harry Potter e o prisioneiro de Azkaban merece meu 10.

By Ana Beatriz

Mirai Nikki


Um clássico dos animes, é praticamente impossível ser um otaku e nunca ter ouvido falar de Mirai Nikki ou, ao menos, de sua personagem mais marcante, Yuno Gasai. No entanto, confesso que nunca tinha me interessado tanto assim pela obra e que o que me motivou de fato a assistir foi a indicação da Sophia Oliveira do blog Sentimentos Escritos . Muito obrigada pela indicação!

Embora tenha dito anteriormente e não negue que sua personagem mais marcante e mais famosa era Yuno Gasai, ela não é de fato a protagonista, mas sim um garoto aparentemente sem graça chamado Amano Yukitero, ou, como a Yuno gosta de chamá-lo, Yukki.

Yukitero é o maior exemplo de adolescente solitário e anti-social, mas a sua ausência de companhia não é de agora. Isso porque Amano-kun nunca teve nenhum amigo, tampouco uma namorada. Dessa forma, o menino supera sua solidão mantendo um diário no celular, no qual ele anota tudo que observa ao seu redor e que ocorre em sua vida. Ele cria também um mundo imaginário, com um deus e sua assistente, cujo nome é Murumuru.

Fora isso, Yukitero leva uma vida normal até que algo estranho acontece: de repente ele nota que seu diário passa a registrar eventos futuros. É nesse momento que seu Deus Imaginário revela estar ficando velho, precisando por isso, escolher alguém para assumir seu posto. Com esse objetivo, ele cria um jogo de sobrevivência entre 12 participantes, todos possuindo seus respectivos diários do futuro. O último a se manter vivo se tornaria o deus do novo mundo.

Não demora para que os demais jogadores busquem Amano querendo matá-lo, mas, antes mesmo que isso ocorra, uma das 12 participantes aparece se oferecendo não omo inimiga, mas sim como uma poderosa aliada. Garota prodígio no colégio, além de ter excelentes notas, Yuno também é muito bonita e é da sala de Yukiteru-kun. E é ela que, um belo dia, lhe diz que está apaixonada por ele e que, por isso, faria tudo para protegê-lo.

O oposto de nosso protagonista fraco e um tanto quanto covarde (ao menos no início), Yuno é forte, corajosa e parece matar com uma facilidade que surpreende por sua estrutura delicada. Somando-se isso a seus atributos já citados, a proposta da garota soa simplesmente irrecusável aos ouvidos de Yukiteru, que a aceita mesmo sem amá-la. O problema? O amor de Yuno é doentio, tornando-a excessivamente possessiva e ciumenta, e ela falava sério quando jurou proteger seu amado Yukki de tudo e de todos, assumindo uma postura muitas vezes bem psicopata. Como se isso tudo já não bastasse, a menina parece sofrer com frequentes lapsos de memória, tendo, ao que tudo indica, um grave distúrbio de dupla personalidade

Não irei listar aqui todos os adversários de Amano-kun e Yuno Gasaoi, pois, esses não só são muitos, como também isso poderia constituir algum tipo de spoiler. Porém, gostaria de dar um destaque especial á Nona: uma de minhas personagens preferidas, ela surge logo nos primeiros episódios com uma ameaça terrorista, fazendo-nos odiá-la, mas não demora para que percebamos que talvez ela não seja tão má assim e acabos até nos apegando a ela…

Conforme se desenrola a trama, Yukki faz novos amigos, seu relacionamento com Gasai se desenvolve (transformando-os num casal totalmente shippável) e sua personagem amadurece sensivelmente. Mais importante que isso, surgem novos mistérios e notamos que a história não se trata apenas de lutas e sangue. Apesar disso, o anime conta com inúmeras cenas de ação, sem falar num casal fofo e numa personagem (Yuno) inesquecível, merecendo, por isso, meu 9.

By Ana Beatriz

Tokyo Ghoul#5-Sui Ishida


O quinto volume do mangá Tokyo Ghoul é até agora o último a ter sido lançado no Brasil e não é por acaso que tem a personagem Rize-san na capa. Isso se deve ao fato de que a obra possui um extra no qual ficamos conhecendo um pouco mais do passado da ghoul causadora de tantos problemas. Aviso que a partir do próximo parágrafo podem haver spoilers dos volumes anteriores.

