O Menino do Dedo Verde – Maurice Druon

Resultado de imagem para o menino do dedo verdeQuerida Família Lendo Muito, trago-vos hoje a resenha de um livro maravilhoso, considerado por muitos um paralelo de O Pequeno Príncipe. Trata-se de O Menino do Dedo Verde, de autoria do francês Maurice Druon.

A história começa com o nascimento de João Batista. Acontece que o menino não gostou nenhum pouco do seu nome e esperneou e chorou muito quando o chamaram de João Batista, afinal, não fora ele quem escolhera o nome e sim os adultos.

Logo depois, ele passou a ser chamado de Tistu, pois apelidos são formas naturais de se chamarem as crianças.

Tistu era loiro e de olhos azuis e nascera em uma família muito rica, pois o Sr. Papai, seu pai, era um importante fabricante de canhões da cidade de Mirapólvora. Ele tinha certeza que seu filho querido o sucederia na fábrica.

Todos achavam-no tão bonito a ponto dele acreditar que a beleza era algo tão natural; para ele, a feiura deveria ser uma exceção!

A Dona Mamãe e o Sr. Papai resolveram educá-lo em casa mesmo até os 8 anos, ensinando coisas simples para o filho querido. Ele aprendeu com a mãe o princípio da leitura, a somar, subtrair e até multiplicar e dividir, apenas observando a natureza.

Então ele foi mandado para a escola, para que se juntasse às demais crianças de Mirapólvora. Contudo, no terceiro dia ele conseguiu ser expulso por dormir em sala de aula.

“Prezado Senhor, o seu filho não é como todo mundo. Não é possível conservá-lo na escola.” – era o que a carta que o professor de Tistu mandara para eles dizia.

Ele havia sido devolvido aos pais e todos passaram a olhá-lo torto, se perguntando o que seria daquele menino bonito. Só o Ginástico, seu pônei de estimação, não o censurava.

Seus pais resolveram que ele não iria nunca mais para a escola e não tocaria jamais em qualquer outro livro; dali para frente ele se tornaria gente grande, aprendendo as lições apenas observando o desenrolar das coisas.

Primeiro, ele teve aulas com o Sr. Bigode, que aparentava ser muito severo, mas que no fundo era um amor de pessoa. Ele ensinou todo o segredo da jardinagem para Tistu; quando o garoto semeou algumas flores nos vasos e ela floresceram no mesmo dia, ele disse para Tistu que ele nascera com o polegar verde, porém,  ele deveria manter essa informação em segredo, pois aquilo era um dom e gente grande não lida bem com essas coisas.

Depois, ele foi ter aulas com o Sr. Trovões, que apresentou-lhe a cadeia da cidade. Tistu achou as pessoas tão miseráveis e tristes, e o lugar era tão horrível, que ele questionou o Sr. Trovões sobre aquele tratamento dados aos presos. Trovões disse-lhe então que aquele lugar servia de castigo para aqueles que cometeram crimes, todavia, Tistu ficou com a impressão de que deixar as pessoas expiarem seus erros em um lugar tão horrível, não servia para nada.

Durante a noite, ele resolveu então agir: foi até os muros da cadeia e usou seu polegar para modificar a prisão. Ao acordarem, os habitantes de Mirapólvora deram de cara não com uma cadeia, mas com um verdadeiro Castelo de Flores.

Aquilo era tão estranho que eles resolveram constituir um congresso de botânicos para examinar as flores da cadeia de Mirapólvora, mas as explicações não foram satisfatórias.

Depois, ele acompanhou o Sr. Trovões em uma visita às favelas da cidade; lá chegando, ele viu pessoas muito pobres, morando em casebres lúgubres e levando uma vida dura e miserável.

Ao voltar, ele teve a ideia de mudar o aspecto daquele lugar utilizando seu polegar verde novamente. Na manhã do outro dia, aquele horrível lugar transformara-se em uma área lindamente florida, ou seja, uma verdadeira paisagem de cartão postal.

As pessoas acharam aquele lugar tão belo e formoso  que começaram a pagar entrada como se ali fosse um museu.

Vou parar por aqui, para não estragar as surpresas que o autor preparou para vocês…

O resto, só lendo muito.

Um livro considerado infantil, porém, de infantil não tem nada, já que traz inúmeros ensinamentos para todos nós, que nos consideramos adultos.

Sortudo foi o tradutor da minha edição,  D. Marcos Barbosa, pois ele teve a honra de traduzir duas obras-primas: O Pequeno Príncipe e o Menino do Dedo Verde.

Merece 5/5 estrelas

Gostaria de agradecer muito a Dra. Milene Penariol Bizarro, minha T.O. (terapeuta ocupacional) que presentou-me com vários livros de sua coleção: O Menino do Dedo Verde estava entre eles.

Espero que tenham gostado.

Um beijo enorme no coração de cada um de vocês!

Alex André

Anúncios

2 comentários sobre “O Menino do Dedo Verde – Maurice Druon

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s