No último volume, Kaneki foi até o “Restaurante de ghouls” em troca de obter mais informações sobre a teoria de que a morte de Rize-san tivesse sido proposital com Itori. Assim sendo, foi por muito pouco que o garoto não foi morto pelo Gourmet e seus companheiros.

Mesmo tendo sobrevivido, Kaneki, que ainda tem pesadelos com aquele dia, vai descobrir que, ao contrário do que pode parecer, o Gourmet nem de longe deixou representar um perigo.

Enquanto Kaneki tentava sobreviver àqueles ghouls famintos, Nishiki estava doente, dolorido, fraco e faminto, ainda sem conseguir se recuperar da surra que levara de Kaneki. É por isso que a namorada humana dele, Kimi, ao vê-lo naquele estado e descobrir que Kaneki também é um ghoul, pede para ele que o ajude, tentando conseguir carne humana a fim de alimentar Nishiki.

O menino aceita prontamente, mas o que ele não sabia é que, ao fazer isso, ao invés de ajudar ele apenas vai piorar a situação. Isso porque num belo dia ele recebe uma carta com uma rosa enviada pelo Gourmet, o qual o vira conversando com Kimie supusera um tipo diferente de relacionamento entre os dois. Por causa disso, segundo a carta,o Gourmet sequestrou a pobre garota, e a menos que Kaneki aparecesse numa igreja abandonada no horário marcado, esta seria devorada.

Temendo por Kimi, Kaneki decidi obedecer as instruções e ir, lá aparecem também Nishiki (ainda muito fraco e doente) e Touka. Parece uma luta fácil, afinal são três contra um, mas…será mesmo assim tão simples quando o oponente parece ser tão superior a eles?

Achei o mangá muito interessante porque nele conhecemos um pouco melhor, não apenas a Rize-san, mas também o próprio Nishiki, já que somos informados de seu passado e do início de seu namoro com Kimi. É também esse o primeiro volume em que somos apresentados a esse tipo de relacionamento entre ghouls e humanos. Por causa disso, minha nota para o mangá é 9,5.

By Ana Beatriz

Blue Exorcist#1-Kazue Kato


Inspiração para o famoso anime Ao no Exorcist, o primeiro volume de Blue Exorcist pode ser difícil de ser encontrado e talvez um pouco caro, mas vale a pena pela história fascinante e pela arte incrível.

O primeiro mangá que leio e inglês, comprei-o pela internet porque não consegui achar em nenhuma loja física (a partir do segundo volume a saga é facilmente encontrada na Comix e em algumas lojas do bairro da Liberdade). No entanto, eu não me arrependi do preço, do desafio de ler em outra língua ou mesmo de ter comprado pela internet (coisa que raramente faço com livros e mangás).

A história gira em torno de Rin Okumura, um garoto problemático de 15 anos que não conhece os pais e foi criado com o irmão gêmeo, Yukio, pelo Padre Fujimoto, ele é de longe o mais problemático entre os dois, sendo briguento e irresponsável e sem conseguir parar em um emprego.

Mais uma vez seu pai de criação, sempre muito preocupado com o futuro do garoto, o arranjou uma entrevista de emprego em um restaurante, já que ele é um excelente cozinheiro. Enquanto ele caminha em direção ao restaurante, logo percebemos que tem algo errado quando vemos vários bichinhos pretos e minúsculos voando por toda parte, mas as coisas complicam de verdade quando um grupo de meninos tenta arrumar briga com ele.

Rin se irrita facilmente, mas tenta se controlar, embora sem sucesso quando seu oponente começa a zombar de seu irmão, o qual sonha em ser médico mas não tem dinheiro para isso. Porém, algo inesperado ocorre no meio da luta:Rin percebe que o menino assume a forma de um demônio, e ele próprio começa a arder em chamas azuis.É nesse momento que ele descobre na verdade ser filho ilegítimo de Satã com uma mortal comum.

Ao perceber que seus poderes demoníacos começaram a despertar, Padre Fujimoto lhe dá o número de telefone de um amigo, que o ajudaria em caso de necessidade, e uma espada que lhe pertencia mas ele jamais deveria usar, pois isso o transformaria de vez num demônio, já que esta tinha como função suprimir seus poderes demoníacos.

Logo após isso, em meio a uma discussão entre os dois, Fujimoto é possuído por Satã, e, mesmo sendo o exorcista mais poderoso então existente, ele não consegue sobreviver ao demônio. Além de se sentir culpado pela morte do pai de criação, Rin passa a nutrir também um sentimento de vingança em relação ao pai biológico, decidindo por isso tornar-se exorcista.

Com esse objetivo, o garoto liga para o número dado por seu pai pouco antes de sua morte, o qual pertence a Mephisto Pheles. Este, por sua vez, é um demônio que dirige uma Academia que, entre outras coisas, forma também exorcistas.

Neste primeiro volume nós somos apresentados aos principais personagens envolvidos na trama e aos conflitos internos de Rin, assim como ás suas dificuldades para manter a concentração nos estudos de exorcismo, além de percebermos a forte interação entre os gêmeos. Para quem quiser ler em inglês, não há o que temer, já que o vocabulário é bem simples, e as palavras desconhecidas em geral podem ser facilmente compreendidas de acordo com o contexto. Inspiração para um de meus animes preferidos, e com um protagonista que é um dos meus personagens favoritos, Blue Exorcist tem desenhos incrivelmente bem feitos, algumas situações cômicas e outras dramáticas, além de muitas cenas de ação, tornando-se também um dos melhores mangás que já li e, por isso, merecendo meu 10.

By Ana Beatriz

Tokyo Ghoul #4-Sui Ishida


O quarto volume de Tokyo Ghoul finalmente nos apresenta um personagem até então muito citado, mas sobre qual não sabíamos praticamente nada até agora. Tão narcisista que aparece na capa e na contracapa ( contrariando o padrão da saga de ter a imagem de personagens distintos em cada lado), ele é o famoso Gourmet. Aviso que a partir de agora, essa resenha pode conter spoilers dos volumes anteriores e do anime.

Um homem conhecido por sue beleza e elegância, mas também por seu narcisismo e arrogância, assim que o Gourmet aparece na Anteiku, Touka avisa Kaneki para se manter longe dele, já que este seria um dos ghouls mais problemáticos do Distrito 20.

Tentando controlar sua curiosidade, Kaneki não o procura, no entanto, o contrário ocorre quando o Gourmet o encontra na faculdade, lendo calmamente. Não demora muito para que ele encontre o ponto fraco do garoto:literatura. Ambos começam a discutir livros, e, como todo apaixonado/viciado por livros faria, Kaneki se empolga na conversa, simpatizando cada vez mais com o rapaz, que aproveita a oportunidade para convidá-lo para um café, que, supostamente, sua autora preferida costumava frequentar. A tentação é grande, mas ele segue o conselho de Touka, recusando a gentileza.

É então que Yomo-san o convida para conhecer uma amiga que está curiosa para conhecê-lo. Itori é dona de um bar e amiga também de Uta-san, além de ser muito extrovertida e alegre, ela adora conversar. Em pouco tempo, ela deixa escapar a suspeitas de que a morte de Rize-san talvez não tenha sido acidental, afinal, alguém poderia ter derrubado aquelas vigas propositalmente.

Kaneki evidentemente quer mais informações sobre o assunto, mas Itori alega que só as daria se o garoto descobrisse sobre o “Restaurante de ghouls”, do qual o Gourmet parece ser um importante membro. A fim de saciar sua curiosidade, ele acaba por aceitar o convite dele para um café, aproveitando para se inteirar do assunto. Mais do que apenas lhe contar como seria o local, o Gourmet o leva até lá, mas talvez esse tal restaurante não seja exatamente o que ele esperava…

Além de conhecermos o Gourmet, que se tornaria talvez um dos mais importantes personagens da história depois disso, é também nesse mangá que sabemos mais sobre o passado de Rize-san e, consequentemente, como ela era em vida. Somos apresentados também a Yoriko, a amiga humana de Touka que é sua colega de escola, e vemos o sacrifício que esta última faz para manter a amizade. Repleto de cenas de ação, com um pouco de drama e talvez um pitada de humor…para mim a obra merece 9.

By Ana Beatriz